i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – Reajustes e cancelamento de planos de saúde deveriam ser impedidos durante a pandemia?

Evitar o colapso dos sistemas de saúde justifica medidas extraordinárias

  • PorLuiz Guilherme Buss
  • 26/05/2020 10:07
Evitar o colapso dos sistemas de saúde justifica medidas extraordinárias
| Foto: Felipe Lima

A crise financeira causada pela pandemia do coronavírus, com o consequente aumento da taxa de desemprego e a redução temporária da renda de muitos trabalhadores, elevou o índice de inadimplência entre beneficiários de planos de saúde. A lei que dispõe sobre os planos e seguros privados de assistência à saúde autoriza as operadoras a suspenderem ou rescindirem os contratos de planos individuais e familiares inadimplentes há mais de 60 dias. Já para os contratos coletivos, a negociação deve ser realizada diretamente com as pessoas jurídicas contratantes.

Para tentar evitar o colapso do sistema público de saúde, em decorrência do inevitável aumento do número de atendimentos de beneficiários com contratos suspensos ou rescindidos, encontra-se em tramitação na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 1.117/2020, que, pelo prazo de 90 dias, estabelece a vedação do reajuste das mensalidades durante o estado de calamidade pública, bem como a suspensão ou rescisão unilateral dos contratos de beneficiários inadimplentes.

Em que pese a justificável intenção do legislador, o referido PL carece do estabelecimento de critérios objetivos para cumprir o objetivo para o qual foi proposto, sem causar, contudo, um abalo na liquidez financeira das operadoras. Uma forma viável de conferir proteção aos beneficiários inadimplentes e, ao mesmo tempo, garantir a regularidade na prestação dos serviços pelas operadoras seria limitar as vedações previstas apenas para os beneficiários que puderem comprovar que a inadimplência decorreu da perda do emprego ou do comprometimento temporário da renda em virtude da crise causada pela pandemia.

Para trabalhadores formais dispensados sem justa causa ou que tiveram sua renda reduzida em no mínimo 25% após a decretação da pandemia pela OMS, em 11 de março, bastaria a apresentação de uma cópia do termo de rescisão do contrato de trabalho, do acordo de redução da jornada de trabalho e de salário ou do acordo de suspensão temporária do contrato de trabalho. Já para empresários individuais, trabalhadores autônomos ou informais, uma relação dos faturamentos dos últimos seis meses ou declarações comprobatórias de percepção de rendimentos emitidas por contabilistas já seriam suficientes, sempre considerando uma redução mínima de 25% da renda e a decretação da pandemia pela OMS como marco inicial.

Assim, além de não configurar interferência indevida do poder público na relação entre particulares, dado o objetivo de evitar o colapso do sistema público de saúde, o projeto de lei não constituiria violação ao princípio constitucional da igualdade, pois este deve ser interpretado sob seu aspecto material, tratando desigualmente os desiguais, na medida de suas desigualdades.

De toda sorte, independentemente da aprovação do referido projeto de lei, as operadoras devem envidar esforços para manter ativos os contratos dos beneficiários inadimplentes dispostos a uma composição amigável, seja por meio de parcelamentos, seja pela prorrogação de prazos de vencimento, a fim de evitar o colapso do sistema público de saúde e o consequente agravamento da crise causada pela pandemia do coronavírus no Brasil.

Luiz Guilherme Buss é advogado com atuação na área corporativa.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.