i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Biden e Bolsonaro: descompasso político

  • PorMárcio Coimbra
  • 20/01/2021 15:08
O presidente dos EUA, Joe Biden, faz discurso de posse após prestar juramento, 20 de janeiro
O presidente dos EUA, Joe Biden, faz discurso de posse após prestar juramento, em 20 de janeiro.| Foto: Patrick Semansky / POOL / AFP

No início de seu mandato, Bolsonaro anunciou que o Brasil passaria a ter uma relação mais próxima com os Estados Unidos, retomando uma relação tradicional de parceria. Apesar das críticas, o presidente brasileiro seguiu firme em seu propósito, até esbarrar na derrota de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2020. Joe Biden, adversário do republicano, havia sido eleito.

Perdido diante do cenário político, Bolsonaro optou por não reconhecer a vitória do democrata de pronto, esperando cerca de um mês até cumprimentar o vencedor do pleito. Mais do que isso, Bolsonaro corroborou a fantasiosa tese de Trump, vencida nos tribunais, de que as eleições americanas haviam sido fraudadas. Movimentos que certamente colocaram uma frutífera parceria em xeque.

O presidente brasileiro mostrou que, na verdade, sua aliança estava muito mais próxima da afinidade ideológica com Trump que com a nação americana. Isto foi sentido em Washington, onde existe o receio de que o Brasil se afaste dos Estados Unidos e procure países mais afinados com os valores trumpistas. Da mesma forma, este governo que chega não enxerga Bolsonaro com simpatia.

Os desafios para o Brasil serão enormes, não apenas pela mudança política adotada pelos americanos, mas pelos próprios erros de cálculo político do Palácio do Planalto

Americanos são acima de tudo pragmáticos; entretanto, depois de perder sucessivas oportunidades de posicionar-se ao lado dos Estados Unidos como nação, em vez de Trump como líder populista, o Brasil agora precisa recompor sua imagem. Fato é que Bolsonaro já declinou inúmeras ofertas de contatos reservados abertos por interlocutores de Biden. Uma janela de oportunidades que se fecha com a sua posse.

Diante disso, Washington tende a trabalhar com seus aliados naturais na região, países que ao longo de décadas mantiveram diálogo profícuo com os Estados Unidos, independentemente de qualquer partido que ocupasse a Casa Branca. A Colômbia sempre soube realizar este diálogo com inteligência, assim como o Chile, acompanhado neste momento pelo Uruguai. Na América do Sul, estes saem na frente como aliados preferenciais.

Os reflexos da política de Biden para a região também entram em conflito direto com a agenda de Bolsonaro, uma vez que a questão ambiental entra na pauta americana de forma determinante. Certamente, para avançar nesta frente, Washington pedirá demonstrações claras de cooperação de Brasília, um movimento que colide com a posição de confronto com as políticas de preservação ambiental adotadas pelo governo brasileiro.

Biden retornará com força para a política internacional multilateral, reintroduzindo os americanos em uma agenda global de concertação. Podemos esperar o retorno ao Acordo de Paris e maior participação em organismos desprezados por Trump, como Unesco e OMS. Uma agenda que também colide com a posição adotada por Bolsonaro, que inseriu a luta contra o globalismo destas instituições como seu foco de enfrentamento.

Ao fim e ao cabo, os desafios para o Brasil serão enormes, não apenas pela mudança política adotada pelos americanos, mas pelos próprios erros de cálculo político do Palácio do Planalto. Uma conta que pode sair muito cara para os brasileiros.

Márcio Coimbra, cientista político e mestre em Ação Política pela Universidad Rey Juan Carlos, é coordenador da pós-graduação em Relações Institucionais e Governamentais da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Brasília, ex-diretor da Apex-Brasil e diretor-executivo do Interlegis no Senado Federal.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    C R Berger

    ± 1 horas

    Manchete equivocada, Márcio. Ao contrário do que o baixo clero acha, a atitude de Bolsonaro foi muito bem vista por Biden. Mostrou que é do tipo de ser humano, em extinção. Foi amigo do amigo até o último recurso. Isso é o que todos querem, um amigo. Muito ao contrário do premier israelense Netanyahu, que já em 8 de novembro reconheceu a vitória de Biden, deixando o amigo Trump, aturdido.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • J

      José Luiz Almeida Costa

      ± 3 horas

      Sejamos francos. Há tempos os EUA abdicou dos investimentos na AL. A China encontrou um continente carente de investimentos externos e vai aos poucos dominando os negócios. Bolsonaro tentou alinhamento estratégico aos EUA, mas os capitalistas norte-americanos não se interessaram. A guerra do 5G é interessante à NSA, mas parece que já perdeu o jogo, a Huawey já colocou seus equimentos na rede móvel do Brasil há tempos.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        MAURO FONSECA DE MACEDO

        ± 17 horas

        Na verdade, vejo muito mais descompasso político entre os EUA e os nossos antigos governos de esquerda, que tinham os EUA como um verdadeiro inimigo imperialista. Se Biden realmente estiver interessado em bem governar para o seu povo (no que não acredito), vai ver que o Brasil pode ser um ótimo aliado.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • D

          Dilbert

          ± 18 horas

          Lembrando que o desgoverno atual, com seu total despreparo em política externa, apoiou a direita na eleição no México e perdeu. Insultou os argentinos e acabou ajudando a eleger o Fernandez. Apoiou o Guaidó na Venezuela e o cara sumiu. Apoiou a farsa legislativa da direita na Bolívia e quem se elegeu no final foi o candidato do Evo Morales. E para completar as bobagens, enquanto abaixava as calças para o velhaco do Trump, perdeu a chance de criar laços com o Biden. E ainda briga com a China, nosso maior parceiro comercial. Essa boçalidade bolsonarista nos custa caro e nos torna um pária mundial, pois os demais países nos olham horrorrizados por ver o quanto regredimos.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          Fim dos comentários.