i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Loucos de dar nó

  • PorTom Grando
  • 04/06/2019 01:00
O presidente Jair Bolsonaro recebe os presidentes do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre e ministros, no Palácio da Alvorada.
O presidente Jair Bolsonaro recebe os presidentes do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, do Senado, Davi Alcolumbre e ministros, no Palácio da Alvorada.| Foto: Marcos Corrêa/PR

Em outubro do ano passado, tive a oportunidade de escrever na Gazeta do Povo sobre o que chamei de “Teratogênese da Politicagem”, comentando o sombrio horizonte que se apresentava para qualquer dos candidatos que viesse a ser eleito o novo presidente. Não vai aqui qualquer satisfação egoica em ter preconizado a frustração que se aproximava, mas sim uma espécie de revolta pelo óbvio que postulava aquela crônica: "tratar-se-á, seja qual for a escolha, de mais um manifestamente 'bem-intencionado', amarrado pelo Congresso e amedrontado pelo MP e Judiciário, com pouquíssimo espaço para as manobras radicais propostas em campanha".

Com relação ao Congresso, lá comentamos resumidamente sobre: "um grupo hegemônico de velhos políticos pronto para acasalar com a nova onda de representantes. Surgindo, então, a amálgama de partidos que se sucederam no Poder Executivo e dominaram o Legislativo". Incrível, mas na época ainda não atinava sobre a denominação, hoje popularizada, daquilo que agora é um palavrão de domínio e uso público: o Centrão.

Ficou fácil socializar opiniões malucas no ambiente da internet

Mas soaria lugar comum centrar fogo e criticar essa turba de cidadãos brasileiros clientelistas legitimados pelo voto, e que sempre aí estiveram. O importante talvez seja perceber a inépcia e o despreparo da criatura teratogênica que emergiu naquela eleição, demonstrados em todas as frentes, incluindo o enfrentamento – ou seria adestramento? – do tal Centrão.

Mais que a pretensa ingenuidade do ungido presidente e daqueles que acreditaram, e continuam crendo, em uma figura de poderes imperiais alheia às demais instituições, assustam suas polêmicas e constrangedoras declarações. Declarações que trombam a toda hora com preceitos basilares da Constituição brasileira forjada para a formação de um Estado laico, livre de preconceitos e que deve promover a paz e o meio ambiente equilibrado para seus cidadãos. Tudo isso enquanto bate palmas para alguns loucos dançarem dentro de gabinetes ministeriais povoados por figuras que socializam imagens em festejos que em muito lembram cenas do clássico Loucos de dar nó. Ou seria A gaiola das loucas?

Diga-me com quem andas e te direi quem és, certo? Essa frase, mesmo batida, soa extremamente verdadeira para o momento. Principalmente para aqueles que não se comportam como torcedores de um time de futebol, mas sim como frios avaliadores de nossos sucessivos governos.

Leia também: Previdência: as ambiguidades do “centrão” (editorial de 4 de maio de 2019)

Leia também: O PIB em retração (editorial de 30 de maio de 2019)

Ao que tudo indica, teremos de sobreviver, como brasileiros, humilhados e expostos ao ridículo por ministros de Estado que tartamudeiam palavras desconexas, afrontam leis e visões divergentes das suas próprias, “zapeando”, fazendo tagarelices e postando em mídias sociais como adolescentes tolos. Seria demais sugerir que tais ministros estudassem os relatórios técnicos e os documentos estratégicos, ou consultassem profissionais capazes (que certamente existem em seus ministérios) antes de emitir seus “palpites”? Parece que sim! Ficou fácil socializar opiniões malucas no ambiente da internet e, mesmo assim, contar com claque de brasileiros indignados e igualmente arredios a fontes de informação fidedignas.

De fato, como muitas teratogêneses, por vezes mesmo aquilo que é malformado tende a subsistir, tomando boa parte do corpo do alto escalão da nossa agonizante administração pública. Talvez seja o caso de chamar médicos, de qualquer nacionalidade, que possam dar diagnóstico e tratamento para essas novas anomalias. Sozinhos estamos indo muito mal.

Tom Grando, biólogo, é especialista em Políticas Públicas pela Agência Norte-Americana para o Desenvolvimento Internacional (Usaid).

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • R

    Rodrigo Santos Brandão

    ± 0 minutos

    "Constituição brasileira forjada para a formação de um Estado laico, livre de preconceitos e que deve promover a paz e o meio ambiente equilibrado para seus cidadãos. " Tudo que essa constituição tem, não leva a nenhuma paz e muto menos a um meio ambiente equilibrado. Talvez o senhor gostasse mais dos discursos e articulações da Sra. Dilma, mas ai é uma questão de gosto pessoal. Eu queria muito ver colunistas, cronistas, críticos, etc; enaltecendo a não venda de cargos e o fato de todos os ministros não terem processos por usurpar do dinheiro público. O resto e irrelevante, mas só o irrelevante é levado em conta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]