Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
O presidente da Rússia, Vladmir Putin
O presidente da Rússia, Vladmir Putin| Foto: EFE/EPA/EVGENY ODINOKOV/SPUTNIK/KREMLIN

Os americanos querem que uma Ucrânia autônoma sobreviva. Eles esperam que o Ocidente impeça o estrangulamento da Ucrânia e da OTAN pelo presidente russo Vladimir Putin.

No entanto, os Estados Unidos não querem que suas tropas se aventurem pelo mundo até o quintal da Europa para combater a Rússia nuclear e garantir que a Ucrânia permaneça independente.

A maioria dos americanos se opõe à noção de que a Rússia pode simplesmente ditar o futuro da Ucrânia.

No entanto, eles também aceitam com relutância que a Ucrânia foi, muitas vezes, parte da Rússia historicamente. Durante a Segunda Guerra Mundial, foi o cenário sangrento do sacrifício simultâneo de russos e ucranianos - mais de 5 milhões de mortos - para derrotar a invasão alemã nazista.

Os americanos apoiam publicamente a OTAN.

No entanto, a maioria teme que a OTAN tenha se tornado diplomaticamente impotente e uma ilusão militar, uma Liga das Nações moderna.

Os membros da OTAN têm um produto interno bruto coletivo sete vezes maior que o da Rússia. Sua população agregada é de 1 bilhão. No entanto, a maioria não gastará o suficiente em defesa para deter seus inimigos mais fracos.

O segundo maior membro da OTAN, a Turquia, está mais próximo da Rússia do que dos Estados Unidos. Seu povo vota contra os americanos.

A Alemanha é o membro europeu mais rico da OTAN e o poder por trás da União Europeia. No entanto, a Alemanha em breve dependerá da importação de gás natural russo para suprir grande parte de suas necessidades energéticas.

Em uma recente pesquisa do Pew Research Center, 70% dos alemães expressaram o desejo de mais cooperação com a Rússia. A maioria dos americanos pensa exatamente o oposto.

Pior, 60% dos alemães se opõem a ir ao socorro de qualquer país da OTAN em tempos de guerra. Mais de 70% dos alemães classificam seu relacionamento com os Estados Unidos como “ruim”.

Podemos traduzir todos esses resultados perturbadores da seguinte maneira: o povo alemão e turco gosta ou confia mais na Rússia do que em seu próprio padrinho na OTAN, os Estados Unidos.

Eles não apoiariam a participação em qualquer esforço militar conjunto da OTAN nem mesmo contra uma Rússia invasora – mesmo, ou especialmente, se liderada pelos impopulares Estados Unidos.

Então, suponha que os dois membros-chave da OTAN sejam indiferentes ao destino da vizinha Ucrânia ou simpatizem com as queixas declaradas da Rússia – ou ambos.

De fato, a maioria dos americanos teme que, se a Ucrânia se tornar membro da OTAN, Putin possa estar ainda mais ansioso para testar sua soberania.

Putin assume que nem todos os membros da OTAN interviriam para ajudar uma Ucrânia atacada, conforme exigido por suas obrigações de defesa mútua nos termos do Artigo 5.

Se não o fizessem, Putin poderia absorver a Ucrânia e desfazer a aliança da OTAN de uma só vez.

Há mais complicações na bagunça ucraniana.

O presidente Joe Biden, em declarações malucas, confirmou a aposta de Putin de que os Estados Unidos estão atualmente divididos, confusos, enfraquecidos e mal liderados

Putin sabe que o secretário de Defesa e presidente do Estado-Maior Conjunto parecem mais preocupados com o “privilégio branco” e as mudanças climáticas do que com o aumento da prontidão militar para deter inimigos como ele.

Putin vê nas pesquisas que apenas 45% dos americanos confiam em seus novos militares politizados.

A fuga do Afeganistão, Putin ainda conjectura, tornou os Estados Unidos menos temidos pelos inimigos e menos confiáveis pelos aliados.

A política americana anterior fracassada de “reinicialização” russa, o apaziguamento das agressões de Putin durante os anos de Obama, juntamente com a farsa inventada de “conluio russo”, todos encorajaram – e irritaram – Putin.

Ele sabe que Donald Trump deixou o cargo impopular. Então, ele supõe que com a saída de Trump, a dissuasão americana contra a Rússia também tenha desaparecido.

A agenda agora rejeitada de Trump era aumentar as defesas americanas e da OTAN e bombear petróleo e gás para derrubar o preço global da principal fonte de divisas da Rússia.

Putin já ficou furioso por Trump ter deixado unilateralmente um acordo assimétrico de mísseis EUA-Rússia. Trump ordenou o uso de força letal contra um grande número de mercenários russos que atacaram uma instalação dos EUA na Síria. Ele vendeu armas ofensivas para a Ucrânia. Ele agiu à força ao eliminar inimigos terroristas como o general iraniano Qassem Soleimani, o islamista Abu al-Baghdadi e o próprio ISIS.

Com a morte do inimigo de Putin, Trump, a Rússia assume que os anos de apaziguamento do governo Obama-Biden estão de volta. Como em 2014, mais uma vez Putin está se movendo contra seus vizinhos.

Finalmente, há o infeliz papel de recentes funcionários do governo ucraniano. Alguns estavam profundamente envolvidos em dar luz verde à fraude e especulação da família Biden para garantir ajuda externa americana maciça.

Alguns expatriados ucranianos e atuais membros do governo trabalharam com a esquerda americana para garantir o primeiro impeachment de Trump.

Agora, os ucranianos estão exasperados porque suas intromissões anteriores na política doméstica americana saíram pela culatra com a desastrosa presidência de Biden – e sua aparente aceitação de fato de uma inevitável anexação russa.

Onde toda essa bagunça deixa os Estados Unidos?

Em apuros.

Putin está minando uma nação soberana, rachando a OTAN e, se for bem-sucedido, pode continuar o modelo de compressão lenta da Ucrânia nos Estados Bálticos e em outros lugares.

Enquanto isso, a China sorri, esperando que o plano da Ucrânia possa ser usado contra Taiwan.

Americanos exasperados temem que Putin não seja dissuadido nem por sanções, nem por vendas de armas, mas segue apenas seu próprio senso de interesse próprio de custo-benefício.

©2022 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]