Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Papa Francisco expressou repetidamente a preocupação com o conflito , em telefonema ao patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill
Papa Francisco expressou repetidamente a preocupação com o conflito , em telefonema ao patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill| Foto: EFE/EPA/VATICAN MEDIA

O papa Francisco conversou por telefone, nesta quarta-feira (16), com o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Kirill, sobre a guerra na Ucrânia, segundo fontes da Santa Sé informaram à Agência EFE.

O pontífice expressou repetidamente a preocupação com o conflito e discutiu a questão com Kirill, que gerou polêmica ao justificar a invasão.

Ambos os líderes religiosos se reuniram em Havana em 2016, no primeiro encontro entre um patriarca ortodoxo russo e um papa católico desde o cisma de 1054.

O Vaticano, até o momento, não anunciou oficialmente a conversa, embora fontes internas tenham confirmado. Já o patriarcado russo emitiu um comunicado com detalhes da ligação.

Participaram da conversa Kirill e Francisco, além do metropolita Hilarion, presidente do Departamento das Relações Externas do Patriarcado de Moscou, e o cardeal suíço Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos.

As partes discutiram "com particular atenção" a "situação no território ucraniano", especialmente no que diz respeito às questões humanitárias e às ações que ambas as igrejas podem empreender para aliviar as suas consequências.

Também "sublinharam a importância excepcional do processo de negociação em curso" entre Rússia e Ucrânia, "expressando a sua esperança de que uma paz justa seja alcançada o mais depressa possível". O papa Francisco e Kirill ainda discutiram "questões atuais de cooperação bilateral".

O pontífice tem manifestado grande preocupação com a guerra na Ucrânia, e no dia seguinte à invasão, 25 de fevereiro, foi à embaixada russa junto à Santa Sé. O seu secretário de Estado, Pietro Parolin, também propôs a mediação do Vaticano para dar fim ao conflito, oferecida ao ministro das Relações Exteriores russo, Sergey Lavrov, mas não recebeu resposta.

Também enviou dois cardeais para a Ucrânia - o polonês Konrad Krajewski e o tcheco Michael Czerny - para ajudar a população.

O pontífice argentino optou pela diplomacia nos seus muitos apelos à paz, sem mencionar a Rússia ou se referir ao nome do presidente russo, Vladimir Putin, mas chamando a guerra de "massacre" e "agressão armada inaceitável".

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]