232243

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Opinião
  3. Artigos
  4. Fraternidade e política

Artigo

Fraternidade e política

Sem espírito de fraternidade, as pessoas optam pela atividade política buscando o aproveitamento e o enriquecimento pessoal

  • Cristovam Buarque
 | Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A cada ano, desde que na década de 1960 o arcebispo D. Helder Câmara lançou a Campanha da Fraternidade, a Igreja Católica apresenta para debate e mobilização da sociedade um tema que exige fraternidade para solucioná-lo. A campanha torna mais visíveis problemas como pobreza, desigualdade, violência, depredação ambiental. Esses problemas passam a ser encarados não apenas pelo lado social, econômico e político, mas também passam a ser vistos sob a ótica comportamental da necessária fraternidade.

Este ano, a campanha trouxe o oportuno tema da relação entre fraternidade e políticas públicas. Poderia ser Fraternidade e Política, para chamar a atenção de que não deveria haver prática política sem sentimento de fraternidade. A opção de uma pessoa pela atividade política só deveria ser justificada por um espírito missionário de fraternidade com o povo, especialmente com os pobres, excluídos, perseguidos, os que sofrem preconceitos, aqueles que não têm acesso aos bens e serviços necessários a uma vida digna.

A política precisa de comportamento fraterno, com os olhos nas necessidades dos que precisam

O político deveria sofrer junto com o povo e concentrar seus esforços para eliminar as necessidades da população. Lamentavelmente, na maioria dos casos, o que se vê é o contrário: sem espírito de fraternidade, as pessoas optam pela atividade política buscando o aproveitamento, a locupletação e o enriquecimento pessoal, sob a forma de mordomias, privilégios e até o roubo de dinheiro público.

Isso é visível naqueles que buscam ser eleitos para cargos políticos, sem compromisso com a fraternidade; também entre eleitores que votam em busca de alguma vantagem pessoal e não o bem comum. Esse comportamento antifraterno é a motivação da política que, ao longo de anos, tem levado o Brasil a ser um campeão em concentração da renda, em desigualdade, em mortes violentas, inclusive feminicídio e infanticídio; e também à corrupção, esse antônimo conceitual de fraternidade.

Opinião da Gazeta: A pobreza pode ser vencida (editorial de 4 de fevereiro de 2019)

Leia também: O crescimento possível (editorial de 4 de março de 2019)

Felizmente, nos últimos anos, o povo brasileiro vem despertando contra a corrupção no comportamento dos políticos e também contra a corrupção dos privilégios. Mas ainda parece distante o despertar para a corrupção nas prioridades que, distante do espírito fraterno, faz com que os recursos públicos sejam utilizados para a atuação sem qualquer compromisso fraternal, nem para a corrupção da irresponsabilidade e do desperdício.

A população se indigna ao tomar conhecimento de enriquecimento de políticos e empresários graças ao superfaturamento de obras. Mas ainda não percebe que a opção por essas obras, como no caso do Estádio Nacional Mané Garrincha, em que se gastou cerca de R$ 2 bilhões, enquanto ao redor dele há mais de 100 mil pessoas sem tratamento de esgoto, é corrupção nas prioridades, provocada por falta de fraternidade no orçamento para os gastos públicos.

Esta campanha coloca a dimensão da fraternidade no nosso imaginário, mostrando que a política precisa de comportamento fraterno, com os olhos nas necessidades dos que precisam.

Cristovam Buarque é professor emérito da Universidade de Brasília.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>