Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
“Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia?” pergunta professor de Harvard em artigo
| Foto: Jefferson Rudy/Arquivo AFP

Em artigo publicado na segunda-feira (5) na revista americana Foreign Policy inicialmente com o título "Quem vai invadir o Brasil para salvar a Amazônia?", o professor de Relações Internacionais da Universidade de Harvard Stephen M. Walt criou um cenário hipotético para debater o que os países podem fazer para impedir ameaças ao meio ambiente. A publicação gerou críticas e uma resposta do ministro-conselheiro da embaixada do Brasil em Washington, Nestor Foster.

O título do artigo foi alterado para "Quem salvará a Amazônia (e como)?". O autor do texto disse pelo Twitter que a primeira versão do título não havia sido escrita por ele: "É importante ler o artigo (que eu escrevi), e não apenas o título (que eu não escrevi)", disse Walt.

"Eu espero que os brasileiros patriotas incomodados com o meu artigo da FP leiam com atenção, para ver que eu NÃO estava recomendando a coerção / uso da força contra o Brasil 'nem agora ou no futuro'. Também não estava absolvendo os EUA e outros de sua responsabilidade pelas mudanças climáticas", acrescentou Walt no Twitter.

No cenário inventando por Walt, o Brasil de 2025 está prestes a ser atacado pelos Estados Unidos; se o Brasil não cessar o desmatamento destrutivo na Amazônia em uma semana, os EUA iniciarão um bloqueio naval ao Brasil e lançarão ataques aéreos contra infraestrutura estratégica brasileira.

Após descrever o cenário, que Walt disse ser "exagerado", o autor pergunta: "Até onde você iria para impedir danos ambientais irreversíveis? Particularmente, os Estados têm o direito - ou até mesmo a obrigação - de intervir em um país estrangeiro com o objetivo de impedi-lo de causar dano irreversível e possivelmente catastrófico ao meio ambiente?"

Walt destaca no texto a notícia de que o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está acelerando o desenvolvimento na floresta Amazônica, "assim colocando em risco um recurso global crucial".

O texto discute ainda até que ponto a comunidade internacional deve ir para impedir ou reverter ações que possam causar danos ao meio ambiente e aos recursos dos quais todos os seres humanos dependem. "Pode parecer exagerado imaginar Estados ameaçando ação militar para impedir isso hoje, mas isso se torna mais provável se as estimativas mais pessimistas para o futuro do nosso clima se revelem corretas", afirma o autor.

O ministro-conselheiro da embaixada do Brasil em Washington, Nestor Foster, rebateu o artigo da revista Foreign Policy em uma carta na noite desta terça-feira. Segundo o site de notícias UOL, Foster considerou o texto um "exercício irresponsável de retórica arrogante sobre um assunto sério".

"O principal sofisma contido no artigo é que o Brasil não está disposto ou não é capaz de preservar e desenvolver de forma sustentável a Amazônia, e que estados não identificados seriam capazes de fazê-lo. É um exercício irresponsável de retórica arrogante sobre um assunto sério", critica Forster na carta.

O diplomata afirma ainda que "a maior floresta tropical do mundo não está localizada no Brasil por acaso. O governo brasileiro tem sido o principal defensor da conservação no mundo, fato que é apoiado por números, não por uma retórica vazia".

45 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]