i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Polêmicas encobrem inépcia do governo para políticas de educação

  • PorCésar Silva
  • 13/01/2021 16:02
Caderno de provas do ENEM 2018 | Maicon J. Gomes/Gazeta do Povo
Caderno de provas do ENEM 2018| Foto: Arquivo/Gazeta do Povo

Mais uma vez o Ministério da Educação e seus órgãos auxiliares – agora é a vez do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – protagonizam uma polêmica que atinge diretamente quase 6 milhões de jovens estudantes e ao menos 25 milhões de brasileiros, se forem considerados pais e responsáveis. Ao manter as datas das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), só corrobora com o fato comentado inclusive internamente pelos próprios funcionários de carreira: a atual gestão é, sem sombra de dúvida, a pior de todas que existiram nos últimos 30 anos.

No momento em que o Brasil volta a superar a marca de 1 mil mortes diárias por coronavírus na média móvel, quando o país bate a marca de 200 mil óbitos e mais de 8 milhões de casos da doença desde o início da pandemia, o governo federal decide expor milhares de cidadãos em espaços fechados por pelo menos duas horas, sem qualquer controle eficiente para evitar a contaminação.

Pode parecer uma alegoria grosseira comparar a realização do Enem, e sua aglomeração nos locais de prova, com os comboios de judeus levados aos banhos de gás; mas não pode deixar de ser feita.

As provas foram adiadas quando não havia certeza do que viria pela frente; agora, leva-se quase 6 milhões de estudantes brasileiros, nos dias 17 e 24 de janeiro, dois domingos seguidos, para células de alto risco de contaminação, sob a alegação de que é preciso dar aos estudantes direito ao acesso ao ensino superior. Isso faz sentido?

Sem estratégia de ação e sem um plano de atendimento às políticas públicas vigentes, fará realmente diferença essa irresponsabilidade?

É antagônico saber que o Inep mantém as provas do Enem, mas não realiza, desde março de 2020, visitas às instituições de ensino superior privadas, permitindo que estas instituições ofereçam novos cursos com condições e estrutura adequada para esta nova realidade social, com menos presencialidade e condições de ensino remoto.

Temos apenas 240 mil vagas disponíveis para estudo gratuito em instituições federais; são apenas 125 mil vagas integrais e 130 mil vagas com 50% de desconto ofertadas em instituições privadas pelo Programa Universidade para Todos, o Prouni; e um número cada vez menor de vagas ofertado pelo Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies.

Se houvesse real interesse em ofertar oportunidades de acesso ao ensino superior, neste momento de exceção e isolamento por uma crise epidêmica, o governo, por meio do MEC, teria outras formas mais seguras de atender os jovens brasileiros sem colocá-los em real risco de morte.

Como esperar bom senso de uma pasta em que o ministro confunde Sistema Unificado de Seleção para o Ensino Superior, o Sisu, com o Prouni? É pedir demais que se siga a racionalidade e a lógica da ciência no século 21 e se salve a vida de centenas de jovens?

César Silva é diretor-presidente da Fundação de Apoio à Tecnologia (FAT) e docente da Faculdade de Tecnologia de São Paulo (Fatec-SP), e foi vice-diretor-superintendente do Centro Paula Souza.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • J

    Jauro

    ± 19 minutos

    Bom era com hadad e suas libertinagens, quando nossas crianças podiam escolher o sexo que queriam. Bons tempos do lulalarápio e da dilmANTA.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso