Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Confronto entre manifestantes e a polícia de choque em Santiago, Chile, 24 de outubro de 2019
Confronto entre manifestantes e a polícia de choque em Santiago, Chile, 24 de outubro de 2019| Foto: Claudio REYES / AFP

Algo está acontecendo. De Bagdá a Hong Kong, de Santiago a Barcelona, ​​cidades ao redor do mundo têm visto grandes protestos nas últimas semanas.

Alguns desses protestos já foram comparados com a "Primavera Árabe" que abalou o Oriente Médio desde o final de 2010. Mas, ao mesmo tempo, eles são muito mais amplos em termos geográficos, com países da América Latina, Europa e Ásia também tendo protestos.

Em várias cidades houve mortes: pelo menos 165 pessoas foram mortas na última rodada de protestos na capital iraquiana, que foram retomados nesta semana. Os protestos globais também estão causando apreensão entre investidores financeiros, aumentando a incerteza sobre a saúde da economia global.

Cada caso é um caso. Os protestos em Hong Kong, por exemplo, foram desencadeados quando o governo local afirmou que permitiria extradições para a China continental, enquanto no Líbano, a proposta de um imposto sobre chamadas do serviço de mensagens WhatsApp levou as pessoas às ruas.

Mas há também algumas semelhanças surpreendentes entre alguns dos protestos, que compartilham os temas de indignação com a economia e falta de esperança com a política.

Muitos protestos foram desencadeados por fatores econômicos aparentemente pequenos

O Líbano não é o único país onde uma única mudança isolada provocou protestos.

As manifestações começaram no Equador este mês quando o governo retirou subsídios dos combustíveis, em vigor por décadas, (a preocupação com os preços dos combustíveis também provocou o movimento dos "coletes amarelos" que ainda protestam na França). No Chile, foi um aumento nos preços do metrô que levou à violência neste mês, enquanto o preço das cebolas levou a protestos na Índia.

Em quase todos os casos, os protestos logo se transformaram em algo muito mais amplo. O recuo nas mudanças interrompeu os protestos em alguns países, mas em muitos eles continuam: no Chile, os protestos continuam mesmo depois de o presidente ter cancelado o plano de aumentar a tarifa.

A desigualdade está causando sofrimento

A desigualdade de renda parece ter aumentado a insegurança econômica que ajudou a provocar indignação e levar aos protestos.

O Líbano, onde o imposto do WhatsApp causou grandes protestos, é uma das economias mais desiguais do mundo, em que o 1% mais rico concentra 25% da renda nacional total entre 2005 e 2014.

O Chile, em muitos aspectos um país mais estável e próspero do que muitos de seus vizinhos, tem o mais alto nível de desigualdade de renda entre os membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), algumas das nações mais ricas do mundo.

Distorções no perfil demográfico também pioram as coisas. No Iraque, tem havido indignação porque toda uma geração tem poucas perspectivas econômicas; segundo dados compilados pelo Banco Mundial no ano passado, estima-se que o desemprego entre os jovens iraquianos seja de 36%.

"Eles roubaram nosso futuro e agora estão nos matando", disse um jovem em um protesto em Bagdá no início deste mês.

Problemas econômicos profundos perturbam governos

A desigualdade de renda não é o único fator econômico que muitos dos países que passam por protestos estão enfrentando. Em particular, a desaceleração do crescimento econômico e o aumento da dívida pública estão pressionando a formulação de políticas e causando temores sobre o futuro.

Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional alertou que o crescimento econômico global seria de apenas 3% este ano, em vez dos 3,2% previstos em julho. Se estiver correta, essa será a taxa de crescimento mais lenta desde a última crise financeira.

Esse efeito é pronunciado em algumas regiões da América Latina, onde o FMI prevê um crescimento de apenas 0,2% no total, com grandes economias como Brasil e México crescendo menos de 1%. Apenas alguns anos atrás, os altos preços das commodities ajudaram a impulsionar países como o Equador, que produz petróleo, que agora estão enfrentando protestos.

Muitas nações fizeram grandes empréstimos nos tempos de expansão e agora se encontram enfrentando credores. O Líbano é uma situação particularmente extrema, onde a relação dívida / PIB de 155% o torna o terceiro país mais endividado do mundo.

Pouca confiança na resposta do governo

Fundamentalmente, para muitos manifestantes, o problema não são apenas as políticas do governo: é o próprio governo.

Um fator da indignação no Líbano foram os relatos de que o primeiro-ministro Saad Hariri doou US$ 16 milhões a uma modelo sul-africana com a qual ele estava envolvido romanticamente. Os protestos no Haiti decorrem parcialmente de alegações de que o governo do presidente Jovenel Moïse roubou bilhões de dólares destinados a projetos de desenvolvimento social.

Em Barcelona e Hong Kong, a raiva sobre a legitimidade do governo vai muito além da corrupção. Os habitantes de Hong Kong envolvidos nos protestos na megacidade asiática não acreditam mais que seu governo local seja capaz de enfrentar Pequim; em Barcelona, ​​os protestos da semana passada foram os mais recentes motivados pela prisão de líderes separatistas catalães.

Essas questões mais amplas de legitimidade ajudam a explicar por que tantos protestos não terminam quando o problema inicial que leva os manifestantes às ruas foi revertido. Hong Kong suspendeu os planos para uma nova lei de extradição em setembro; reversões políticas semelhantes ainda não conseguiram parar os protestos no Líbano ou no Chile.

Até agora, essa ampla gama de protestos não chegou a derrubar um governo, embora em alguns lugares eles estejam chegando perto. Os custos, em termos não apenas de perdas econômicas, mas também de derramamento de sangue, ainda pode aumentar exponencialmente.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]