Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE

Artigo

A verdade sobre a elite brasileira e a desigualdade social

O capitalismo é o único caminho que traz riquezas a uma nação, mas não é perfeito, e sim algo que precisa ser constantemente corrigido

  • Gustavo Reichenbach
 | Mario Tama/AFP
Mario Tama/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Quem leu meus artigos anteriores sobre liberdade econômica e multiplicação de riquezas pode erroneamente crer que considero a desigualdade social algo insignificante. Ledo engano. Eu considero a pobreza de um país e a falta de liberdade econômica problemas mais graves, o que não significa que a desigualdade social seja irrelevante.

Esqueçam os discursos típicos da esquerda brasileira, que atacam inclusive a classe média que vem sendo massacrada e empobrecida nas últimas décadas. Não, a verdadeira elite é apenas 0,05% da população brasileira: cerca de 70 mil pessoas que são a classe dos super-ricos brasileiros, ganhando em torno de R$ 350 mil mensais e pagando apenas 6,5% de impostos, enquanto os assalariados que recebem R$ 5 mil por mês pagam 27,5%.

O Brasil está dividido; a classe média é citada como elite, mas isso é parte da estratégia manipuladora da esquerda brasileira na guerra política. O inimigo é outro, nesse caso: justamente essa pequena elite que ganha dinheiro sem produzir nada, pois nesse nível de riqueza trabalha quem quer, e alguns acabam se tornando “parasitas econômicos”.

A tributação de grandes fortunas e heranças deveria ser uma tendência mundial

Para ilustrar melhor, vou levar a questão a uma escala mundial: metade do dinheiro do mundo (US$ 1,72 trilhão) está em posse de apenas 62 pessoas. Esse montante de dinheiro também equivale à soma do dinheiro dos 3,6 bilhões de pessoas mais pobres. Definitivamente, é assustador.

Em 1992, a Inglaterra havia feito um pacto com outros países da Europa para manter a libra em determinada cotação, mas o bilionário George Soros viu uma oportunidade de lucrar. Soros acumulou discretamente o equivalente a US$ 10 bilhões em libras, e no dia 16 de setembro de 1992 vendeu tudo de uma vez, fazendo o preço da libra despencar. Em desespero, o Banco da Inglaterra tentou intervir e comprar libras, mas Soros era mais forte: no dia seguinte, comprou as libras muito mais barato e lucrou US$ 1 bilhão em um único dia. Certamente a Inglaterra como um todo perdeu muito com isso, e esse dia ficou conhecido como “quarta-feira negra”.

Se um único bilionário tem esse poder, o que pode acontecer na hipótese de alguns se unirem em um objetivo comum? Mesmo sem essa união, eles têm poder pra corromper a política com exigências visando benefícios particulares.

Leia também: Pobreza e desigualdade (editorial de 23 de janeiro de 2017)

Leia também: A perigosa atualidade da pergunta de Garrett (artigo de Ramon Blanco, publicado em 1.º de março de 2017)

A tributação de grandes fortunas e heranças deveria ser uma tendência mundial. A França tentou fazer algo assim e foi forçada a recuar, pois os super-ricos franceses levaram seu capital a outros países, empobrecendo a economia francesa. Isso mostra que há questões que dependem do esforço conjunto de várias nações, o que torna quase utópicos alguns objetivos.

O ponto problemático é que o retorno do capital desses megainvestidores é muito superior ao crescimento da economia, mesmo em países com economia em franca ascensão. Se a economia deve ser livre para crescer, um crescimento descomunal entre os super-ricos também é nocivo. Thomas Piketty descreve esse problema com sua formula “r > g” (retorno sobre capital investido é superior ao crescimento da economia dos países).

Em suma, os super-ricos e bilionários são um efeito colateral do capitalismo que pode parecer inofensivo em princípio, mas pode se tornar um grande problema se continuar a ser negligenciado, o que daria espaço para mais promessas vazias da extrema-esquerda.

O capitalismo é o único caminho que traz riquezas a uma nação, mas não é perfeito, e sim algo que precisa ser constantemente corrigido e redirecionado por um governo que vise o bem-estar social de toda a população.

Gustavo Reichenbach, formado em Processamento de Dados e Hotelaria, é investidor autônomo da construção civil.

o que você achou?

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Opinião

PUBLICIDADE