i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
ESTADOS UNIDOS

Trump veta resolução do Congresso para barrar emergência nacional

    • Washington, EUA
    • Folhapress
    • 15/03/2019 18:03
    O presidente dos EUA, Donald Trump, durante celebração do St. Patrick’s Day na Casa Branca, Washington, 14 de março. Foto: Saul Loeb / AFP
    O presidente dos EUA, Donald Trump, durante celebração do St. Patrick’s Day na Casa Branca, Washington, 14 de março. Foto: Saul Loeb / AFP| Foto:

    O presidente Donald Trump vetou nesta sexta-feira (15) resolução aprovada pelo Congresso americano que barrava sua declaração de emergência nacional nos Estados Unidos para construir um muro na fronteira com o México.

    "Hoje estou vetando essa resolução", disse o presidente em cerimônia no Salão Oval. "O Congresso tem a liberdade de passar essa resolução e eu tenho o dever de vetá-la", completou ao lado de seu vice, Mike Pence.

    Trump classificou a medida aprovada pelo Legislativo de perigosa.

    É a primeira vez que o presidente usa seu poder de veto para reverter uma medida, o que reflete perda de controle do Legislativo, inclusive dentro de seu partido, em votações fundamentais para o governo.

    A disputa pode ter desdobramentos na Justiça.

    O Senado aprovou na quinta (15) a resolução que barrava a declaração de emergência nacional de Trump, medida que já havia sido aprovada pela Câmara em fevereiro.

    Minutos após a votação, Trump já tinha usado suas contas nas redes sociais para anunciar: "veto!".

    Entenda: Trump declarou emergência nacional; Saiba o que isso significa e o que está por vir

    A aprovação do texto no Senado - de maioria republicana - só foi possível pela dissidência de 12 parlamentares do partido de Trump, que votaram junto com democratas por barrar a emergência nacional apesar da pressão do presidente, feita em público e nos bastidores.

    O placar final da votação no Senado ficou em 59 a 41 para barrar a declaração de emergência nacional.

    Primeiro veto presidencial

    Entre os deputados em fevereiro, o texto passou com 245 votos contra 182. A margem, porém, não é suficiente para derrubar o veto do presidente --são necessários dois terços em cada Casa para anular o veto presidencial, ou seja, 290 deputados e 67 senadores.

    Em 15 de fevereiro, Trump decretou emergência nacional para poder remanejar recursos do orçamento e financiar sua principal promessa de campanha --o muro na divisa dos EUA com o México.

    A medida, porém, foi duramente criticada pela oposição, formada pelo Partido Democrata, mas também por alguns republicanos, que viram o gesto como inconstitucional.

    Os senadores Thom Tillis, da Carolina do Norte, Susan Collins, do Maine, Lisa Murkowski, do Alasca, e Rand Paul, do Kentucky, por exemplo, emitido opiniões contrárias à emergência nacional antes da votação.

    Após Trump publicar no Twitter nova pressão, na quinta, outros republicanos se juntaram a eles, argumentando que decreto extrapola a autoridade do presidente.

    Foi a primeira vez que o Congresso invocou sua prerrogativa de anular uma declaração de emergência nacional desde que a lei que regula a questão foi aprovada, em 1976.

    Trump tentou dissuadir os senadores republicanos de apoiar a medida até o último minuto, usando do habitual argumento de que há uma crise na divisa dos EUA com o México. Nas palavras do presidente, há uma "invasão de drogas, tráfico de pessoas e criminosos" pela fronteira.

    Ao longo desta semana, com senadores republicanos comprometidos a apoiar a resolução dos democratas, ficou claro que Trump teria que exercer pela primeira vez o seu poder de veto para manter viva a emergência nacional -e seus planos para a eleição de 2020.

    1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 1 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • E

      Eduardo Salamuni

      ± 0 minutos

      Trump transformou essa obsessão em perigoso jogo político que, em sua mente infantilizada, deve ganhar a qualquer custo, mesmo se houver arranhões no regime democrático americano.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso