Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Metaverso : o quão longe estamos e o que precisamos para chegar lá
Metaverso e educação: falta atender quem mais precisa| Foto: Big Stock, DanRentea/Reprodução

Discutir o impacto de mecanismos de realidade virtual na educação brasileira se tornou pauta comum entre profissionais e entusiastas da área e, recentemente, fui convidado a refletir sobre seus benefícios. A aplicação real dessas ações também levanta questionamento, devido à eterna desconfiança sobre o que funciona ou não no Brasil. A resposta é que há, sim, a presença do chamado metaverso em diversos modelos de educação e capacitação profissional.

Os treinamentos em ambientes de simulação, já existentes para cursos de operadores de máquinas, de veículos de carga e tipos de soldagem em materiais, por exemplo, estão em operação desde o início deste século e asseguram uma primeira etapa de aprendizagem. Uma iniciativa que valoriza os conceitos fundamentais da operação, testando os alunos, para, aí sim, mais preparados, serem submetidos a operações reais, com mais riscos e que incorrem em custos de combustível, materiais e insumos bem caros.

Em outro exemplo, dentro dos cursos de Medicina das principais instituições particulares do país, os alunos têm a oportunidade de desenvolver casos clínicos desde os primeiros meses de aulas, atendendo robôs que apresentam sinais vitais que indicam disfunções a serem diagnosticadas pelos estudantes a partir de conceitos desenvolvidos nos seus programas de formação. É a residência virtual, no início dos programas, que traz a prática de maneira antecipada e sem riscos inerentes aos erros em saúde.

Muitos métodos existem há décadas, como já dito, e a necessidade imposta pelo isolamento social e a evolução cada vez mais rápida do universo digital os tornaram mais aprimorados. Mas um fato que muita gente esquece – ou ignora –, porém, é a dura realidade da grande massa de estudantes, jovens ou não, que não é contemplada por essas necessárias ferramentas. A tecnologia existe e está implantada em bolhas, clusters de estudos especializados, mas a realidade da escala de um país com dimensão continental e diverso é muito distante do metaverso. Nunca o virtual foi tão distante do real.

O impacto negativo dessa diferença de oportunidades pode ser visto diretamente na avaliação da educação pública brasileira como um todo. Após dois anos de pandemia, retornamos a patamares de qualidade escolar bem abaixo de 2019. Temos mais de 55% dos alunos com deficiência em língua portuguesa e 95% com deficiência em matemática. Na outra ponta, professores com aulas atribuídas faltam constantemente. Por terem de se deslocar de grandes centros para as periferias, preferem se dedicar a outras atividades não relacionadas à educação, deixando turmas de alunos com substitutos sem qualquer qualificação para os conteúdos essenciais.

Não aprendemos quase nada com a necessidade. Se o delivery cresceu e se estabeleceu, o uso de tecnologias para estimular e motivar os alunos em paralelo com o presencial não teve o mesmo efeito.

A realidade virtual expressa pelos gestores públicos de educação – em todas as esferas municipais, estaduais e federal – destoa da realidade verdadeira e sofrida das escolas sem recursos básicos para receber alunos e que possibilitem o aprendizado contínuo e progressivo. Foram quatro ministros da Educação em três anos e meio, sem qualquer proposta de política pública consistente para a pasta. Da mesma forma, vimos a maior parte dos estados correr atrás de uma estratégia para manter os alunos ativos durante a pandemia, mas nada se fortaleceu como sistema após a volta às aulas presenciais.

A educação pública vive, sim, o metaverso, mas com um viés patético e ilusório.

César Silva é especialista em gestão educacional, atual presidente da Fundação FAT.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]