Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

A minha breve passagem pelo Sudão, país africano que se constitui como uma República Fundamentalista Islâmica, considerado pela agência Reuters, em 2013, como o sexto pior país do mundo em direitos das mulheres, me despertou para uma realidade até então objeto de noticiários impessoais. Tratando-se de um intercâmbio jurídico, tivemos a oportunidade de conviver com mulheres sudanesas advogadas e instruídas. Porém, ao presenciar uma médica deixar de jantar por não ter a liberdade, e nem iniciativa, para pedir novos talheres ao garçom, pude concluir que, para a conquista e a manutenção dos direitos das mulheres, a educação formal, por si só, não basta. É preciso bem mais.

Seja no Sudão ou no mundo ocidental, fato é que vivemos em uma sociedade de desigualdades. Social, econômica, cultural e também de gênero, na qual a mulher está no centro de um desequilíbrio social. Não há culpados e não há motivo para revolta. Trata-se uma herança histórica, decorrente de conceitos formados com base nas tendências biológicas. A prevalência da força física do homem contribuiu para um papel sexual passivo da mulher, que se prolongou para a vida social. E, por causa disso, de uma forma ou de outra, nos tornamos "vítimas". Mas ser vítima de desigualdade de gênero ou discriminação não significa que necessariamente a mulher precisa sofrer um processo de vitimização, tendo pena de si própria, permeando-se de um sentimento de impotência, inferioridade e falta de liberdade.

A pior e mais cruel das prisões é aquela que ocorre dentro de nós mesmas, da falta de coragem, do sentimento de incapacidade. Talvez porque algum dia nos disseram, ou ouvimos por acaso, que não éramos tão capazes: de dirigir bem, de nos localizarmos no espaço, de trabalhar e cuidar da família, ou seja, que não estávamos tão preparadas para escrever a nossa própria história. Fomos sugeridas a não confiar em nós mesmas, nem tampouco nas nossas semelhantes, e por isso estimuladas a falar mal uma das outras, do trabalho, do marido, da devassidão sexual, da certeza da conquista do poder pelo uso dos atributos do corpo. Mas o que não nos explicaram – e também não nos deram a chance de refletir – é que, ao fazermos isso, estamos na verdade destruindo a nós mesmas, enquanto detentoras da condição feminina, nos mantendo segregadas dentro da nossa própria posição social.

Sim, precisamos nos posicionar contra esse desequilíbrio, conscientizar pessoas, homens e mulheres, educar crianças nas escolas e levantar a cabeça. Mas só faremos isso se tivermos a consciência de nosso ser, corporal, social e espiritual e, principalmente, a certeza de que através do conhecimento, do trabalho e da autoconfiança, não há nada que nos impeça de começar a repaginar nossa história.

A luta pelos ideais feministas não tem mais caminho de volta. A igualdade de gênero parece estar desabrochando paulatinamente e as mulheres precisam estar preparadas para lidar com essas conquistas. E isso significa assumir a responsabilidade pela própria vida, de forma a experimentar um processo de liberdade consciente. Não tenho dúvidas de que o caminho para essa libertação será apenas através do desenvolvimento do pensamento crítico, da capacidade de indignação e da liberdade de pensamento, qualidades que homens e mulheres só desenvolvem com a consciência do seu valor existencial, da construção sólida de sua autoestima e amor próprio. Sigmund Freud foi brilhante ao dizer "como fica forte uma pessoa quando está segura de ser amada!" Eu completaria: amada principalmente por ela mesma.

Não se trata de defender a ditadura feminista, que no fundo só nos aproxima da dinâmica machista. Discursos de ódio não são manifestações da liberdade de expressão. São discriminação. Por isso, não idealizo um mundo mais rosa ou mais perfumado, com a supremacia feminina; não quero uma sociedade desigual para os meus filhos homens e nem para todos os outros. Mas, definitivamente, precisamos de um ideal mais humanista, e para isso não há diferenciação de gênero, mas equalização de valores.

O reequilíbrio da condição social da mulher deve ser visto como uma das metas dos direitos humanos, segundo o qual a igualdade de gênero – como todas as demais igualdades – deve ser buscada como a única forma de promovermos um mundo mais justo e sustentável. Esse me parece ser o feminismo humanizado, sobre o qual homens e mulheres devem passar a refletir e debater conscientemente. Como diria o mestre Dalai Lama, "a responsabilidade de todos é o único caminho para a sobrevivência humana".

Maria Ticiana Campos de Araújo, advogada em Curitiba, é membro da Comissão da Mulher Advogada e da Comissão de Direitos Humanos da OAB/PR, e membro consultor da Comissão de Relações Internacionais do Conselho Federal da OAB.

Dê sua opinião

Você concorda com o autor do artigo? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]