i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

As escolas e a hora da retomada

  • PorCelso Hartmann
  • 11/09/2020 21:48
Imagem mostra sala de aula com espaçamento entre carteiras para garantir o distanciamento social dos alunos por causa do risco de contágio do coronavírus.
Modelo de sala de aula com distanciamento proposto pelo governo do Paraná.| Foto: Divulgação Seed

Após meio ano de confinamento e escolas fechadas no Brasil, algumas cidades experimentam a reabertura e o debate sobre a necessidade de retomar as aulas presenciais ganha força. Os argumentos são fortes – entre eles, o fato de que, se restaurantes, bares, shoppings, academias e todo tipo de comércio estão abertos, por que a educação tem de ser deixada por último? A educação tem de ser prioridade no país. Em países desenvolvidos como Noruega, Dinamarca e França, as escolas foram abertas na primeira onda de flexibilização. Na Alemanha, as escolas ficaram fechadas por 68 dias. E nós já estamos há mais de 200 dias sem aulas presenciais.

Mas não podemos comparar maçã com laranja. Somos o terceiro país em casos e o segundo em mortes pela Covid-19, e o número de novas contaminações ainda é alto por aqui. O retorno seguro tem ocorrido em regiões com queda na taxa de transmissibilidade ao longo de quatro semanas e alguns estados começaram a abertura pelas redes particulares de ensino. Onde todos querem chegar é ao ponto de equilíbrio em que os riscos de contaminação não sejam maiores que os prejuízos do isolamento para as crianças e adolescentes.

Também não podemos pensar a educação brasileira pelo prisma das escolas particulares, que investiram milhões para proporcionar as melhores aulas remotas, sistemas avançados de avaliação digital dos alunos, treinamento de professores e pesquisas pedagógicas para conseguir o melhor aproveitamento dos estudantes que estão no conforto de suas casas, com seus computadores, smartphones e tablets. É importante pensarmos na parcela da população que não tem internet, nos estudantes de periferia que se preparam para o Enem e nem sequer possuem um gadget para receber as aulas remotas, nos pais que já precisam voltar ao trabalho e ainda estão com as crianças em casa. Ou seja, não seria mais prudente as aulas presenciais retornarem com as crianças e adolescentes que estão com maior dificuldade com o ensino remoto? A equação deveria considerar apenas aspectos sociais, de saúde e educação; no entanto, cada vez mais perto das eleições municipais, tem sido contaminada pelo cálculo político-eleitoral.

Estamos realizando uma pesquisa com mais de 10 mil pais e responsáveis pelos nossos alunos e resultados preliminares revelam que eles se mostram muito divididos quando o assunto é o retorno às aulas presenciais: mais de 50% ainda não se sentem seguros em mandar seus filhos para a escola, e mais de 80% estão satisfeitos com o ensino on-line. Entendemos que essa decisão passa pela família, que precisa ser corresponsável por essa definição.

Mas, em vez de ficar discutindo qual a data da reabertura, as escolas e municípios devem estar preparando os protocolos. Como será feito o isolamento das turmas, o controle da contaminação, como serão os protocolos de higiene, a divisão pedagógica entre o presencial e o on-line, como garantir a parceria com as famílias para que todas as medidas sejam cumpridas, além de um planejamento capaz de dar conta das demandas pedagógicas e psicológicas de estudantes, professores e demais profissionais da educação.

Estamos prontos para o retorno. Mas isso não significa que devemos retornar. Em nossas escolas, a Secretaria de Estado da Saúde é quem definirá quando as aulas presenciais serão retomadas. Enquanto estamos fechados, não estamos parados. Pelo contrário – estamos repensando a escola e as práticas pedagógicas o tempo todo. Evoluímos, inovamos, tornamos o aprendizado mais inclusivo, democrático e personalizado de acordo com as potencialidades de cada indivíduo. E, quando voltarmos, temos certeza de que a escola nunca mais será como era antes.

Celso Hartmann é diretor geral do Colégio Positivo.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Saber é poder

    ± 14 horas

    O modelo híbrido e livre chegou para ficar. Essa palhaçada de vírus chinês realmente criou uma crise econômica desgraçada. Mas, aquele modelo ultrapassado de escola-prisão, com quarenta reféns socados numa sala, exercitando a intolerância recíproca, morreu de vez. Que retorne o comércio. Mas, que meu filho tenha a liberdade de estudar como, onde, quando quiser. Livre de doutrinação, livre de perda de tempo. Quem tem pena é galinha. Viva o homeschooling!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      ANDRE.

      ± 2 dias

      Artigo financiado pelas propagandas que o grupo Positivo faz neste jornal. Como pai de alunos do colégio positivo, chamais me esquecerei a parcela de culpa que o grupo educacional tem no precoce fechamento das escolas e UP. Todos clamam sobre a volta, mas ninguém assume que, frente o exemplo de outros países, nós também erramos o momento de fechar. Virão os arquitetos de obra pronta “como saberíamos”, realmente, num país que predomina o analfabetismo funcional, seria impossível raciocinar algo diferente do que nós apresentaram pronto e importado.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Mateus

        ± 2 dias

        Acredito que as escolas deveriam abrir imediatamente. Aqueles pais que se sentem temerosos que não encaminhem seus filhos. Certamente as escolas terão que conviver com um modelo híbrido (presencial e virtual) por alguns meses, para lidar com essa situação. Porém o que não pode ocorrer é excluir o modo presencial, justo esse que permite que os pais possam trabalhar adequadamente.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.