i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

A política como a nova religião

  • PorChristopher Marques
  • 20/05/2020 14:15
Presidente Bolsonaro acena para manifestantes do alto da rampa do Palácio do Planalto neste domingo (17).
Presidente Bolsonaro acena para manifestantes do alto da rampa do Palácio do Planalto.| Foto: Sérgio Lima/ AFP

Existe no pensamento conservador uma ligação muito próxima à religião. Boa parte dos conservadores advém de matriz religiosa judaica e judaico-cristã. De certa forma, está por detrás das tradições religiosas uma defesa do hábito na instrumentalização do racionalismo político. Que de certa forma é herdeiro da Revolução Francesa e de uma engenharia social.

Os conservadores religiosos entendem que a necessidade humana (ética, social e moral) pode ser respondida pelos postulados da religião que há anos sustentam o mundo ocidental. Portanto, tudo o que nasce como fruto das revoluções que veem a religião como atraso de vida, na verdade, precisa ser combatido com uma postura de mais ênfase na presença da religião na cultura que pauta o jogo, na tentativa de mostrar que a religião contribui para o avanço da humanidade. O que não é mentira, grosso modo, quando olhamos para o espaço embrionário que a ciência teve no protestantismo, bem como no tema dos direitos humanos e outras ações sociais e humanitárias. Parece que o grito de Voltaire, que via a religião como uma superstição das trevas, ecoa em muitas utopias políticas nesta era. O que se esquece é de que a via pública democrática somente é possível graças à cultura protestante, que ensinou para o ocidente como praticar a pluralidade na cultura.

A religião, no mundo contemporâneo, tem se acomodado aos ditames da sociedade e às pautas que brotam das discussões ideológicas. A religião perdeu seu espaço profético, fruto de um não partidarismo que a tornava livre para ser consciência do Estado e não sua serviçal. Assim, ou ela se tornou um produto do seu meio, ou passou a entrar em choque com o contemporâneo, caindo na desgraça do fundamentalismo religioso como postura reacionária.

O que significa dizer que a política se tornou a nova religião? Pensemos nas categorias sob as quais a religião se apresenta: sentido de vida, esperança de um mundo melhor, fim da maldade (isto inclui homens maus, por exemplo os criminosos), bem-estar, um messias (Salvador), proteção e cuidado familiar, preservação dos bons costumes (a moral) etc. Com o avanço e a proliferação de uma teologia liberal embutida de universalismo, pluralismo e secularismo, veio a ideia de que não existe verdade, o que existe são verdades. A religião foi sendo enfraquecida e seu discurso se tornou retrógrado e inimigo das mudanças culturais e sociais. Isso gerou uma pressão hermenêutica (de fora pra dentro) a fim de levar a religião – e aqui me refiro à judaico-cristã – a rever suas doutrinas e afrouxar suas rédeas. Então, aquilo que era considerado coluna da sociedade (por exemplo, a família constituída de homem e mulher) perde sua força e a flexibilização acontece. Claro que esta pressão é feita por grupos de minorias, cujo belo estardalhaço ecoa na religião.

O povo latino-americano é conservador (da moral e bons costumes); o brasileiro, por sua vez, é muito conservador. Os dados estão aí e o número deles cresce cada vez mais no Brasil, inclusive entre os jovens. Uma vez que a religião perde seu espaço ou sua voz por conta do quadro que descrevi acima e também pelos inúmeros escândalos de líderes midiáticos, as pessoas precisam de uma nova orientação ou de uma nova muleta, pois ninguém vive sem um apoio que possa lhe permitir ver um horizonte utópico. A política percebe a brecha e encontra seu campo fértil. Observa-se que tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil ambos os atuais presidentes tiveram uma força de apoio imensa dos religiosos de origem evangélica, que os colocaram no poder.

A política traz exatamente aquilo que a religião prometeu, mas não cumpriu. O discurso do então candidato à Presidência Jair Bolsonaro era “Brasil acima de tudo, Deus acima de todos”, um belo slogan religioso. Para os adeptos da homilia, dá para tirar um sermão desta máxima. O discurso de Bolsonaro está entranhado de postulados do conservadorismo religioso. Ele traz a esperança de uma grande parte da população que estava desacreditada não somente em políticos, mas na própria religião. Há no coração religioso conservador e fundamentalista um anseio de ver sua nação governada por alguém que compartilha das suas mesmas convicções. Prato feito para o marketing de Bolsonaro, que se batiza no Rio Jordão, em Israel, frequenta cultos evangélicos e posa ao lado de figuras de representação nacional do cenário religioso. Ele consegue ganhar cristãos e judeus. Dois pilares que o ajudaram a se eleger.

O “messianismo” de Jair Messias Bolsonaro era a tão esperada chegada de alguém que poderia colocar em prática os valores do reino de Deus na terra. O que já temos visto é que isso virou um fiasco. Não está dando certo e não dará. Ninguém muda o comportamento de pessoas com uma canetada. Qualquer iniciante de filosofia e psicanálise sabe do imenso trabalho que é mudar vícios, hábitos e comportamentos. Havia uma fantasia de fazer do Brasil um paraíso de pessoas pudicas e castas andando nas ruas. Uma vez que, então, cumpríssemos estes “mandamentos”, Deus nos abençoaria e faria nossa nação prosperar. Esta engenharia é tão religiosa, e portanto tão ruim, porque cria uma barganha com o divino e sacraliza uma cultura sob interesses políticos e de poder, travestidos de piedade ou supostas boas intenções. Nada poderia ser mais cruel.

O fenômeno Bolsonaro é resultado de uma religião judaico-cristã mais de origem evangélica (com seus líderes midiáticos) que sempre almejou o poder e encontrou na figura do presidente alguém controlável e acessível, a fim de comprar pautas de interesse do gueto religioso que ansiava ditar as regras do Brasil. Tudo isso usando o nome de “Deus” (este Deus usado por essas pessoas é duvidoso), o que faz com que muitas pessoas tenham medo de contrariar, duvidar e questionar, já que, se assim procederem, estariam afrontando diretamente a Deus, que, segundo o discurso conservador religioso, foi quem colocou o presidente no poder.

Esta nova religião da política é notoriamente forte. Em nome dela, pessoas terminam relacionamentos; deixam de frequentar lugares e até igrejas que têm um discurso destoante do governo; brigam com familiares; e alguns chegam até a dar a vida. São as mesmas categorias presentes numa religião.

No mundo contemporâneo, uma religião, para ser bem-comportada, tem de se submeter à lógica do Estado democrático laico, como diria John Stuart Mill no início do século 19. Por isso, deve “baixar a bola” e entrar na competição do “mercado de sentido da vida” e jamais questionar a sociedade laica. Se o fizer, cai na tentação fundamentalista. Um beco sem saída.

Christopher Marques, mestre em Teologia e pós-graduado em Ciências da Religião, é fundador do Projeto Repense, professor convidado da Faculdade de Medicina Santa Marcelina e autor de “Um novo olhar para a missão da Igreja”, “O que pensa a fé protestante sobre a política, cultura, sustentabilidade, trabalho e dignidade humana” e “Quando a vontade de viver vai embora”.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rodney William de Jesus

    ± 0 minutos

    O modelo de governo constantiniano não é de hoje que atrai os desejosos de poder, esses são aqueles que não rejeitariam o pedido maligno de transforma a pedra em pão para satisfazer o seus impulsos mais egocêntricos. ainda a joelhos que não se dobraram a baal .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Gilberto Campos

    ± 5 dias

    Um momento, quem começou a incorporar o aspecto religioso em sua ideologia foi exatamente a esquerda e já faz muito tempo. Infelizmente, os integrantes radicais do bolsonarismo também está caminhando na mesma direção. Harari no seu livro "Sapiens uma bvreve história da humanidade" ele compara o marxismo (ou comunismo ou progressismo, e outro codinomes) a uma seita.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.