i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sínteses – A internação involuntária de dependentes de drogas

O internamento involuntário como alternativa para tratamento de dependentes

  • PorMarcelo Daudt Von der Heyde
  • 18/06/2019 01:00
Ilustração: Felipe Lima
Ilustração: Felipe Lima| Foto:

É inevitável que medidas que envolvam mudanças nas políticas públicas em saúde mental sejam acompanhadas de controvérsias. Com a Lei 13.840 não foi diferente: a pauta agora é a intenção involuntária de dependentes químicos.

A internação involuntária já era prevista em lei desde 2001 e, assim como na maior parte do mundo, utilizada em clínicas públicas e privadas. O que a nova legislação faz é regulamentar de forma mais precisa essa prática: é necessário que um responsável legal, preferencialmente um familiar, solicite por escrito o internamento; que ele seja realizado em ambiente hospitalar adequado; estipula-se um prazo máximo de 90 dias de internamento; e determina-se que cada caso será avaliado criteriosamente por um médico em sua admissão, podendo ou não acatar a solicitação.

É esperado que este internamento inicialmente involuntário passe a ser voluntário

Indicar internação involuntária sempre será uma medida drástica, mas necessária em determinados cenários: um paciente com dependência grave, em que a permanência do uso da substância acarrete riscos importantes ao próprio paciente e/ou a terceiros e que, em virtude do seu estado mental comprometido, tenha sua capacidade de tomada de decisões marcadamente prejudicada.

Mas espera-se que, uma vez internado e desintoxicado, a pessoa recupere suas capacidades mentais o mais breve possível. Dessa forma, também é esperado que este internamento inicialmente involuntário passe a ser voluntário. Essa é uma das metas inicias das equipes de saúde que trabalham com dependência química, para que assim o paciente participe efetivamente das atividades terapêuticas que serão realizadas durante o internamento. Nos tratamentos de dependência química, essa conversão é essencial e pouco adianta um internamento involuntário de longo prazo.

A fase crucial, porém, vem logo após a alta, quando a pessoa voltará a ser exposta aos gatilhos da recaída e passará a ter acesso ao consumo da substância. Para ele, será preciso pôr em prática todos os mecanismos que o ajudam a permanecer abstinente, tudo que foi aprendido durante o internamento e, então, prosseguir com o tratamento já reinserido em seu meio social.

Leia também: Sobram motivos para rejeitar a internação involuntária (artigo de Gabriel Schulman, advogado e doutor em Direito, professor da Escola de Direito e Ciências Sociais da Universidade Positivo)

Há décadas a psiquiatria entende e estuda a dependência química como uma doença real, dando a ela um olhar de saúde, e não um aspecto moral. Ela também defende que sempre é preferível que pessoas sejam convencidas (não coagidas) a buscar tratamento, e que o mesmo seja realizado em ambientes não hospitalares e nos demais equipamentos de saúde disponíveis. Porém, pela complexidade e gravidade de vários casos de dependência, em algumas situações trata-se de um cenário impraticável.

Cabe aí o dilema essencial: devemos fechar os olhos e deixar essas pessoas sucumbirem à doença, mesmo sabendo dos riscos envolvidos e que ela não está em suas capacidades mentais adequadas? Ou devemos prover uma chance de tratamento, mesmo que inicialmente contra a sua vontade? Pode ser polêmico, mas não há nada de desumano na segunda opção: não se trata de uma política higienista, tampouco será a principal ação na complexa rede de saúde necessária para tratamento em saúde mental.

Marcelo Daudt Von der Heyde é vice-presidente da Capital da Associação Paranaense de Psiquiatria (APPSIQ), preceptor da residência médica em Psiquiatria do Hospital de Clínicas (HC-UFPR) e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.