i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tendências mundiais

Milao decide local de cavalo de da Vinci

  • PorELISABETTA POVOLEDO
  • 16/03/2014 21:04
Estátua baseada em projeto de Leonardo da Vinci foi relegada a um hipódromo em Milão, distante do público | Alessandro Grassani /The New York Times
Estátua baseada em projeto de Leonardo da Vinci foi relegada a um hipódromo em Milão, distante do público| Foto: Alessandro Grassani /The New York Times

Os milaneses estão envolvidos em um debate sobre tirar o máximo proveito de um cavalo ganho de presente: um colossal corcel de bronze dado por um grupo de doadores norte-americanos.

Inspirado na estátua incompleta projetada por Leonardo da Vinci (o molde de argila foi destruído em 1499), com 7,3 metros de altura, o garanhão de 15 toneladas chegou a Milão em 1999, fruto de uma fundição de Beacon, Nova York, e foi colocada em uma praça no hipódromo da cidade, no bairro de San Siro.

Para seus admiradores, instalar a escultura em um local onde recebe poucos visitantes é decepcionante.

Agora, com a abertura da Exposição Mundial em Milão a menos de 14 meses, aumentaram os pedidos para que o cavalo fosse movido para uma posição mais visível, e até mesmo torná-la um símbolo da cidade durante a feira, que as autoridades esperam que atraiam milhões de visitantes à capital da Lombardia.

O cavalo "seria um marco", um monumento cultural similar à Estátua da Liberdade, disse Carlo Orlandini, presidente do Comitê pelo Grande Cavalo, grupo de voluntários que há anos defende a transferência do corcel.

"Nós precisamos convencer as pessoas de que a solução atual não é apropriada e não corresponde ao espírito com que o presente foi dado", disse Orlandini.

Concebida há quase quatro décadas por um piloto de avião aposentado, Charles C. Dent, de Allentown, Pensilvânia, como um substituto contemporâneo do original de Leonardo, a intenção da estátua de bronze era ser um presente do povo norte-americano ao povo italiano "para homenagear Leonardo da Vinci e o Renascimento italiano", explica uma placa no pedestal.

Doadores arrecadaram mais de US$ 6,5 milhões para fundir o cavalo, mas um parque cultural e educativo que a Prefeitura prometera construir no hipódromo de San Siro como parte do acordo de doação nunca se materializou.

Agora os preparativos municipais para a Exposição Mundial, cuja abertura está marcada para maio de 2015, deram novo ânimo para os defensores da estátua no sentido de que ela encontre uma nova casa, ainda que somente para os seis meses de duração da feira.

"Eu acho que devemos conversar a respeito", afirmou Giangiacomo Schiavi, subeditor do jornal "Corriere della Sera". Para ele, o cavalo deveria ser visto como um "símbolo de boas-vindas de Milão" por todos os visitantes.

Schiavi disse que exibir o cavalo também serviria para destacar os laços poucos explorados de Leonardo com Milão. Leonardo morou na cidade durante quase 20 anos, deixando a obra-prima "A Última Ceia" como o testemunho mais conhecido de sua estadia. Porém, o debate sobre a linhagem confusa do cavalo aborreceu críticos, descritos como "puristas" por Orlandini, os quais afirmam que os vínculos da estátua norte-americana com a obra perdida de Leonardo são, no máximo, questionáveis.

Nina Akamu, escultora norte-americana, afirma que sua versão da estátua "não pretende ser uma recriação da escultura de da Vinci".

As autoridades milanesas parecem abertas a um novo local com a chegada da exposição mundial. Porém, boa parte depende de o comitê do Grande Cavalo pagar a conta do transporte, estimada, em números conservadores, em aproximadamente US$ 412 mil, incluindo o corte de cabos de bonde e elétricos ao longo da rota.

De acordo com a Prefeitura, um possível local alternativo seria diante do castelo Sforza, área em que o centro de informações da feira está sendo construído. Vereadores, no entanto, afirmam que transportar o cavalo só por seis meses é um desperdício de recursos e dinheiro.

"Seria melhor manter o cavalo no hipódromo", argumentou Enrico Fedrighini, vereador milanês. "E mandar os visitantes da feira até lá."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.