i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

O Brasil cheio de ódio

O Brasil está dividido. É uma guerra, em que se mata e se morre por aquilo em que se acredita

  • PorLeila Krüger
  • 27/10/2018 00:01
 | Fernando Frazão/Agência Brasil;  Nelson Almeida/AFP/
| Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil;  Nelson Almeida/AFP/

O Brasil está dividido. É uma guerra, em que se mata e se morre por aquilo em que se acredita. A esquerda fala do ódio da direita; a direita teve Bolsonaro esfaqueado. A esquerda fala dos fascistas que desenham suásticas e prometem morte aos homossexuais; a direita reclama das ameaças da CUT, dos fraudadores de urnas, dos que defendem o regime sanguinário de Maduro na Venezuela. Há ódio de ambos os lados, de todas as formas, no coração verde e amarelo que sangra.

O “homem cordial” que Sérgio Buarque de Holanda descreveu em Raízes do Brasil foi se enfezando. Foi deixando de ser dócil, deixando o samba, a praia, o pagode, o “meu Brasil brasileiro”, o “mulato inzoneiro”, o “bamboleio que faz gingar”. Foi ficando cansado o tal “homem cordial”: cansado do próprio “jeitinho brasileiro” que se refletiu no governo. Cansado de ser explorado, de ser pobre, de ser incompreendido, de ser injustiçado.

Foi ficando cansado o tal “homem cordial”: cansado do próprio “jeitinho brasileiro” que se refletiu no governo

Enquanto isso, o homem não mais tão cordial aprendia a usar a internet para dar voz a seus pensamentos e sentimentos, para encontrar seus semelhantes, para sentir-se mais forte. E também mais agressivo. Descobriu que havia também muita gente cansada, uma nação inteira. Brasileiros cansados de ser gentis, de ser enganados, de ter de ser alegre, e das palmeiras, do carnaval, do sabiá, das aves que aqui gorjeavam, mas já não gorjeiam mais.

O Brasil está cheio de ódio. E não é só por causa da esquerda, da direita, das eleições, do fim do ano que se aproxima, das redes sociais, da pós-modernidade. Mil vezes não. O Brasil está cheio de ódio porque se tornou infeliz e se cansou de ser assim. E pessoas feridas ferem outras pessoas.

Leia também: As eleições e a importância do diálogo (editorial de 7 de outubro de 2018)

Leia também: Que tal concordarmos em não nos matarmos? (artigo de Bill McKibben, publicado em 22 de outubro de 2018)

Onde foi parar a mulata brilhante que dança? Até o futebol anda chato. O coqueiro não dá mais coco, o pandeiro emudeceu, a Garota de Ipanema sabe-se lá por onde anda... Talvez refugiada em outro país, como muita gente. Gente que um dia se orgulhava de cantar o Brasil em versos. Gente que fazia versos tão bonitos, vivia bonito...

Onde é que fomos parar? Esse lugar, esse medo, essa raiva que nos devora de dentro para fora é dor. Repare: dor de ser infeliz. De tanto sorriso amordaçado, que não seja chacota. Mas há esperança. Quero repetir esta bela palavra: es-pe-ran-ça, como Mario Quintana a dizia. Há esperança porque o brasileiro não desiste nunca, e isso não vai nem pode mudar. Isso será, como uma última salvação, a nossa paz.

Leila Krüger é escritora, editora e jornalista.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.