i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Comunidades criativas

  • PorMarcos de Lacerda Pessoa
  • 12/09/2020 08:00
Imagem conceitual, ideia nova, inovação
| Foto: Bigstock

A imagem popular do gênio criativo seria a de um obsessivo brilhante que realizaria feitos de criatividade sobre-humanos, por conta própria; isto é, sozinho. Normalmente, trabalharia em uma “garagem” mítica. Essa é a imagem que durou por décadas, se não séculos.

Está muito claro que a mitologia em torno do gênio autossuficiente faz pouco sentido. Steve Jobs, CEO da Apple, mantinha milhares de pessoas altamente competentes, que possibilitaram que ele fosse o pioneiro do computador pessoal e de muitas inovações tecnológicas. Da mesma forma, Elon Musk, da Tesla e SpaceX, emprega milhares de pessoas que o capacitam a criar tecnologias inovadoras e futurísticas. O mesmo ocorre com Jeff Bezos, da Amazon, e Sundar Pichai, da Google.

Embora criatividade seja uma tarefa de equipe, nossa simbologia cultural permanece extremamente focada no indivíduo. No entanto, construir uma comunidade de pessoas competentes ao nosso redor é essencial para alcançar o dito “sucesso de classe mundial”.

Um estudo da Universidade da Califórnia analisou as redes sociais de mais de 2 mil cientistas e inventores, demonstrando que a rede de um profissional inovador pode prever projeção, produtividade e até mesmo a duração da sua carreira. Outro estudo descobriu que uma ampla gama de artistas e esportistas de “classe mundial” havia estudado sob a orientação de um professor experiente e implacável. Muitos desses artistas e esportistas de sucesso adquiriram a força da reputação pelo número de relacionamentos que eles mantiveram com outros artistas e esportistas bem-sucedidos, tanto dentro quanto fora das próprias gerações.

Os inovadores criativos, em geral, têm quatro tipos diferentes de pessoas competentes em suas redes: um professor ou pesquisador experiente; um crítico exigente; uma pessoa que sirva de “musa moderna”, que os inspire; e um promovedor ou financiador proeminente. Cada uma dessas funções é desempenhada por um indivíduo ou grupo de pessoas. Nenhum papel é mais essencial que o outro: com apenas um deles ausente, o sucesso criativo de uma pessoa torna-se menos provável. Juntos, eles formam uma “comunidade criativa”: um grupo de pessoas que afetam direta e indiretamente o processo criativo inovador. Essas comunidades são um dos aspectos mais importantes da criatividade. As quatro funções são essenciais, e os inovadores criativos buscam atrair pessoas vitais, que possuam tais características.

Na Europa e nos Estados Unidos, as pessoas estudam tudo o que existe na sua área de interesse e interagem bastante com pessoas competentes que atuam no mesmo campo. Além disso, têm consciência de que alguns empreendimentos são construídos com grande esforço e muitos anos de trabalho. Superficialidade e imediatismo não são quesitos a considerar, quando se deseja conceber e implantar um produto ou serviço inovador.

Hoje, é necessário haver uma equipe de pessoas altamente competentes, dotadas daquelas quatro características referidas. O gênio criativo isolado, se alguma vez existiu, não gera mais produtos e serviços inovadores. Há muito tempo o símbolo da “garagem” está extinto!

Marcos de Lacerda Pessoa, engenheiro, Ph.D. pela Universidade de Birmingham (Inglaterra) e pós-doutor em Engenharia pelo MIT, concebeu o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar), a Universidade Copel (Unicopel) e a banda extra larga da Copel Telecomunicações (Copel Fibra), é autor de Sementeira de Inovação e proprietário do centro de apoio à inovação futuri9.com.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.