i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Não é possível continuar dividindo o Brasil

  • PorSebastião Ventura Pereira da Paixão Jr.
  • [15/04/2020] [19:03]
Congresso discute regulamentação de emendas impositivas ao orçamento
Congresso discute regulamentação de emendas impositivas ao orçamento| Foto:

O trágico advento do coronavírus expôs uma outra chaga social gravíssima: a incapacidade de diálogo e entendimento político sobre questões fundamentais. Quando esperávamos a grandeza dos homens públicos para superar diferenças pessoais em nome do bem do Brasil, vemos a vaidade, a pequenez e a incompetência se agigantarem nas instituições da República. Triste, para não dizer patético.

A atual dicotomia entre vida e economia é por demais sintomática; revela o desprestígio da razão pensante e o triunfo da estupidez sobre a lógica da consciência. Como se não houvesse uma simbiose necessária, os defensores econômicos defenestram os soldados da saúde, polarizando radicalmente valores inseparáveis. No fel da irracionalidade, há, não raro, o apelo a uma mídia maquiavélica, descomprometida com a independência e imparcialidade da opinião pública democrática. Ou seja, apenas mais do mesmo, sob outra roupagem.

Sim, a imprensa não é perfeita; nunca foi nem jamais será. Erra e acerta, como toda atividade humana. Todavia, estará sempre ali à disposição do poder, pois a política é habitualmente notícia relevante. Agora, ao invés de simplesmente agredir, por que não enfrentar eventuais distorções de fato ou análises jornalísticas imprecisas com altura, retidão e verticalidade? Aliás, não será esse um dos deveres da liderança pública responsável? Ou o estímulo à confrontação exacerbada nos levará às soluções que tanto precisamos neste momento de extrema dificuldade?

Em páginas políticas inapagáveis, a inteligência superior de Christopher Lasch bem expôs que a democracia requer um vigoroso debate público e, não, apenas informação. Aliás, a boa informação coletiva é uma consequência do debate político vertical, fazendo da democracia um instrumento de elevação da pedagogia social, a partir de ideias sérias, dados factíveis e retóricas persuasivas.

Ora, um mundo de “fake news” não deixa de ser o império de falsos líderes que precisam da enganação popular ou da propagação do medo como forma de preservação do poder. Acontece que a dinâmica da sociedade em redes rompe com os velhos e aturados modelos de liderança passadas. Ao invés de distanciamento hierárquico, as pessoas querem proximidade participativa; ao invés de discursos eruditos, há uma demanda por palavras que toquem o chão da vida; e, ao invés de atritos desmedidos, a crise atual é uma grande oportunidade de nos unirmos como nação para, juntos, construirmos pontes que nos façam maiores.

Ao se despedir do Senado, em discurso monumental, a sabedoria invulgar de Paulo Brossard fez questão de acentuar “que não é possível continuar dividindo o Brasil entre afortunados e os malvistos e os malquistos, e especialmente, partindo do fato de que estamos nós em uma situação de tamanha delicadeza, que é preciso conjugar esforços, e esforços que haverão de hercúleos para que este país continue a ser uma terra de liberdade e de tolerância recíproca”.

As palavras acima ainda ecoam na alta casa legislativa. Mas o que vale o som da razão perante o orgulho que se nega a ouvir?

Sebastião Ventura Pereira da Paixão Jr. advogado e conselheiro do Instituto Millenium.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]
Tudo sobre:

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.