i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Como a Austrália pode inspirar a educação no Brasil

  • PorMathew Johnston
  • 22/06/2019 01:00
Como a Austrália pode inspirar a educação no Brasil
| Foto: Pixabay

Ano a ano, a Austrália vem se consolidando como um dos destinos mais procurados por estudantes. Essa busca faz sentido se forem considerados fatores como qualidade de vida, ambiente familiar, empregabilidade e boa remuneração, inclusão, perspectivas de carreiras e, principalmente, a alta qualidade do ensino. Essa somatória de vantagens faz com que, atualmente, o país seja o terceiro mais buscado no mundo para estudos.

Segundo ranking divulgado recentemente pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), a Austrália é o melhor destino para os profissionais qualificados, com mestrado ou doutorado. O fácil acesso ao país é outro ponto positivo para instituições de ensino superior (IES) interessadas em estabelecer processos de cooperação internacionais. Deste modo, o Brasil tem se tornado forte colaborador em pesquisas, sendo atualmente o 16.º maior colaborador científico da Austrália.

O que se tem percebido nessas colaborações é que as políticas aplicadas no sistema educacional australiano podem inspirar positivamente o modelo brasileiro. Recentemente, em uma conferência de ex-alunos brasileiros no Instituto Mauá (SP), foram apresentadas duas alternativas praticadas por instituições de ensino australianas em parceria com o governo local. Enquanto uma permite acesso ao ensino a todos os indivíduos por meio de financiamento estudantil simples e desburocratizado, a outra sugere uma reformulação no método de ensino e aprendizado apoiada na internacionalização curricular.

Na Austrália, o conceito é que nenhuma instituição ou curso é gratuito; seja em faculdade pública ou privada, todos pagam para cursar

Existem diferenças e semelhanças consideráveis entre os sistemas de IES dos dois países. No Brasil, por exemplo, o ensino é gratuito em instituições públicas, sendo que toda a sociedade paga para que poucos estudantes, geralmente com maior renda familiar, tenham o benefício por terem tido a oportunidade de estudar em colégios particulares com mais qualidade de ensino. Por outro lado, o programa de crédito estudantil do governo, o Fies, é voltado a estudantes de famílias de baixa renda que ingressam em universidades privadas, porém, com limite de vagas e processo seletivo que usa a nota do Enem para classificar os candidatos. Parte dos estudos é paga durante o curso (o valor varia de acordo com o porcentual da bolsa), enquanto o restante é pago após a formatura. Com a regra modificada desde 2018, o estudante tem a parcela da dívida descontada automaticamente do salário, assim que consegue emprego.

Na Austrália, o conceito é que nenhuma instituição ou curso é gratuito; seja em faculdade pública ou privada, todos pagam para cursar. No entanto, a principal diferença é que todas as classes sociais têm acesso ao financiamento, estimulando um formato mais sustentável e acessível, que só é pago quando o aluno começa a trabalhar – ele precisa atingir uma renda mínima anual de 51 mil dólares australianos (equivalentes a R$ 140 mil), quando passa a contribuir com 4% de seu salário para quitar a dívida, podendo chegar ao teto de 8% conforme o crescimento de seu rendimento. Em vigor desde o fim dos anos 1980, o modelo teve um crescimento de 118% em alunos matriculados no ensino superior até 2015, sendo que, neste período, o fundo de financiamento cresceu 71%.

Além disso, o Ministério da Educação australiano estabelece normas nacionais de competências, a partir dos quais as universidades desenvolvem seus currículos. Quem avalia se a IES é qualificada são os empregadores, a sociedade e o estudantes. Ou seja, a relevância da instituição é valorizada por meio da reputação social e seu impacto na sociedade.

Leia também: Educação é outra história (artigo de Fausto Zamboni, publicado em 3 de agosto de 2018)

Leia também: O Japão e a educação (artigo de Ademar Batista Pereira, publicado em 14 de julho de 2018)

Na prática, o currículo internacionalizado reconhece que os alunos têm papéis e responsabilidades sociais, culturais e econômicas, além de habilidades e conhecimentos internacionais e interculturais capazes de conscientizá-los para conectarem-se positivamente com outras pessoas. Este preparo capacita os estudantes a viverem e trabalharem em uma sociedade global, e ainda os ajuda a ter experiências práticas das profissões do futuro, que aumentam a empregabilidade por meio dos ensinos superior, profissional e técnico. A avaliação desses estudantes é baseada neste conceito.

O Brasil pode se espelhar no modelo australiano, a começar pela transformação do método atual de avaliação dos alunos, que estudam semestralmente ou anualmente para terem aprovação por meio de uma prova escrita. Desta forma, eles são obrigados a terem os mesmos ensinamentos, sendo que nem sempre a aptidão de alguém por matérias e profissões ligadas a exatas de alguns é a mesma que a de alunos que preferem algo voltado a línguas.

Por fim, para que a educação e qualificação brasileira tenha avanços significativos, é necessário criar um caminho que estimule a inovação, aumente a qualidade das pesquisas nas IES e melhore a aprendizagem. Isso traria mais competitividade nas universidades e ajudaria a aumentar a empregabilidade.

Mathew Johnston é conselheiro da Educação e Ciência da Embaixada da Austrália no Brasil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.