Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Estudantes de Hyderabad rezam pelas vítimas de ataque a escola | Nadeem Khawer/Efe
Estudantes de Hyderabad rezam pelas vítimas de ataque a escola| Foto: Nadeem Khawer/Efe

O Paquistão amanheceu nesta quarta-feira (17) de luto, com bandeiras a meio mastro, colégios fechados e o início dos funerais, após o massacre talibã em uma escola de Peshawar (noroeste), com 148 mortos e 131 feridos, a maioria crianças, em um dos piores ataques insurgentes no país asiático.

Vigílias com velas e rezas em mesquitas em honra aos falecidos ocorreram ao longo de toda a noite em diferentes cidades paquistanesas, enquanto em Peshawar começaram os ritos funerários que serão realizados hoje de forma conjunta entre fortes medidas de segurança.

Nessa cidade, capital da província de Khyber Pakhtunkhwa, contígua com as zonas tribais nas quais se refugiam os insurgentes e palco habitual de atentados, fecharam todas os centros educativos, enquanto em Islamabad as instituições governamentais não abriram, de acordo com a imprensa local.

O governo reúne-se hoje com os principais partidos políticos para discutir a situação após o ataque, que o primeiro-ministro, Nawaz Sharif, qualificou de "tragédia nacional", após declarar três dias de luto.

O líder do opositor Paquistão Tehreek-e-Insaf ("PTI"), Imran Khan, que liderou os protestos e mobilizações nas ruas contra o governo, também estará presente nesse encontro.

O ataque aconteceu ontem de manhã, quando um grupo de insurgentes vestidos com uniformes do Exército entrou em um colégio administrado pela entidade em Peshawar, iniciando um dia de terror que durou oito horas até que as forças de segurança tomaram o controle do complexo educativo.

Segundo os relatos de testemunhas e fontes oficiais, os atacantes foram de classe em classe disparando e lançado granadas contra estudantes e professores, deixando um rastro de mortos.

No total 132 estudantes e 9 empregados do colégio morreram, enquanto 122 ficaram feridos. Também foram abatidos os sete terroristas dentro da escola.

O principal grupo talibã paquistanês, o Tehrik-e-Taliban Pakistan (TTP), reivindicou o ataque e justificou dizendo que para o "Exército nossas famílias são alvos" nas operações militares lançadas contra os insurgentes nas zonas tribais do Waziristão do Norte e Khyber.

O ataque, um dos piores no país asiático nos últimos anos , gerou um enérgico rejeição internacional, com penas do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e os líderes da Índia, Narendra Modi; Afeganistão, Ashraf Gani, e o coordenador das Nações Unidas no Paquistão, Timo Pakkala.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]