i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Onde erramos – de Itamar a Temer

  • PorCristovam Buarque
  • 15/08/2019 18:00
Manifestação a favor do governo Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios.
Manifestação a favor do governo Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios.| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Em 2018, fui convidado a fazer uma palestra em Oxford sobre porque Bolsonaro venceu. Eu disse que aceitaria falar sobre porque os democratas-progressistas perderam. A palestra se transformou em livro que será publicado em breve.

No ano que vem, completaremos 35 anos de democracia, dos quais 26 com democratas-progressistas no poder. Depois desse tempo no poder, com cinco presidentes – Itamar, Fernando Henrique, Lula, Dilma, Temer –, o quadro que deixamos não satisfez o eleitor, que nos derrotou. Temos de fazer autocrítica e entender onde erramos.

Erramos ao achar que nosso papel era apenas recuperar a democracia na política e acelerar o crescimento na economia com mínimas ajudas aos pobres. Ignoramos as transformações na civilização, sob forma de globalização, inteligência artificial e limites ecológicos ao crescimento.

A saída para o Brasil não virá pelos sectários, que são iguais com palavras diferentes

Prisioneiros do imediatismo eleitoral, submetemo-nos ao corporativismo de empresários e de trabalhadores; preferimos atender aos sindicatos do que ao povo, ao presente do que ao futuro. Em vez de usar o poder para transformar, preferimos nos acomodar.

Não percebemos o esgotamento financeiro, administrativo e moral do Estado. Continuamos recusando as reformas necessárias para fazê-lo eficiente, comprometido com o público e protegido contra a corrupção.

Optamos pela irresponsabilidade fiscal, jogando o país na recessão, no desemprego e na inflação. Desprezamos a austeridade nos gastos públicos, defendendo mordomias e privilégios, quando deveríamos ter sido a vanguarda das reformas necessárias ao progresso.

Preferimos falar aos eleitores no presente, mesmo enganando-os com populismo, a dizer a verdade e apontar para o futuro. Relegamos a importância da cultura na formação de uma mente brasileira comprometida com o progresso: a educação, a sustentabilidade, a eficiência, a paz, o sentimento de patriotismo, a defesa da ética no exercício do poder e dos serviços públicos.

Não percebemos que nossa bandeira viável e revolucionária consistiria em uma “concertação nacional” por uma estratégia de longo prazo para colocar o Brasil entre os melhores do mundo em educação. Se tivéssemos seguido essa estratégia nos 26 anos que estivemos no poder, hoje teríamos economia eficiente e sociedade justa.

Fabricamos o “outrismo” e agora é difícil sair dele. Para isso, será preciso entender onde erramos e formular nossas propostas de rumo para o futuro: atrair o eleitor para uma alternativa que construa um novo Brasil, sermos estadistas, não apenas políticos. Mas isso não parece fácil pela fragilidade de nossos filósofos e pelos vícios de nossos políticos.

A saída para o Brasil não virá pelos sectários, que são iguais com palavras diferentes, que se autoalimentam, conseguindo eliminar todos que não se identificam com os reacionários “obscurantistas” ou com os reacionários “obsoletistas”, que fazem uma aliança de inimigos, repetindo 2018 em 2022.

Cristovam Buarque é professor emérito da Universidade de Brasília.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • F

    Fernando j c Gomes

    ± 6 horas

    O artigo é extremamente superficial e complacente com os erros cometidos nesses anos. Milhões de brasileiros entregues à miséria, à violência e ao inferno diário gerado por corruptos da esquerda progressista ou revolucionária. Erraram por que defendem uma ideologia inútil, nefasta e impossível de gerar desenvolvimento social, econômico e financeiro. Deixe de conversa mole, sr. Buarque. Isso não passa de prosopopeia flácida para acalentar bovinos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Thiago

    ± 14 horas

    O monjolo voltou com seus embustes de sempre... Palestra em Oxford,kkkkk.Mal consegue entender o uso correto dos "porquês"... Parabéns à Gazeta do Bobo!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • D

    DIMITRI LEONARDO SANTANA MARTINS DE OLIVEIRA

    ± 21 horas

    Senhor Cristovam, eu até votei no senhor no ano passado. E votei em Bolsonaro, no 1º e no 2º turno, como 70% da população de Brasília. Cansamos desse blá-blá-blá que o senhor, infelizmente, repete. Lula foi vendido como "o cara", incensado mundo afora e deu no que deu. Prefiro a aliança liberal-conservadora que venceu a eleição. Depois de tantos governos esquerdistas desde 1995, estava na hora de um governo de direita. Estava na hora de um governo liberal e conservador. Não me arrependo de ter ajudado a eleger Bolsonaro, inclusive fazendo campanha política. Quando penso que no 2º turno, o adversário era o Maldddad, poste de Lula, quando olho a Argetina hoje, não me arrependo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.