i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Reforma tributária: seremos tigres ou galinhas?

  • PorLuiz Carlos Hauly e Miguel Abuhab
  • 16/10/2020 22:48
Reforma tributária: seremos tigres ou galinhas?
| Foto: Pixabay

Durante cinco décadas, entre 1930 e 1980, muito antes do advento dos chamados “tigres asiáticos”, o Brasil foi uma fera: crescíamos sempre acima da média mundial. Mas, de repente, viramos patinho feio. Passamos a nos conformar, nos últimos 38 anos, com uma taxa de crescimento menor que a média registrada no planeta. E não foram apenas as crises e os cenários adversos da economia que fizeram o país interromper seus dias de tigre. Nossa temporada de voos de galinha foi definitivamente instaurada quando passamos a inchar e complicar o hoje mastodôntico sistema tributário nacional.

Desde o início da década de 1980 até 2010, o PIB cresceu em média 2,2% ao ano. Entre 2011 e 2019, esse voo de galinha foi encurtado: atingimos apenas 1% de média de crescimento. Na verdade, de 2015 até o ano passado, o crescimento foi do tipo “rabo de cavalo”, para baixo: -0,5% ao ano. Certamente, algo deu errado. Nosso crescimento econômico está travado.

Esses números nada animadores acompanham a trajetória de remendos no sistema tributário. Desde 1988, o Brasil já teve 17 minirreformas tributárias fatiadas, oriundas do Executivo e do Congresso Nacional. Nesses remendos, os entes federativos e até mesmo setores econômicos exerceram pressões. Essa queda de braço e o salve-se quem puder não geraram um resultado global positivo. Ao contrário: o somatório dessas alterações legislativas resultou no manicômio tributário atual, que alimenta inúmeros efeitos indesejáveis e que leva a distorções na formação de preços dos bens e serviços, bem como no ambiente de negócios, com uma concorrência desleal, na qual quem pode mais chora menos. Trilhões de reais vão para o ralo anualmente com esse cenário.

Esforços em prol da simplificação ficaram pelo caminho. Em 1991, uma primeira PEC nesse sentido surgiu no Congresso, pelas mãos do então deputado Luiz Carlos Hauly. Períodos de relativo sucesso econômico, como o Plano Real, não trouxeram o fôlego necessário. Nem mesmo as reformas recentes, como a trabalhista e a da Previdência.

Na verdade, o grande entrave é sistema tributário insustentável, que levou o Brasil a conviver com 60% de inadimplência entre as empresas, 13 milhões de desempregados e 25 milhões de subempregados, com o salário dos trabalhadores tributado em 90% e o poder de consumo das famílias de menor renda exaurido por uma carga de impostos que beira os 54%.

A economia não decola, e não é por menos: são R$ 5 trilhões de renúncias fiscais (7% do PIB ao ano); R$ 6 trilhões de sonegação (7,5%); custos de burocracia equivalentes a R$ 720 bilhões (1%). Somando inadimplência e contencioso de impostos, temos outros R$ 7,9 trilhões. O prejuízo anual com essas consequências de um sistema tributário falido chega a R$ 19 trilhões.

Percebe-se que o desafio de se realizar uma reforma tributária ampla e definitiva é enorme. Tal reforma precisa combater todos os problemas-raiz que o Brasil enfrenta nessa área: tributos autodeclaratórios, recolhidos por iniciativa do contribuinte; descompatibilização entre o fluxo financeiro e fluxo contábil/fiscal; excesso e divisão da autonomia legislativa tributária sobre a base consumo entre os três entes federativos; tributos cumulativos e, principalmente, a matriz tributária sobrecarregada na base consumo.

A reforma precisa ir além e ser uma medida justa, solidária e fraterna, que promova a inclusão social e econômica e promova a criação de novos empregos formais.

As PECs 110 e 45, em análise na Comissão Mista Especial da Reforma Tributária no Congresso, são a base para que essa mudança venha a acontecer de acordo com a urgente demanda de crescimento econômico do país. A PEC 110, do Senado, é a proposta mais abrangente, criando um imposto de bens e serviços dual, compartilhado entre a União e os estados e municípios, que extingue nove tributos (ISS, IVMS, IPI, PIS, Pasep, Cofins, CID, Salário Educação e IOF). 65% da arrecadação do IBS pertencerá aos estados e municípios, montante a ser administrado por um comitê gestor, no modelo do atual comitê que gerencia o Supersimples; os demais 35% serão destinados à União e administrados pela Receita Federal. A cobrança do novo IBS-Dual será eletrônica, com imposto retido no ato de cada transação de compra e venda, gerando um crédito financeiro e a transferência diária para os três entes federados.

A proposta também estabelece tratamento diferenciado, com alíquotas menores a setores básicos, essenciais e estratégicos, como o de alimentos, medicamentos, transporte urbano público, educação, saneamento, cadeia produtiva da saúde e outros. Com isso, serão favorecidas famílias de média e baixa renda.

Essa é, em resumo, uma reforma tributária de verdade, com reflexos efetivos na competitividade, crescimento sustentado, segurança jurídica, transparência e desburocratização. Uma reforma de tigre, respeitável e audaciosa para o momento crítico que atravessamos.

Luiz Carlos Hauly é economista e consultor. Miguel Abuhab é engenheiro e empresário. Ambos são autores de Não dá mais para postergar, um guia sobre reforma tributária e o modelo Abuhab de cobrança eletrônica de IVA/IBS.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • L

    LSB

    ± 0 minutos

    A conta dos 19 trilhões é BIZARRA!!! Um economista e um engenheiro (e o economista é o autor de uma das propostas existentes) apresentando essa conta, no mínimo, TOSCA, dá pistas de porque estamos onde estamos... primeiramente, cita uma somatória de 5 trilhões + 6 tri. etc. (onde cada um desses valores representariam 7,5%, 7% do PIB). Todavia, esses valores só podem ser somatórios, eles mesmos, de ANOS.. (qtos?).. daí que os tais 19 trilhões devem cobrir um período especificado (q não está especificado no texto), mas, pior, o texto sugere que seria ANUAL tal perde... MUITO errado... o “prejuízo anual” chega a 19 trilhões (maior parte de renúncias e sonegação) p/ PIB de 7 trilhões?!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • K

    Klin

    ± 12 horas

    Nem tigres nem galinhas. Pintinhos.... pintinhos!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.