i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Justiça fiscal e IPVA para iates e jatinhos

  • PorAdriano Sant’Ana Pedra
  • 23/09/2019 18:00
Justiça fiscal e IPVA para iates e jatinhos
| Foto: Pixabay

Qualquer que seja o rumo que tome uma reforma tributária, não se pode deixar de ter em mente uma preocupação com a ética da tributação e com a justiça fiscal. Sempre haverá uma disputa por bens escassos na sociedade e deve-se buscar o equilíbrio adequado para o tratamento de contribuintes em posições sociais e econômicas diferentes.

A nossa Constituição estabelece que compete aos estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre a propriedade de veículos automotores (IPVA), e também que metade do produto dessa arrecadação pertence ao município em cujo território o veículo for licenciado. Veículo automotor é aquele dotado de força motriz própria, seja ele terrestre, aéreo, aquático ou uma combinação destas modalidades, o que inclui obviamente iates, jet skis, aviões e helicópteros, por exemplo.

Quando pessoas com capacidade contributiva deixam de cumprir seu dever fundamental de pagar impostos, porque a lei não lhes exige, as políticas públicas minguam

No entanto, o Supremo Tribunal Federal decidiu, no ano de 2007, que não há incidência de IPVA sobre embarcações e aeronaves (RE 379.572). Por quê? Em apertada síntese, o STF assim decidiu porque o IPVA sucedeu a antiga taxa rodoviária única (TRU), cuja incidência não incluía – naturalmente – embarcações e aeronaves, e ainda porque somente os veículos terrestres estariam sujeitos a licenciamento nos municípios de domicílio de seus proprietários. Vale dizer que tal decisão não foi unânime e naquela ocasião foram analisados dispositivos da Lei 948/1985, do estado do Rio de Janeiro, mas tais normas também estão previstas na legislação de outros estados.

Precisamos refletir a respeito, pois não parece haver uma intenção da Constituição de excluir veículos automotores náuticos e aeronáuticos da incidência do IPVA.

Como a extinta TRU era uma taxa, ela era um tributo contraprestacional usado na remuneração de uma atividade específica do Estado relativa ao contribuinte. Mas isso não ocorre com o IPVA, que é um imposto e, portanto, tem por fato gerador uma situação independente de qualquer atividade estatal específica. Assim, o IPVA não se destina especificamente à conservação de vias públicas utilizadas por carros e motocicletas, mas sua destinação depende, assim como a dos demais impostos, do que for alocado pela lei orçamentária para o atendimento das políticas públicas em geral.

Ademais, como o IPVA é um imposto sobre a propriedade, e não uma taxa, para fins de incidência não importa quem atua na fiscalização ou no registro de aeronaves e embarcações no território nacional, seja a Anac, seja a Capitania dos Portos, ou até mesmo o Tribunal Marítimo, conforme o caso. Sempre será possível identificar o estado e o município onde está domiciliado o proprietário ou o armador.

O Brasil tem uma imensa frota que possibilitaria a estados e municípios uma arrecadação de bilhões de reais por ano com o IPVA. É dinheiro que faz muita falta. Quando pessoas com capacidade contributiva deixam de cumprir seu dever fundamental de pagar impostos, porque a lei não lhes exige, as políticas públicas minguam por falta de recursos e as pessoas com menor capacidade contributiva são mais oneradas na tentativa de equilibrar as receitas e as despesas públicas.

Adriano Sant’Ana Pedra, procurador federal, doutor em Direito do Estado, pós-doutor em Direito pela Universidade de Coimbra, professor da FDV.

8 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 8 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • M

    Marcos eisenschlag

    ± 2 dias

    Que tal desembargador se TODOS os membros do Judiciario ao inves de terem penduricalhos como auxilio-moradia, auxilio-terno, auxilio educacao, auxilio saude, e outros QUE NAO PAGAM IMPOSTO DE RENDA, tivessem esses auxilio incorporados para PAGAR IMPOSTO DE RENDA ao salario ou MELHOR AINDA, EXTINTOS, visto que sao ALTAMENTE IMORAIS,

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fábio Cardoso de Almeida

    ± 2 dias

    "O certo é reduzir os impostos e estimular a produção nautica, gerando impostos e impactos com mais empregos nas areas de engenharia a turismo e lazer. Todos deveriam poder ter seu barco. " Leia mais em: https://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/justica-fiscal-e-ipva-para-iates-e-jatinhos/#comments?ref=comentarios-home Copyright © 2019, Gazeta do Povo. Todos os direitos reservados.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    André PC

    ± 2 dias

    O correto seria deixar de cobrar IPVA de carros e não passar a ser cobrado em barcos / iates etc.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    Rogério

    ± 2 dias

    Mais que a cobrança do IPVA, o COAF deveria ter liberdade no controle de aquisições desse porte. Aposto que a arrecadação será bem maior!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    Jorge Dias

    ± 2 dias

    Mais imposto não.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • R

    RICARDO ANDRAUS

    ± 2 dias

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • M

      Marcos eisenschlag

      ± 2 dias

      E voce acha que ele quer abrir mao do seu auxilio-moradia que custa aos contribuintes mais de um bilhao de reais por ano????

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    Neto

    ± 3 dias

    Muito justo. Que se leve a discussão ao Congresso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.