Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
 | Divulgação
| Foto: Divulgação

Ghazni, Afeganistão – Duas reféns sul-coreanas mantidas pela milícia fundamentalista islâmica Taleban foram libertadas e entregues ontem a agentes do comitê internacional da Cruz Vermelha (CICV), no primeiro avanço significativo da crise de reféns iniciada há quase um mês.

As duas mulheres, que começaram a chorar assim que viram os agentes da Cruz Vermelha, saíram de um carro dirigido por um líder tribal e entraram num veículo da entidade humanitária.

Elas não conversaram com os jornalistas que as aguardavam. A imprensa foi alertada sobre o local onde as reféns seriam entregues à Cruz Vermelha por um porta-voz do Taleban. As reféns foram entregues aos agentes numa estrada dez quilômetros a sudeste de Ghazni.

O Ministério das Relações Exteriores da Coréia do Sul identificou as mulheres soltas como Kim Kyung-ja e Kim Ji-na. Segundo a imprensa sul-coreana, elas têm 37 e 32 anos de idade, respectivamente.

Depois de libertadas, as duas foram levadas a uma base militar dos Estados Unidos em Ghazni, onde soldados americanos as revistaram e permitiram que entrassem. Elas vestiam véus e levavam consigo mochilas.

As mulheres, que segundo o Taleban estariam doentes, estavam entre os 23 religiosos sul-coreanos seqüestrados pela milícia em 19 de julho. O episódio de ontem representou o primeiro avanço desde o início da crise. Dois reféns foram executados nas primeiras semanas de seqüestro.

Com a libertação das duas sul-coreanas, 19 reféns – sendo 14 mulheres e cinco homens – continuam nas mãos do Taleban na província afegã de Ghazni, onde ocorreu a libertação de ontem.

Qari Yousef Ahmadi, que identifica-se como porta-voz do Taleban em contatos com a imprensa, disse que as duas foram soltas em parte por estarem doentes e em parte por causa das negociações diretas entre líderes talebans e representantes do governo da Coréia do Sul iniciadas na última sexta-feira.

"Elas foram soltas pelo bem das boas relações entre o povo coreano e o Taleban", disse ele. "Enquanto persistirem as negociações não haverá ameaças aos demais reféns sul-coreanos. Estamos esperando os resultados dessas negociações. Depois das negociações, a liderança do Taleban decidirá o que fazer com esses 19 reféns coreanos", prosseguiu.

A milícia exige a libertação de 21 militantes detidos em prisões afegãs. O governador de Ghazni, Marajudin Pathan, descartou a hipótese de troca de prisioneiros com o Taleban.

O governo afegão recusa-se a libertar prisioneiros por temer fomentar os seqüestros. Na semana passada, Pathan chegou a sugerir que o seqüestro poderia ser solucionado mediante pagamento de resgate.

O governo sul-coreano confirmou a libertação e informou que ambas estão protegidas e em local seguro. Seul exigiu que os demais reféns também sejam libertados.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]