Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Carteira assinada, sim!
| Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Todos os meses acompanhamos as estatísticas divulgadas pelo IBGE e o último levantamento apontou que o número de empregados com carteira assinada no setor privado foi de 34,2 milhões de pessoas, o que representa um aumento de 4% quando comparado ao trimestre anterior. Enquanto isso, o número de empregados sem carteira assinada no setor privado (12,2 milhões) subiu 7,4%. Em um país com 212 milhões de habitantes, não podemos dizer que há um descompasso nas estatísticas?

Em nossa região, muitas empresas se deparam com uma realidade na qual sobram vagas de emprego, mas falta mão de obra. Todos nós certamente já ouvimos falar de alguém que deixou de buscar uma oportunidade de trabalho para não perder os benefícios do seguro-desemprego. Muitas pessoas aguardam o recebimento da última parcela do benefício para procurar um novo emprego. Isso acontece porque, quando o governo reconhece que uma pessoa passará por entrevista de emprego, o benefício é automaticamente cancelado, mesmo que ela não seja aprovada para a vaga de trabalho. Ou seja, a pessoa corre o risco de ficar sem a vaga e também sem o seguro-desemprego. Não será a hora de refletir sobre algumas regras que, em vez de beneficiar de forma real o cidadão, o impedem de buscar novas alternativas formais?

Em nossa região, muitas empresas se deparam com uma realidade na qual sobram vagas de emprego, mas falta mão de obra

Outra realidade é a falta de entusiasmo para a qualificação profissional. Uma vez que o cidadão perde o interesse em conquistar um novo emprego, perde também o desejo de se tornar um profissional mais qualificado e competitivo. Uma das consequências de todo esse imbróglio é o crescimento da informalidade: o último levantamento do IBGE apontou 38,6 milhões de trabalhadores informais no Brasil. É um número significativo, principalmente porque a expansão da informalidade é um fator que prejudica o crescimento econômico de um país, uma vez que empreendimentos informais não se beneficiam de economias de escala, operam com uma combinação ineficiente de capital e têm acesso muito restrito ao mercado financeiro.

Além do mais, a informalidade interfere na condição de vida das pessoas, no acesso a alguns direitos como a aposentadoria, e no padrão de consumo do trabalhador, afetando a produtividade da economia como um todo. É uma verdadeira reação em cadeia.

Precisamos deixar de lado o hábito de atacar as consequências, esquecendo das causas dos problemas. O governo criou o Bolsa Família para combater a miséria e o seguro-desemprego para que o trabalhador fique amparado enquanto não encontra um novo emprego para o seu sustento, mas as regras fazem com que o cidadão prefira ficar em casa recebendo os seus benefícios em vez de buscar novas oportunidades no mercado formal de emprego.

Economia aquecida beneficia a todos. Pensemos sobre isso!

Fernando Moraes é presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]