i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
medida polêmica

Parte do muro que separa os EUA do México já existe há duas décadas

Apesar de não se tratar de uma extensão contínua, barreira está presente em mais de 900 quilômetros da fronteira entre os países

  • PorDa Redação
  • 25/01/2017 20:55
 | Alfredo Estrella/AFP
| Foto: Alfredo Estrella/AFP

Uma das principais promessas de campanha do republicano Donald Trump, a de construir um “impenetrável, alto, poderoso e bonito” muro entre a fronteira dos EUA com o México, foi vista com maus olhos por muita gente. O que nem todos sabem, porém, é que parte do muro que separa os dois países já está de pé – e há mais de 20 anos.

Entenda a proposta do muro que Trump quer erguer na fronteira com o México

Leia a matéria completa

A construção do Muro do México – também chamado de Muro fronteiriço Estados Unidos-México – começou em 1991, durante o governo de George Bush, o pai, mas foi intensificada em 1994, durante a Operação Guardião (Operation Gatekeeper, em inglês). Implementada durante a gestão de ninguém menos do que o democrata Bill Clinton, a medida visava impedir a imigração ilegal na região de San Diego, Califórnia, o ponto mais ocidental da fronteira entre México e EUA.

Além de aumentar o muro, a Operação Guardião elevou o valor das multas aplicadas aos estrangeiros ilegais e liberou recursos para a Patrulha de Fronteira.

Curioso é que a construção ocorreu em um momento de integração entre os países, contemporânea à criação do Tratado Norte - Americano de Livre Comércio (NAFTA, da sigla em inglês). Com a redução de custos no tocante à troca de mercadorias entre EUA, México e Canadá, o acordo teria aproximado as nações, muito embora seu caráter fosse econômico, e não social.

Frederic J. Brown/AFP

A maior parte do Muro do México, que não se trata de uma extensão contínua, concentra-se pela fronteira entre San Diego, nos EUA, e Tijuana, no México, mas há seções nos estados do Arizona, Novo México e Texas. Já nos locais onde não há barreiras físicas, estão presentes “barreiras invisíveis”, como câmeras de segurança e alarmes, além da atuação da Patrulha de Fronteira norte-americana.

Atualmente, cerca de 30% da fronteira EUA - México - aproximadamente 930 quilômetros - conta com partes do muro. Mas se depender dos planos de Donald Trump, o número chegará a 100%.

Lei da Cerca de Segurança

Trump não foi o primeiro presidente com intenções de aumentar a barreira. Em 2006, o também republicano George W. Bush assinou a Lei da Cerca de Segurança (Secure Fence Act), que prevê a construção de mais 1.126 quilômetros do muro pela fronteira dos EUA com o México. Embora protestos e ações judiciais tenham impedido as obras na época, a legislação ainda existe, é válida e Trump poderá se apoiar nela para continuar com seus planos.

O republicano espera que as obras sejam custeadas pelos próprios mexicanos, intenção já rebatida pelo presidente Enrique Peña Nieto, que, apesar de todas as polêmicas envolvendo o novo presidente dos EUA, disse estar disposto a trabalhar para ter uma boa relação com o governo Trump.

Colaborou: Mariana Balan.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.