i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
França

Termina a campanha das eleições legislativas com vantagem para a direita

  • PorAFP/G1
  • 08/06/2007 17:07

A direita francesa, certa de sua vitória, e os socialistas, voltados para questões internas, concluíram na sexta-feira a campanha para as eleições legislativas do próximo domingo.

Um mês depois de terem eleito o conservador Nicolas Sakozy, os franceses voltarão às urnas nos dias 10 e 17 de junho em eleição de dois turnos para renovar a Assembléia Nacional, composta por 577 membros.

O partido do presidente, a União por um Movimento Popular (UMP), que tem atualmente 359 cadeiras, pode conseguir eleger até 430 parlamentares, o que o fará governar quase sem oposição nos próximos cinco anos.

Segundo os institutos de pesquisa, a opção dos "franceses neste momento já não é entre a esquerda e a direita, mas entre uma vitória ou uma vitória esmagadora da UMP".

Os socialistas, que têm atualmente 149 deputados na Câmara, terão entre 115 e 155 assentos na nova Assembléia Nacional. A derrota será considerada digna se alcançarem, pelo menos, 120 cadeiras, segundo fontes do partido, muito abatido pela derrota de sua candidata Ségolène Royal por Sarkozy nas presidenciais de maio.

"Há muitas coisas para repensar e reestruturar no Partido Socialista (PS) para criar uma oposição nova (...) Tenho intenção de contribuir para isso", declarou Ségolène Royal nesta sexta-feira.

A líder socialista, que decidiu não se candidatar à deputada, cargo que tinha desde 1988, não esconde o desejo de tomar as rédeas do partido o quanto antes e começar uma imprescindível renovação que permita ao PS deixar o beco ideológico sem saída em que se encontra.

Além da perda de espaço dos socialistas, os comunistas também devem perder boa parte de seus atuais 21 assentos. Se esta hipótese se confirmar, não conseguirão as posições suficientes para formar um grupo parlamentar.

Na extrema direita, a Frente Nacional, que não está representada na Câmara devido ao sistema eleitoral francês de maiorias, pode sofrer uma nova e humilhante derrota, como a que ocorreu nas eleições presidenciais, quando não alcançou mais do que 10% dos votos.

O novo partido de François Bayrou, o Movimento Democrata não deve superar, na melhor das hipóteses, a marca de seis deputados. A antiga formação do terceiro candidato mais votado nas eleições presidenciais, a UDF, possuía 29 deputados, mas a maioria se aliou a Sakozy.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.