i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
apatia

Tunísia realiza as primeiras eleições municipais desde a Primavera Árabe

    • Estadão Conteúdo
    • 06/05/2018 18:22
     | ANIS MILIAFP
    | Foto: ANIS MILIAFP

    Os tunisianos participaram neste domingo da primeira eleição municipal desde a Primavera Árabe, em 2011, um passo crucial para a consolidação da democracia no país. A expectativa de participação da população era baixa, com apenas 13% de comparecimento até a tarde de domingo, de acordo com as autoridades eleitorais. O número contrasta com as longas filas de eleitores das eleições parlamentares e presidenciais pós-revolução. 

    Leia também: Líbano realiza primeira eleição em nove anos

    A apatia dos eleitores é generalizada, apesar do nível de insatisfação da população com a taxa de desemprego batendo em 15% e inflação em 7%. Isso é um grande problema, em especial, para os jovens, que lideraram o levante em 2011 mas não viram melhora em suas oportunidades desde então. 

    Em busca de votos em Soukra, subúrbio da capital Tunis, o presidente Beji Caid Essebsi insistiu que a Tunísia está no caminho certo. "Democracia não é imposta mas exercida e estamos no caminho para consagrá-la diariamente", disse. 

    O líder do influente partido islâmico moderado Ennahdha, Rached Ghannouchi, tem discurso semelhante. "Queremos enviar a mensagem ao mundo que confirme que a democracia está em vigor na Tunísia, após expulsarmos um ditador", disse. 

    O país norte africano tem 5,3 milhões de eleitores e uma lista de mais de 2 mil candidatos na disputa por uma posição nos conselhos municipais. Na tentativa de descentralizar a tomada de decisão e impulsionar regiões marginalizadas os conselhos ganharam mais poder. 

    Essas eleições representam uma quebra de paradigma em diversos níveis. Hoje, as mulheres representam 49% dos candidatos, em parte graças a aprovação de leis que nos últimos anos estimularam a igualdade de gênero. Um dos destaques no pleito é a farmacêutica Souad Abderrahim, que pode se tornar a primeira prefeita da capital, Túnis. E na cidade mediterrânea de Monastir, o Ennahdha tem como candidato o judeu Simon Slama. 

    Ao mesmo tempo, quase metade dos candidatos é independente e muitos são totalmente novos no meio político. "Essas eleições são um passo histórico, pois trazem a participação democrática para o nível local, onde os problemas diários são administrados e os cidadãos podem realmente se fazer ouvir", disse o chefe da missão de observadores da União Europeia, Fabio Massimo Castaldo. Fonte: Associated Press.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.