i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Legislatura estadual

Os principais destaques da audiência sobre a alegada fraude eleitoral do Arizona

  • PorFred Lucas
  • The Daily Signal
  • 02/12/2020 14:55
michigan eleições eua
Pessoas se reúnem no Capitólio do Estado de Michigan para uma manifestação em apoio ao presidente dos EUA, Donald Trump, em 14 de novembro de 2020, em Lansing, Michigan. Imagem ilustrativa.| Foto: JEFF KOWALSKY/AFP

No mesmo dia em que o Arizona certificou o ex-vice-presidente Joe Biden como o vencedor dos 11 votos eleitorais do estado, os legisladores estaduais realizaram uma reunião de apuração de fatos nesta segunda-feira (30) sobre alegações da fraude eleitoral que pode ter influenciado esse estado que está fortemente contestado.

Biden aparentemente venceu no estado de tendência tradicionalmente republicana por pouco mais de 10.000 votos. No entanto, testemunhas disseram aos legisladores estaduais que houve fraude na votação pelo correio e problemas com as máquinas dos sistemas de votação da Dominion podem ter distorcido os resultados.

A Dominion defendeu de modo veemente suas máquinas, declarando em seu site:

De acordo com uma declaração conjunta da agência governamental federal que supervisiona a segurança eleitoral dos EUA, a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura do Departamento de Segurança Interna: “Não há evidências de que qualquer sistema de votação excluiu ou perdeu votos, alterou votos ou foi de alguma forma comprometido”. Os conselhos do governo e do setor privado que apoiam esta missão consideraram as eleições de 2020 como "as mais seguras da história americana".

O evento não foi uma audiência legislativa formal, uma vez que o Legislativo está em recesso, mas membros republicanos do Senado e da Câmara dos Deputados estaduais participaram do painel, fazendo perguntas a testemunhas.

A sessão, que começou no final da manhã e durou até a noite, não foi realizada no Capitólio do estado, mas sim fora, no hotel Hyatt Regency em Phoenix, com um comício "Pare o Roubo" de partidários do presidente Donald Trump do lado fora.

“O objetivo desta audiência pública, uma investigação sobre a integridade da eleição que acabou de passar, é fornecer um fórum onde nenhum outro foi permitido para a equipe de litígio do presidente apresentar as evidências e testemunhos”, disse o deputado estadual Mark Finchem, do Arizona, que organizou a audiência, acrescentando:

Estamos presos entre o desejo de confiar no processo e a suspeita de que ele falhou com o povo do Arizona e, potencialmente, com o povo de nossos estados irmãos. Se houver privação do eleitor, devemos identificar sua origem e erradicá-la, como faríamos com qualquer doença.

A seguir estão quatro destaques da audiência dos legisladores do Arizona.

1) 35 mil votos fraudulentos? 

Se as alegações forem verdadeiras, a maior notícia que saiu do fórum foi a possível adição de 35 mil votos democratas ilegais.

O coronel aposentado Phil Waldron, especialista em segurança cibernética, testemunhou que um e-mail anônimo de um provedor de tecnologia do condado de Pima alegou que 35 mil votos foram dados ilegitimamente aos candidatos democratas naquele condado.

“Ele queria permanecer anônimo, mas estava preocupado o suficiente para enviar isso à Divisão Criminal do Departamento de Justiça dos Estados Unidos”, disse Waldron. “Ele não queria ser incluído na investigação, mas as informações que eles registraram são as que gostaríamos que tivessem a oportunidade de investigar em seu nome ou em uma equipe forense de sua escolha. Não importa para nós.”

Se a alegação de votos ilícitos for verdadeira, os 35 mil votos seriam mais de três vezes suficientes para virar o Arizona para Trump. No entanto, o indivíduo anônimo aparentemente não está disposto a fornecer um nome ou assinar uma declaração sob pena de perjúrio.

“Então, isso coincide com a análise de dados naquele pico. Não tínhamos conhecimento deste e-mail até depois do fato. Portanto, houve aproximadamente 35 mil votos fraudulentos adicionados ao total de votos de cada candidato democrata”, disse Waldron aos legisladores.

Ele leu a mensagem que dizia: “Os candidatos impactados incluem candidatos às eleições municipais, estaduais e federais” e falou sobre os alegados 35 mil votos adicionados para os democratas.

A pessoa anônima também alegou que membros do Partido Democrata a convidaram para uma reunião em 10 de setembro e traçaram um plano para adicionar esses votos.

A mensagem da pessoa anônima, exibida em uma tela, dizia:

Quando eu perguntei como no mundo 35 mil votos podem ser mantidos escondidos de serem descobertos, afirmaram-me que a distribuição espalhada será incorporada em toda a faixa de eleitores registrados e não excederá a contagem de votos registrados, e os 35 mil foram determinados como admissíveis no condado de Pima, com base em nossa contagem de votos registrados no condado.

Também foi declarado que a participação total dos eleitores versus o total de eleitores registrados determinam quantos votos podemos incorporar.

Os totais de incorporação de Maricopa [Condado] seriam substancialmente maiores do que os de Pima, devido às incorporações sendo baseadas no número total de eleitores registrados.

Quando perguntei se isso foi testado e como sabemos se funciona, a resposta foi sim e tem mostrado sucesso nas eleições de retenção judicial no Arizona desde 2014, mesmo indetectável em pós-auditorias porque nenhum candidato gastará o tipo de dinheiro necessário para auditar e contatar os eleitores para verificar os votos em todo o potencial do total de eleitores registrados, que é mais de 500 mil.

Ainda assim, Waldron disse que preferia que a pessoa se identificasse oficialmente e sob juramento.

“Esperávamos que esse indivíduo se apresentasse e emitisse isso como uma declaração juramentada, mas isso é significativo, e também observamos que os números dos relatórios dos condados de Pima e Maricopa mesclavam os votos do dia da eleição com os votos escritos, com cédulas de correio”, disse Waldron. “Portanto, não há como nos dados disponíveis publicamente analisar esses votos nos segmentos.”

2) Certificação de Biden 

Altos funcionários estaduais, incluindo o governador republicano do Arizona, Doug Ducey, anunciaram a certificação de Biden como o vencedor dos 11 votos eleitorais do estado.

O governador tuitou: “Hoje, assinamos a campanha para as eleições de 2020 no Arizona. Sou grato aos eleitores, aos escritórios eleitorais do condado, aos cartórios do condado e aos funcionários eleitorais de todo o estado por sua dedicação ao sucesso de nosso sistema eleitoral.”

Os democratas da Arizona House zombaram da audiência em um tuíte como uma “perda de tempo sem sentido em um hotel no centro de Phoenix” e pediram aos residentes do estado que se concentrassem na certificação de uma vitória de Biden e em outros resultados eleitorais.

No entanto, durante a audiência, o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliani, advogado pessoal de Trump, se manifestou contra os esforços para certificar a eleição com tantas perguntas sem resposta. Ex-promotor federal, ele até sugeriu que poderia ser ilegal certificar o voto.

“A votação tal como existe atualmente é falsa. É fraudulento. Se o certificarem, estão a certificar uma declaração falsa para os Estados Unidos da América. Puxa, quando eu era promotor, isso era um crime federal”, disse Giuliani.

“É claro que os números são falsos. É claro que você incluiu cédulas que não foram devidamente inspecionadas. É claro que você está incluindo cédulas que são votadas por outras pessoas,” continuou Giuliani, um ex-advogado dos EUA para o Distrito Sul de Nova York, acrescentando:

É claro que você está usando máquinas que foram totalmente manipuladas em outros lugares, e você não nos dará a oportunidade de examinar essas máquinas. Acho que qualquer pessoa que põe seu nome nisso está perto de cometer um crime.

3) "É o seu poder" 

Além disso, Giuliani enfatizou aos legisladores do Arizona que o que o governador e o secretário de estado dizem pode ser irrelevante.

Ele disse que, em 1892, a Suprema Corte dos EUA esclareceu que o Artigo 2, Seção 1 da Constituição dos Estados Unidos dá às legislaturas estaduais a autoridade exclusiva para selecionar seus representantes ao Colégio Eleitoral como meio de proteção contra fraude eleitoral e manipulação eleitoral.

“É apenas o seu poder constitucional. Essa cláusula não diz governadores. Não diz Congresso. Não diz jornais. Diz legislaturas estaduais”, disse Giuliani. “A Suprema Corte disse que você pode mudar isso e retomar o poder sempre que quiser, porque é o seu poder. Não é deles. Qualquer poder que o governador ou o secretário de estado pensem que estão exercendo, não é deles; é da legislatura. Você pode pegar de volta.”

Com isso, os presentes no fórum começaram a aplaudir.

“Com base em evidências, você pode fazer uma determinação. Qual é a contagem certa? Como podemos chegar o mais perto possível da contagem certa? Se pudermos, então tenhamos a coragem de selecionar essa pessoa para ganhar os delegados, porque essa pessoa ganhou o voto honesto”, disse Giuliani.

Ele disse aos legisladores estaduais reunidos para não temerem a ira da mídia e que se eles determinassem o voto real e preciso, a história os veria como heróis.

“Eu vou pedir para lutar. Vou pedir-lhes que implorem aos outros membros do seu Legislativo que se levantem contra isso”, disse Giuliani. “Não sejam intimidados. Não tenham medo. Vale a pena perder sua carreira política se você salvar o direito de votar na América”.

Isso também gerou aplausos do público.

Jenna Ellis, outra advogada pessoal do presidente, enfatizou que não estavam pedindo aos legisladores que revogassem a eleição, mas que investigassem a fraude e determinassem se os resultados são legítimos antes de nomear eleitores para Biden.

“Vamos pedir a vocês, como legisladores, que reivindiquem essa autoridade e garantam que o povo do Arizona e, de fato, o povo dos Estados Unidos da América como um todo não seja privado de direitos pela corrupção”, disse Ellis ao painel.

Ela citou o fundador Alexander Hamilton em Federalist 68, observando que as legislaturas estaduais são a salvaguarda contra a corrupção.

“Vocês são a última etapa para garantir que esta eleição não seja corrompida”, disse Ellis. “Não estamos pedindo que vocês avancem e anulem uma eleição. Estamos pedindo que intervenham para garantir que a corrupção que ocorreu aqui não permaneça.”

No entanto, o jornal The Arizona Republic informou que seria altamente improvável que o Legislativo – estando em recesso – se reunisse novamente para indicar um novo conjunto de eleitores. Isso porque seria necessário uma maioria qualificada para convocar o Legislativo de volta à sessão. O governador do Partido Republicano também pode chamar a legislatura de volta, mas ele já concordou que o estado deve certificar Biden como o vencedor.

4) Cédulas de correio, cédulas duplicadas e 130% 

A equipe jurídica do Trump também apresentou informações do Fundo de Integridade do Eleitor, reproduzindo áudio de várias ligações para pessoas gravadas como tendo solicitado uma cédula ausente. Cada um disse que não o fez.

Outra testemunha da equipe Trump foi Shiva Ayyadurai, ex-candidato ao Senado por Massachusetts e empreendedor e engenheiro que ofereceu testemunho de especialista em tecnologia e dados.

Ele apresentou dados afirmando que a única maneira de Biden ter estatisticamente alcançado Trump depois de sair atrás no início era se os votos democratas registrados fossem 130% a favor de Biden e 30% negativos para Trump. Ele mostrou um gráfico em uma tela para explicar as descobertas

“O que é extraordinário sobre este gráfico é, novamente, que passamos por muitas, muitas iterações, ele corresponde perfeitamente, quase perfeitamente”, disse Ayyadurai aos legisladores do estado do Arizona. “As encostas combinam, as curvas combinam. As formas combinam. Então, o que isso nos diz é que essa distribuição demográfica da alocação de filiações partidárias é o que pode gerar isso.

Acho altamente implausível, porque isso significa que Biden obteve 130% dos eleitores democratas e Trump obteve 30% negativos”.

Anna Orth, uma residente do condado de Pima e trabalhadora eleitoral republicana, testemunhou ao comitê que lhe foi negada a chance de observar cerca de 2 mil cédulas duplicadas.

As cédulas duplicadas geralmente são cédulas que de alguma forma são marcadas de maneira imprecisa e requerem inspeção adicional, normalmente por observadores de ambas as partes.

“Fui especificamente tirada daquela sala, conduzida para fora e levada para [outra] sala”, disse Orth aos legisladores estaduais.

Fred Lucas é o principal correspondente para assuntos nacionais do The Daily Signal e co-apresentador do podcast "The Right Side of History". Lucas também é o autor de " Abuse of Power: Inside The Three-Year Campaign to Impeach Donald Trump ". 

©2020 Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.
5 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 5 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    Jared280

    ± 16 minutos

    Que papel ridículo a gazetinha está desempenhando. Reverberando algo totalmente irrelevante, pois esta eleição já está definida. Nota zero, como jornalismo investigativo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • T

      tamotsu kashino

      ± 2 horas

      Maioria da midia americana só repetem, Biden presidente, e a midia brasileira simplesmente acompanha, Biden nunca é presidete, e apenas um candidato desta eleição, as votações marcados em 14 de dezempro para escolher o vencedor não mais será realizado, devido varios litigios inclusive alguns já na Suprema Corte, só será definido presidente eleito no dia 6 de janeiro de 2021 pelo representantes dos 50 estados, até lá o presidente do EUA e Donald Trump.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • F

        Freitas

        ± 5 horas

        O republicano Brad Raffensperger, secretário de Estado da Geórgia, disse nesta quarta-feira (2) que a segunda recontagem de votos no estado, embora ainda não finalizada, confirma a vitória do democrata Joe Biden sobre Donald Trump.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • F

          Freitas

          ± 5 horas

          O secretário de Justiça do governo Donald Trump, William Barr, disse em entrevista à Associated Press nesta terça (1º) que seu departamento não detectou evidências significativas de fraude eleitoral, capazes de mudar o resultado do pleito presidencial de 2020 nos EUA.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • P

            Paulo César de Castro Silveira

            ± 5 horas

            Voto pelo correio não funciona. Não tem sigilo do voto,

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.