Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Francisco atendeu a pedido de bispos católicos de rito latino da Ucrânia para consagrar publicamente os dois países em guerra
Francisco atendeu a pedido de bispos católicos de rito latino da Ucrânia para consagrar publicamente os dois países em guerra| Foto: EFE/EPA/VATICAN MEDIA

O papa Francisco consagrou a Rússia e a Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria nesta sexta-feira (25), em cerimônia no Vaticano em que lamentou a “guerra brutal” que ocorre no leste europeu.

No início de março, bispos católicos de rito latino da Ucrânia haviam pedido para que o papa consagrasse publicamente os dois países.

Segundo informações da Agência Católica de Informações (ACI) e da Vatican News, o ato foi repetido pelo cardeal Konrad Krajewski no Santuário de Fátima, em Portugal, e ocorreu no âmbito da celebração penitencial “24 horas para o Senhor”, uma iniciativa da Quaresma que começou às 13 horas de Brasília.

Francisco pediu a intercessão da Virgem Maria pela paz e consagrou o mundo inteiro, em especial a Rússia e a Ucrânia.

“Nestes dias, notícias e imagens de morte continuam entrando dentro de nossas casas, enquanto as bombas destroem as casas de muitos dos nossos irmãos e irmãs ucranianos desarmados. A guerra brutal, que se abateu sobre tantos e que a todos faz sofrer, provoca em cada um medo e consternação”, falou o papa durante sua homilia.

“Notamos dentro de nós uma sensação de impotência e inadequação. Precisamos ouvir dizer-nos: ‘Não temas’. Mas não bastam as garantias humanas, é necessária a presença de Deus, a certeza do perdão divino, o único que apaga o mal, desativa o rancor, restitui a paz ao coração. Voltemos a Deus, ao seu perdão”, afirmou Francisco.

Ainda segundo as agências, o papa também escreveu uma carta aos bispos para explicar o ato e mencionar que “nesta hora escura, a Igreja é fortemente chamada a interceder junto do Príncipe da Paz e a fazer-se próxima a quantos pagam na própria pele as consequências do conflito”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]