i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Geração própria de energia: A voz do povo não pode ser “fake”

  • PorBárbara Rubim
  • 13/09/2019 18:00
Geração própria de energia: A voz do povo não pode ser “fake”
| Foto: Pixabay

Desde 2012, o consumidor brasileiro pode gerar a própria energia e receber créditos em sua conta de luz, economizando. Essa possibilidade veio por meio da edição da Resolução Normativa 482, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em maio de 2018, a agência deu início ao processo de revisão desta norma, propondo a revisão da forma como é valorada a energia produzida pelo consumidor a partir de fontes renováveis, por meio de sistemas de geração distribuída.

De acordo com a Aneel, ao permitir a compensação integral da energia consumida da rede de distribuição pela energia injetada, o "prosumidor" (como é chamado o consumidor que produz a própria energia) deixa de remunerar alguns agentes do setor elétrico, que vão ter de buscar sua remuneração por outras vias – como, por exemplo, por meio de aumento tarifário aos demais consumidores.

Por outro lado, a geração de eletricidade próxima aos centros de consumo é benéfica ao setor elétrico, auxiliando no fortalecimento de diversos atributos importantes, tais como a redução de perdas técnicas (aquelas que ocorrem porque a energia precisa ser transportada por grandes distâncias), a redução no fator de carga das redes (reduzindo a necessidade de expansão da rede de distribuição e/ou aliviando a rede em momentos críticos), a redução – no médio e longo prazo – da quantidade de energia a ser contratada em leilões para abastecimento da sociedade etc.

A Análise de Impacto Regulatório publicada pela Aneel em janeiro de 2019 foi marcada por um erro metodológico em uma das planilhas de cálculo

O grande desafio que se colocou à frente da Aneel foi, assim, o de calcular o benefício e o impacto de cada um dos lados da balança de modo a se conseguir chegar a um possível caminho ideal – caso a análise gere resultados concretos, isentos e embasados, capazes de demonstrar o desequilíbrio e o dano imediato passível de ser causado pelo caminho atual.

De maio para cá, muitas discussões, debates e análises foram feitas por todos os agentes do setor. Para não alongar muito este texto, citaremos apenas um exemplo, que, a nosso ver, é bastante icônico e representativo do momento atual. A Análise de Impacto Regulatório publicada pela Aneel em janeiro de 2019 foi marcada por um erro metodológico em uma das planilhas de cálculo, que fez com que o resultado obtido trouxesse um equívoco com relação ao possível impacto causado pela geração remota ao setor elétrico. O tamanho do equívoco? Módicos bilhões de reais. Reconhecido o erro e corrigida a planilha, a própria metodologia adotada pela agência levaria à recomendação de alternativa de mudança mais branda para a geração remota do que a trazida na análise anterior e, por consequência, sugerida pela Aneel como caminho a seguir em sua nota técnica. Ou seja, a geração remota poderia sofrer desvalorização de sua energia na casa de 28% (alternativa 1) em vez dos cerca de 40% (alternativa 3) propostos inicialmente.

Não obstante isso, as manifestações recentes dos diretores da Aneel têm indicado que a agência considera, na verdade, adotar premissa ainda mais severa para ambas as modalidades (junto à carga e remota), ao que parece desconsiderando o equívoco anterior, as análises anteriores e a mensuração de qualquer benefício da geração distribuída ao setor.

Esses fatos, aliados a recentes entrevistas e colocações bastante controversas, têm alimentado nos consumidores, nos trabalhadores, nos empresários e na sociedade a preocupação de que o processo de revisão da REN 482 possa falhar em sua missão de realizar uma análise metodologicamente acertada, tecnicamente forte e, acima de tudo, imparcial sobre este importante momento vivido no setor. Essas preocupações têm se manifestado de diversas formas, incluindo as quase 200 mil assinaturas que a petição criada pedindo o #CenarioZero482 já tem. Para garantir que não haverá dúvida de que existe uma grande parcela da sociedade que apoia a geração distribuída e defende, ao menos por ora, a manutenção das suas regras tais como estão, iniciou-se de forma orgânica um movimento que diz claramente: #TaxarOSolNão.

É bastante claro que o processo de revisão em questão não objetiva estabelecer uma taxação ao uso da irradiação solar. Contudo, é inegável que o efeito prático ao cidadão, consumidor, comerciante e produtor rural será praticamente esse: o do desestímulo. Desestímulo à geração própria num momento em que essa possibilidade traz mais de 45 mil empregos ao país, R$ 6,5 bilhões em investimentos e, quiçá, a economia de 90% nos custos com eletricidade do poder público, se o Executivo for bem sucedido no desenvolvimento de projeto de geração própria por meio do sol, conforme recentemente anunciado pelo nosso presidente (mas somente se sair antes da revisão da REN 482).

Logo, #TaxarOSolNão é, como aprendemos no colégio, a metáfora sendo usada para ajudar a explicar a realidade de forma mais lúdica – chamando a atenção para que as pessoas procurem conhecer o tema e se engajar mais. Em processos complexos, o lúdico é essencial. No setor elétrico, um bicho extremamente complexo, essa pode ser a única forma de verdadeiramente se envolver mais a sociedade. Não é exatamente isso que a Aneel faz ao dizer que “a nossa conta de luz tem vilões”? Ou será que ela espera mesmo um mocinho? Será que devemos contar que esse mocinho é a geração distribuída?

A sociedade tem enviado uma mensagem clara de que há um descontentamento profundo com relação à forma como a revisão da REN 482 tem sido conduzida pela agência. É no mínimo triste que a resposta da Aneel a tal mensagem não seja buscar compreender o descontentamento e, se possível, demonstrar a tecnicidade e imparcialidade de suas análises, construindo o diálogo, mas sim descreditar o movimento, as pessoas e o esforço feito.

Se a voz do povo, que dizem ser a voz de Deus, é falsa, qual será a verdadeira?

Bárbara Rubim é CEO da Brigth Strategies.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Mário

    ± 2 dias

    Estes paineis solares continuam sendo um verdadeiro ovo de Colombo, porem nascido de um urubú. São caros e o investimento para compensar levam no mínimo 15 anos. Assim não vale...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • J

      Julio Alvarez

      ± 2 dias

      Atualize-se. o retorno é em 4 anos. Tem financiamento que sai mais barato que a conta de luz.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Austríaco-PR

    ± 2 dias

    Texto confuso, vindo de parte interessada no incentivo a geração solar. A ANEEL, por mais incrível que pareça, está , talvez sem querer, protegendo os menos favorecidos. Atualmente, apenas pessoas com maior poder aquisitivo conseguem investir em painéis solares. Assim, produzem energia durante o dia, injetando na rede de distribuição e retiram esta mesma energia a noite, utilizando a rede como uma bateria, porém, sem pagar por isto. Deste modo, os custos de manter a rede recaem sobre aqueles que não possuem painéis solares. Basicamente, esta é a distorção que deseja-se fazer. Ainda não foi feita porque parece que a ANEEL é sensível ao Lobby dos fornecedores de painéis solares.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • C

      Cidadão Brasileiro

      ± 2 dias

      Raciocínio maluco, Austríaco! Se a residência injetar na rede durante o dia, quando há maior demanda, está contribuindo para diminuir a utilização da infraestrutura de abastecimento desde longa distância, cujos pesados investimentos são amortizados na nossa tarifa de energia. O problema é totalmente político, há enorme receio de perda de espaço no mercado pelos grandes. É curioso como, subitamente, o liberalismo (austríaco?) se vale de argumentos “socialistas” - e o faz equivocadamente - para justificar medidas não raramente tomadas no rastro de lobbies e do surgimento, como que por mágica, de vultosas quantias em contas bancárias discretas em ilhas de outros mares.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • J

      Julio Alvarez

      ± 2 dias

      Tenho geração fotovoltaica em casa e isso é papinho, pois não é de graça não. Pago 100 reais todo mês de taxa de ligação do poste, mesmo gerando para a CPFL mais energia do que eu uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Freitas

    ± 2 dias

    Tem alguma agência que protege a sociedade brasileira ou elas sempre agem para interesses obscuros?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    GUSTAVO_RJ_70

    ± 2 dias

    Vergonha. Alou novo governo, troque os técnicos, se é que são técnicos, da agência !! Quero poder investir na própria geração!, mas assim não poderei.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Lothar

    ± 2 dias

    Resumindo. Vão taxar quem produz para consumo próprio. Coisas do Brasil. Pais do faturo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.