Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A lição do Tião Salgado
| Foto: Pixabay

Em setembro de 2000, fui convidado para um seminário em Nova York, patrocinado pelo Global World Forum. Na sala onde faria minha participação, havia jovens até sentados no chão. Antes de eu começar a falar, um deles perguntou o que eu achava de internacionalizar a Amazônia, e adiantou: "Não quero sua resposta como brasileiro mas como humanista".

Falei que poderia considerar a hipótese se antes fossem internacionalizados todos os poços de petróleo, armas nucleares, museus, cidades históricas, tudo de importante para a humanidade. Declarei que quando tudo isso for internacional, podemos discutir a internacionalização da Amazônia. Até lá, ela é só nossa. Essa fala teve grande repercussão, foi traduzida em muitos idiomas; inclusive incorporada em coletânea de grandes discursos brasileiros.

A Amazônia é nossa, mas é um patrimônio mundial de toda a humanidade

Sempre achei que fiz uma boa conclusão, até que o fotógrafo Sebastião Salgado, amigo há 50 anos, disse que não gostava da conclusão, porque se não formos capazes de cuidar dos patrimônios da humanidade que estão no nosso território, não merecemos tê-los só para nós. Lembrei do Tião Salgado, ao ver o ministro general Heleno dando a impressão de que temos o direito de queimar a Amazônia, porque ela é nossa.

A Amazônia é nossa, mas é um patrimônio mundial de toda a humanidade. Sua destruição irresponsável, em nome do nacionalismo, é um holocausto verde a sacrificar a humanidade inteira. Nenhum nacionalismo tem o direito de se opor ao humanismo, porque é imoral e estúpido, indecente e insensato. Por isso devemos usar a Amazônia com responsabilidade planetária. A Terra é um condomínio de países. No mundo atual, na Era Antropocena do poder humano descomunal, nenhum país está isolado.

Leia também: O Brasil será uma grande potência (artigo de Alan Schlup Sant’Anna, publicado em 13 de julho de 2019)

Leia também: Porteiras abertas (artigo de João Guilherme Sabino Ometto, publicado em 3 de julho de 2019)

O presidente Bolsonaro comete grave erro diplomático e pecado humanista ao apontar para o presidente francês e para a chanceler alemã e lembrar que desde os romanos a Europa queima florestas e que por isso eles não têm autoridade para nos criticar quando queimamos a Amazônia. Deveria desafiar Macron e Merkel a reflorestarem o mundo; propor uma disputa para ver que país reflorestaria mais do que nós brasileiros; uma disputa humanista no lugar do holocausto verde que o general e o presidente parecem estar querendo cometer em nome de um nacionalismo suicida. Poderíamos desafiá-los a enfrentar Trump e Putin que vão explorar petróleo no Polo Norte, e enfrentar o governo japonês que autorizou a caça às baleias.

A Amazônia é nossa, mas nós brasileiros temos a obrigação de entendermos que somos também humanos e humanistas, nacionalistas e inteligentes, e, portanto, devemos cuidar bem de nossas florestas, porque elas existem há mais tempo do que o Brasil e porque o mundo do qual somos parte precisa delas para sempre. Aprendi a lição do Tião Salgado e tento passá-la a outros, mesmo que generais e presidentes não estejam preparados para entender o quanto o nacionalismo suicida é anti-humanista, insensato e indecente.

Cristovam Buarque é professor emérito da Universidade de Brasília

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]