i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – O Brasil deveria sair do Mercosul?

Um peso para o Brasil

  • PorArtur Ceolin
  • 03/12/2019 19:53
Um peso para o Brasil
| Foto: Felipe Lima

Criado em 1991, o Mercosul surgiu com a ideia de que pudéssemos, na parte sul da América Latina, criar um bloco parecido com a União Europeia, no qual a integração facilitasse as trocas econômicas e o desenvolvimento dos países-membros. Entretanto, quando contrastamos aquelas ideias iniciais com as práticas que foram realizadas, vê-se que o destino do Mercosul foi completamente diferente do proposto.

Em primeiro, lugar porque a tradição isolacionista e intervencionista dos países-membros sempre foi um grande impeditivo para a integração de fato: Cristina Kirchner teve o costume de aumentar as tarifas dos produtos importados, tipo de medida executada também pela nossa ex-presidente Dilma Rousseff. De fato, a integração ficou só no papel, já que a ideia de tarifas unificadas, com simplificação de comércio dentro do bloco, nunca saiu do papel.

Isso sem considerar que o bloco foi utilizado para desventuras ideológicas, como por exemplo a inclusão de um país ditatorial, a Venezuela, pelo simples fato de que esta ajudava no financiamento de campanhas de candidatos de esquerda com os seus petrodólares. No século 21, esse foi o único objetivo do bloco que teve “sucesso”: por meio de uma ideologia equivocada que vê a economia como um jogo de soma zero, o bloco preferiu construir relações por ideologia e não por benefícios econômicos, algo que os mais prudentes lamentavelmente já avisavam: a Argentina viveu um ciclo de hiperinflação, a Venezuela se tornou o inferno na Terra e o Brasil ainda sofre com a pior crise da sua história.

Vivemos um fenômeno global de descrença nos blocos econômicos. A União Europeia, por exemplo, com sua grande rede de regulações e normativas que estrangulam a atividade econômica dos países-membros, hoje está em descrédito e em quase todos os países há partidos ou grupos que pedem o fim do bloco. Bruxelas se tornou um exemplo de como a centralização atrapalha o crescimento.

Em um contexto no qual o Brasil tenta se abrir para o mundo e se integrar às cadeias globais de produção, o Mercosul acaba sendo uma âncora que restringe a assinatura de tratados de livre comércio com outros países (algo impedido pelas regras do acordo), ainda mais quando a Argentina optou por um candidato peronista que já sinaliza com o congelamento de preços. Enquanto isso, o Chile mantém diversos acordos, o que ajudou no seu crescimento econômico.

Esse novo alinhamento de cooperação com os países desenvolvidos é uma política crucial para que possamos melhorar a especialização do trabalho e, como consequência, a alocação dos recursos. Abandonar as práticas nacionalistas de Estado grande e de protecionismo possibilitará ao país se integrar às cadeias de produção por meio das nossas maiores capacidades: a abundância de recursos naturais. Já passou da hora de esquecermos o nosso complexo de vira-lata oprimido pelas potências.

Ao contrário do que se pensa, o fim do bloco não impedirá a continuidade dos intercâmbios comerciais com nossos vizinhos, já que a descentralização do poder aumenta a interdependência e a cooperação entre os países. O Brasil e os outros países do Mercosul continuarão comercializando por motivos naturais – o bloco tem pouco impacto nisso. A hora é de uma abertura unilateral irrestrita pra o mundo, com uma política comercial de verdade, que retome o nosso crescimento.

Artur Ceolin é investidor e aluno do Master em Economia da Escola Austríaca na Universidade Rey Juan Carlos (Madri).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.