i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
UCRÂNIA

Rússia diz que reforço de tropas perto de fronteira foi por precaução

A medida, porém, foi interpretada como uma preparação de invasão à Ucrânia pelo governo interino do país e seus aliados

  • PorFolhapress
  • 19/04/2014 08:12

O governo russo admitiu neste sábado (19) ter aumentado o número de militares na fronteira com a Ucrânia e disse ter tomado a medida como uma resposta à instabilidade no país vizinho, que enfrenta revoltas no leste do país contra o governo central.

Desde fevereiro, quando foi derrubado o presidente ucraniano Viktor Yanukovich, Moscou reforçou o efetivo militar na fronteira, inicialmente afirmando ser um exercício rotineiro com as tropas.

A medida, porém, foi interpretada como uma preparação de invasão à Ucrânia pelo governo interino do país e seus aliados, Estados Unidos, Otan e União Europeia. Eles também acusam Moscou de enviar soldados para o leste ucraniano, o que os russos negam.

"Me perdoe, mas a Ucrânia passou recentemente por um golpe militar. Naturalmente qualquer país tomaria medidas preventivas para garantir sua segurança", disse o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

O representante russo considerou positivo o acordo para estabilizar a situação no leste ucraniano, ratificado anteontem. Nele, a Ucrânia se comprometeu a aumentar a autonomia das províncias e a incluir o russo como língua oficial.

Por outro lado, também foi pedida a desocupação de prédios públicos e o desarmamento dos milicianos do leste ucraniano. Porém, as milícias pró-Rússia condicionam a saída a retirada das armas dos ultranacionalistas do leste ucraniano e o fim da ocupação da praça da Independência, em Kiev.

Putin

Neste sábado (19), o presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse não haver razão para o rompimento das relações com o Ocidente. Para ele, cabe a Estados Unidos e União Europeia retomarem o diálogo com Moscou.

Ele ainda saudou a escolha do ex-primeiro-ministro da Noruega Jens Stoltenberg para a Secretaria-Geral da Otan. "Temos muito boas relações, incluindo relações pessoais. Mas vamos ver como ele vai desenvolver relações em sua nova função", disse Putin na entrevista.

Na década de 2000, os dois assinaram acordos que definiram velhos problemas territoriais entre os russos e os noruegueses no mar de Barents. Stoltenberg assumirá o cargo na Otan em outubro.

Em um sinal de que seus laços tensos com o atual chefe da Otan, Anders Fogh Rasmussen, Putin repetiu a acusação de que o ex-primeiro-ministro dinamarquês tinha secretamente gravado e vazado uma conversa privada entre eles.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.