i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ataque

Presidente de Uganda promete punir autores de ataques

Nenhum grupo reivindicou a autoria do atentado, mas a polícia do país culpou os militantes do grupo radical somali Shebab

  • PorAgência Estado
  • 12/07/2010 06:11

O presidente de Uganda, Yoweri Museveni, condenou hoje os dois ataques com bombas ocorridos na capital do país, Kampala, que mataram ontem 64 pessoas. Museveni prometeu perseguir os responsáveis pela violência. "Eu gostaria de condenar a criminalidade neste dia", afirmou Museveni, ao visitar durante a noite um dos locais atingidos. Os ataques ocorreram enquanto multidões assistiam o jogo final da Copa do Mundo.

"Pessoas assistindo futebol não devem se tornar alvos", disse. "Se eles quisessem combater, deveriam procurar soldados." Museveni prometeu perseguir os responsáveis pela atitude "muito irresponsável" e "covarde". Nenhum grupo reivindicou a autoria do atentado, mas a polícia do país culpou os militantes do grupo radical somali Shebab.

Uganda enviou tropas para a missão de mantenedores de paz da União Africana na Somália, um país bastante instável e com um governo fraco. Essa força tem sofrido repetidos ataques de militantes islamitas. O vice-ministro de Relações Exteriores de Uganda, Okello Oryem, afirmou que o país não vai retirar sua participação militar na Somália por causa do ataque. Além de Uganda, o único país africano a enviar tropas para a Somália é o Burundi. Na semana passada, o Shebab pediu que os somalis ampliem a guerra santa contra os mantenedores de paz.

Também hoje, a União Africana condenou os ataques, e o ministro de Relações Exteriores britânico, William Hague, condenou, em comunicado, o ato "covarde" ocorrido em Uganda. O chanceler francês, Bernard Kouchner, afirmou, também em nota: "Eu condeno com grande firmeza esses ataques." As informações são da Dow Jones.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.