i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – A Justiça Eleitoral pode recusar por iniciativa própria a candidatura de um ficha-suja?

O dever legal de garantir a defesa do candidato impugnado

É possível negar “de ofício” o registro de Lula, como se tem debatido?

  • PorLuiz Eduardo Peccinin
  • 07/08/2018 00:01
 | Robson Vilalba/Thapcom
| Foto: Robson Vilalba/Thapcom

Em 2018, a candidatura de Lula coloca a Justiça Eleitoral no centro do debate político. Líder nas pesquisas, o ex-presidente aguardará uma resposta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) acerca da sua elegibilidade após o registro da candidatura. A partir daí, vem a dúvida: o TSE conseguirá dar essa resposta antes das eleições? É possível negar “de ofício” o registro de Lula, como se tem debatido?

Primeiro, deve-se admitir que a discussão vem de um aspecto próprio de nosso sistema. Os registros de candidatura são processados junto com a campanha eleitoral. Assim, é um enorme desafio julgar todas as candidaturas antes do dia das eleições. Vencer esse desafio é importante, mas não se pode desconsiderar as regras do jogo já postas. É isso o que sempre fez a Justiça Eleitoral.

É um enorme desafio julgar todas as candidaturas antes do dia das eleições

A Lei n. 9.504/97 garante, no art. 16-A, que o candidato impugnado poderá efetuar “todos os atos relativos à campanha eleitoral” e manter seu nome na urna. Ainda, seu artigo 10, §11, prevê que fatos “supervenientes ao registro de candidatura” podem afastar os impedimentos existentes no registro. E mais: o art. 26-C da própria Lei da Ficha Limpa estabelece que as inelegibilidades ali previstas podem ser suspensas a qualquer tempo, desde que antes da diplomação, como entende o TSE desde 2014.

Nesse cenário, garante-se de forma plena todos os atos de campanha aos candidatos enquanto estes discutem seus registros. Reconhece-se que a elegibilidade é um direito fundamental do cidadão e, até decisão (definitiva) contrária, presume-se acima da inelegibilidade. Igualmente, privilegia-se a liberdade do debate político para o eleitor. Impede-se que o cidadão tenha limitado seu acesso a todas as opções antes de uma decisão final da Justiça.

A Súmula 45 do TSE diz que, “nos processos de registro de candidatura, o Juiz Eleitoral pode conhecer de ofício da existência de causas de inelegibilidade”, mas arremata: “desde que resguardados o contraditório e a ampla defesa”. Em resumo, pode o juiz do registro conhecer uma inelegibilidade mesmo sem haver impugnação. Mas esse poder não implica nem nunca implicou no poder de “indeferir o registro” de ofício. Como a própria súmula diz, ele não afasta o necessário respeito ao devido processo legal e à ampla defesa do candidato. Em conjunto com o dito acima, só há uma conclusão: pela lei, não é possível tirar do candidato seu direito de afastar a inelegibilidade após requerer seu registro.

Leia também: Existem candidaturas que são natimortas (artigo de Rodrigo Cyrineu, advogado especialista em Direito Eleitoral, Constitucional e Administrativo)

Ainda que imperfeitas, essas são as regras que o TSE sempre aplicou a todos os candidatos, antes ou após a Ficha Limpa. Em 2016, foram 145 prefeitos eleitos com o registro indeferido, sendo que 88 reverteram a negativa após o pleito. Desde 2014, o TSE já se manifestou mais de 100 vezes e deferiu candidaturas em mais da metade dos casos em razão de fatos ocorridos após o registro. Em eleições presidenciais, agiu assim em 2006 com Rui Costa Pimenta e Ana Maria Rangel, que levaram suas campanhas até o fim, mesmo com decisões negativas da corte.

O desafio imposto à Justiça Eleitoral sempre foi vencido sem invencionices e sem desrespeito aos direitos dos candidatos. Se qualquer mudança for feita esse ano, terá o TSE de admitir que fará sua jurisprudência para tirar do jogo um candidato específico, o que pode ser perigoso para a corte como instituição. Resta, assim, aguardar qual escolha ela tomará.

Luiz Eduardo Peccinin, advogado e mestre em Direito do Estado, é coordenador da pós-graduação em Direito Eleitoral da Universidade Positivo.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.