Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, fala em Caracas, em abril de 2022.
Ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, fala em Caracas, em abril de 2022.| Foto: EFE/ RONALD PEÑA

A oposição venezuelana reunida na Plataforma Unitária Democrática informou nesta segunda-feira (23) que iniciará um processo de consulta "com todos os setores do país" para determinar a fórmula de realização das eleições primárias nas quais definirá o candidato que enfrentará o chavismo nas eleições presidenciais de 2024.

"A Plataforma Unitária Democrática informa que iniciará um processo de consulta com todos os setores do país, sobre a melhor maneira de realizar as eleições primárias", anunciou a coalizão em comunicado à imprensa.

A decisão é divulgada depois que, no último dia 16 de maio, o grupo anunciou que escolherá um candidato presidencial da oposição por meio das eleições primárias que planeja realizar em 2023.

O início da consulta foi acordado na primeira reunião da plataforma, realizada na manhã desta segunda-feira, na qual participaram representantes de vários partidos políticos.

“Além dos contatos diretos com instituições e personalidades, será ativada nos próximos dias uma página na web para receber as opiniões e recomendações dos venezuelanos sobre o processo primário em nível nacional”, declarou o secretário-executivo da coalizão, Omar Barboza.

Ele declarou ainda que, na reunião, foi aprovado o regulamento da plataforma, com o qual, segundo garantiu, “trabalharão com regras claras” de funcionamento. Também foram criadas seis comissões de trabalho e um cronograma para conhecer a opinião dos cidadãos sobre as primárias.

O dirigente detalhou que as comissões criadas foram as de comunicação, estratégia, organização, plano país, alianças e solidariedade social e que "servirão para operacionalizar a Plataforma Unitária Democrática diante dos objetivos traçados pelos venezuelanos para resgatar a liberdade e a democracia".

A plataforma, formada pelo grosso das organizações políticas que se opõem à ditadura de Nicolás Maduro, conta com o apoio do líder opositor, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por alguns países.

A maioria desses partidos políticos não participou das eleições presidenciais de 2018, nas quais o ditador Maduro foi reeleito, nem das eleições parlamentares de 2020, nas quais o chavismo conquistou uma vitória acachapante, por considerar que eram processos fraudulentos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]