Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
David Nabarro, diretor da OMS para a Covid-19
David Nabarro, diretor da OMS para a Covid-19| Foto: Wikimedia Commons

Medidas extremas de confinamento e lockdowns não vão vencer a guerra contra o coronavírus, que deve se estender por um período ainda razoável de tempo. O alerta foi dado pelo diretor da Organização Mundial de Saúde para a Covid-19, David Nabarro, em entrevista recente à revista britânica The Spectator. “Apelo para os líderes mundiais: parem de utilizar lockdowns como ferramenta principal, desenvolvam sistemas melhores, trabalhem juntos e aprendam juntos. E lembrem, os lockdowns têm uma consequência que jamais deve ser subestimada, que é fazer os pobres terrivelmente mais pobres ainda”.

Na entrevista, Nabarro disse que o único momento em que um lockdown se justifica é quando se precisa ganhar tempo para reorganizar, reagrupar, reequilibrar os recursos e proteger profissionais de saúde exaustos. “Mas, em larga escala, é melhor não fazer. Veja o que aconteceu com a indústria do turismo no Caribe, ou no Pacífico, por que as pessoas não estão saindo em férias. Veja o que está acontecendo com os pequenos agricultores em todo o mundo por que seus mercados foram prejudicados. Veja o que tem acontecido com os níveis de pobreza. É possível que o nível de pobreza no mundo dobre no ano que vem. Podemos acabar tendo pelo menos o dobro de desnutrição, porque as crianças não estão recebendo merenda escolar e seus pais, de famílias pobres, não conseguem comprar. É algo terrível, uma catástrofe global na verdade”.

Em vez disso, aconselhou Nabarro, todos precisam “ser rigorosos em relação à distância social, ao uso de máscaras, às medidas de higiene e auto-isolamento quando estiverem doentes, para proteger as pessoas mais vulneráveis”.  As declarações de Nabarro acontecem num momento em que uma segunda onda de Covid-19 preocupa vários países europeus e no dia em que o Reino Unido anuncia um sistema de três níveis de restrições para tentar frear o avanço da pandemia.

46 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]