A namorada de Jackson Pollock afirmou que o artista pintou “Red, Black and Silver” em 1956 | C41 Media
A namorada de Jackson Pollock afirmou que o artista pintou “Red, Black and Silver” em 1956| Foto: C41 Media

Há quase 60 anos, uma pequena pintura com redemoinhos e manchas vermelhas, pretas e prateadas simboliza a inimizade entre duas mulheres: Lee Krasner, a viúva de Jackson Pollock, e Ruth Kligman, sua amante. Até sua morte, em 2010, Kligman insistia que a pintura era uma carta de amor para ela, criada por Pollock no verão de 1956, poucas semanas antes de ele morrer em um acidente de carro. Porém, um grupo de especialistas reunido pela fundação criada por Krasner rejeitou a pintura ao autenticar e catalogar as obras de Pollock.

Em novembro, parece que a disputa que viveu mais que as duas mulheres pode finalmente chegar ao fim. Os responsáveis pelo espólio de Kligman afirmaram que testes forenses – comparando amostras dos mocassins que Pollock estava usando quando morreu, seus tapetes e o quintal de sua casa – haviam ligado a pintura de Pollock a sua casa. Porém, ao invés de resolverem uma disputa, as descobertas simplesmente deram início a outro problema, que coloca as formas tradicionais de determinar se uma obra é verdadeira contra as tecnologias mais novas.

De um lado está Francis V. O’Connor, um imponente conhecedor de arte do velho mundo que acredita que a erudição e o olho treinado sejam essenciais para determinar a autenticidade de uma obra. O’Connor, um dos editores do catálogo definitivo de Pollock e membro do já desfeito comitê de autenticação da Fundação Pollock-Krasner, afirmou que "Red, Black and Silver" não parece ter sido pintada por Pollock. Do outro lado está Nicholas D. K. Petraco, detetive aposentado de Nova York e perito forense, que examinou a pintura a pedido dos responsáveis pelo espólio de Kligman. Aproximando-se da tela como quem olha para um corpo na cena de um crime, Petraco afirmou que não tinha dúvidas de que a pintura tivesse sido feita na casa de Pollock e estivesse ligada a Pollock. "Já vi casos de pessoas que passaram 20 ou 30 anos na cadeia com menos provas do que temos aqui", afirmou.

Porém, a ciência tem limites. Tintas e papéis podem ajudar a estabelecer a data de um trabalho, ao passo que cabelos e fibras são capazes de determinar onde a obra foi feita. Porém, a origem da obra também precisa ser averiguada. Os conhecedores afirmam que a verdadeira autoria não pode ser estabelecida sem que um especialista avalie a composição e as pinceladas que revelam a verdadeira "assinatura" do artista.

A diferença de opinião pode valer milhões. Sem ser autenticada, "Red, Black and Silver" seria listada como "atribuída a Pollock" e teria um valor inferior a 50 mil dólares, afirmou Patricia G. Hambrecht, da casa de leilões Phillips, que recebeu a pintura em consignação. Se for confirmada a autoria de Pollock, o valor estimado saltaria para mais de um milhão de dólares, afirmou.

O relato de Kligman a respeito da pintura data do verão de 1956, quando ela tinha 26 anos e vivia na casa de Pollock, em East Hampton, Nova York, depois que Krasner, que pegou os amantes na cama, foi embora para a Europa. Pollock passava por graves problemas com o alcoolismo e não pintava havia dois anos. Conforme Kligman descreveu em uma nova introdução para a edição de 1999 de seu livro de memórias, "Love Affair: A Memoir of Jackson Pollock" (Caso de amor: Memórias de Jackson Pollock, na tradução), o artista estava no quintal da casa quando ela trouxe as tintas e pincéis que ele usou. Quando ele terminou de pintar, teria dito: "Aqui está sua pintura, um Pollock só seu". Quando examinou a obra, Petraco, o detetive, procurou sinais de poeira, cabelo, fibras e outros detritos na superfície e abaixo da tinta. O argumento decisivo, segundo ele, foi a descoberta de um pelo de urso polar. Um tapete de urso polar que ficava na sala em 1956 ainda estava no sótão da casa de East Hampton.

O’Connor afirmou que pode até ser que a obra tenha sido feita no quintal do artista, mas ele é incapaz de dizer quem a pintou.Exatamente o que aconteceu entre duas pessoas que já morreram em uma tarde há 57 anos talvez seja algo que nem a ciência nem a técnica serão capazes de dizer.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]