i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Os desafios do pós-pandemia

  • PorMarcelo Curado
  • 03/09/2020 21:07
Imagem mostra sala de aula com distanciamento entre carteiras e frasco de álcool para higiene das mãos.
Escolas devem estar equipadas com álcool para o retorno.| Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná

A crise econômica causada pela pandemia do coronavírus não guarda precedentes na história contemporânea; seus impactos, especialmente no mercado de trabalho, serão sentidos por alguns anos. Momentos particulares exigem ações igualmente específicas. Não é sem motivos que, salvo raras exceções, observamos um consenso sobre a necessidade de intervenção e ajuda do Estado. Medidas similares ao “auxílio emergencial” e os programas de ampliação de crédito para pequenas e médias empresas foram adotadas por quase todos os países. Neste sentido, a crise jogou luz sobre um aspecto há muito conhecido pelos (bons) analistas: em momentos de crise o Estado tem um papel central na manutenção da estrutura econômica e social, especialmente para evitar o colapso dos níveis de emprego e renda.

Do ponto de vista sanitário, a crise ainda levará, pelo menos, alguns meses até ser sanada. Não obstante, é necessário desde já iniciar o planejamento para o período pós-pandemia. Se por um lado a ampliação de despesas públicas foi até agora fundamental para manter os níveis de emprego e renda, por outro não é economicamente viável imaginar que o Estado brasileiro tenha condições de perpetuar o atual nível de gastos.

Quando falamos em equilíbrio fiscal, três alternativas se apresentam: aumento de tributos, corte de despesas e aumento do endividamento. A ampliação da carga tributária não é hoje socialmente aceita e, ainda que fosse, teria impactos contraproducentes sobre a atividade econômica. Muitos dirão que a saída é manter o nível de gastos, financiando-o por meio do endividamento público. De fato, com taxas de juros mais baixas, há espaço no curto prazo para medidas desta natureza, mas não se pode pensar em adotar tal estratégia como uma saída de longo prazo. Elevações sistemáticas na relação dívida/PIB tornam insustentável o processo de rolagem da dívida interna e transferem o ônus do excesso de despesas às futuras gerações.

Sobre a possibilidade de expansão continuada do endividamento, há de se fazer uma outra ressalva. Como dito, há uma espaço de curto prazo, bastante limitado, mas que se restringe à esfera federal. Governos estaduais e municipais não têm à sua disposição os mecanismos de endividamento do governo federal e a não adoção de medidas de ajuste fiscal pode tornar inviável o funcionamento do setor público para diversos estados e municípios.

Corte de despesas e o aumento da eficiência do setor público apresentam-se, portanto, como as alternativas mais consistentes para promover o equilíbrio fiscal de longo prazo, num cenário econômico de crescimento limitado.

Em suma, precisamos entender que, de forma ainda mais grave do que antes da pandemia, teremos de retomar o debate, sem saídas fáceis ou demagógicas, sobre a necessidade de promover o equilíbrio fiscal por meio de uma melhor gestão dos recursos públicos e de programas que reduzam estruturalmente as despesas governamentais.

Marcelo Curado é professor do Departamento de Economia da UFPR.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.