i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

O que os não crentes ganham com a JMJ

  • PorRoberto Zanin
  • 22/07/2013 21:02

"A esperança de um mundo melhor está numa juventude sadia, com valores, responsável e, acima de tudo, voltada para Deus e para o próximo." A frase acima não vem com o selo de nenhuma religião específica. Vou além. Mesmo quem não acredita em Deus, creio, achará nobre a mensagem de que o jovem deve sair do egoísmo e voltar-se para os demais.

"A liberdade não quer dizer gozar da vida, considerar-se absolutamente autônomo, mas orientar-se segundo a medida da verdade e do bem, para chegar a ser, desta maneira, nós mesmos, verdadeiros e bons." E essa assertiva, pode ser dirigida a toda a juventude ou apenas aos fiéis de uma religião específica? Profundas palavras que levam o adolescente a refletir sobre o que é a real liberdade.

A frase que abre este artigo é do beato João Paulo II, que idealizou as Jornadas Mundiais da Juventude. A sentença do parágrafo anterior é do papa emérito Bento XVI (um dos maiores intelectuais do nosso tempo), proferida na JMJ de 2005, em Colônia (Alemanha).

O caráter das JMJs transcende o catolicismo. É claro que um dos objetivos é estimular os católicos para que vivam melhor sua fé. Mas o que motivou João Paulo II a instituir esses multitudinários encontros foi o desejo de levar todos os jovens à reflexão sobre o sentido de suas vidas. "Para que estou neste planeta?" Eis um questionamento que aflige a condição humana. Crentes e não crentes buscam a resposta a essa pergunta, que não se encontra na superfície do prazer, do instantâneo, do fugaz, do efêmero.

Nesse sentido, discordo de quem protesta contra o dinheiro investido pela prefeitura e pelo governo do Rio de Janeiro na infraestrutura do encontro para, por exemplo, garantir atendimento médico aos cerca de 2 milhões de jovens que deverão estar na Jornada – evento que não cobra ingresso, diga-se de passagem.

O laicismo, de braços dados com o ateísmo, posa como "neutro" e "racional" em oposição a esse investimento, que é tão louvado quando se destina a outras causas, não religiosas, mas que também têm conteúdo ideológico-moral (ou amoral; ou imoral). Não há neutralidade nem racionalismo nesse plano terreno. Todos agem segundo suas convicções. E, se é fanatismo impor crença a quem não a quer, a aversão à religião é o outro lado da moeda da intolerância.

Percebeu isso o célebre filósofo ateu Jürgen Habermas. Até os anos 80, ele defendia a visão marxista de que a religião seria "alienante". Agora, reconhece que a crença no transcendente não só não deve ser excluída do Estado laico, mas pode, com seu norteamento moral e ético, contribuir para a harmonia das sociedades ali abrigadas.

Falando do aspecto tangível da Jornada, estimativas do Ministério do Turismo dão conta de que R$ 1,2 bilhão será injetado na economia brasileira. Há, além disso, bens intangíveis. Fora o Rio de Janeiro, várias cidades receberam peregrinos, que não se contentaram em participar do evento, mas também realizaram vários trabalhos sociais país afora. Bem recebido, cada jovem será um divulgador do Brasil a parentes e amigos quando voltar a seu país. Tudo isso sem calcularmos quanto o Rio pagaria para ter a exposição de sua "marca" em nível mundial, exibida para mais de 140 países, durante uma semana.

Se quisesse levar a ferro e fogo esse "ultralaicismo", a Igreja deveria, então, tentar mensurar o quanto o Estado economiza graças a cada católico coerente com sua fé, que não sonega, não corrompe, trabalha honestamente e ensina o mesmo aos seus. Ou mandar que se emitam precatórios para pagar tantos serviços prestados por seus hospitais, escolas, creches e asilos, que tiram enorme peso dos ombros do Estado.

Não haveria papel.

Roberto Zanin é jornalista e blogueiro (www.robertozanin.com).

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.