i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Schopenhauer: a vida, a dor e o prazer

A experiência estética desponta como balsamo que alivia a angústia e é capaz de gerar a paz

  • PorEdimar Brígido
  • [04/08/2017] [05:00]
 | Reprodução
| Foto: Reprodução

Que a vida humana oscila entre a dor e o prazer não é novidade para ninguém. Todos sabemos que há dias de profunda angústia, e outros de imensa alegria. Em um momento vivemos um átimo de felicidade, em outros mergulhamos em uma espécie de “nada absoluto”, um vazio supremo. Saber lidar com esse paradoxo frenético é um dos maiores desafios para o homem moderno.

Para o filósofo alemão Arthur Schopenhauer, a vida é uma alternância entre a dor, proveniente da necessidade e do desejo de obter algo (ou alguém), e do tédio, decorrente da satisfação que resulta da necessidade suprida: “A vida humana transcorre, portanto, toda inteira entre o querer e o conquistar. O desejo, por sua natureza, é dor: a satisfação bem cedo traz a saciedade. O fim não era mais que miragem: a posse lhe tolhe o prestígio; o desejo ou a necessidade novamente se apresentam sob outra forma (...) o nada, o vazio, o tédio”. Nesta engrenagem o homem está condenado a ser infeliz, pois a vontade se renova a cada dia. Disso resulta a constatação schopenhauriana de que toda a vida é sofrimento e dor.

Ainda que as coisas pareçam trágicas, há uma possibilidade de parar a roda do sofrimento

Contudo, ainda que as coisas pareçam trágicas, há uma possibilidade de parar a roda do sofrimento. A proposta de Schopenhauer para superar a dor encontra apoio na filosofia oriental, em especial naquela representada pelo budismo: trata-se da negação (ou superação) da vontade individual, que é cega e insaciável. Seguindo as considerações do filósofo, os meios para que o indivíduo possa superar a vontade individual residem na experiência artística que conduz à genialidade, a qual mantém uma relação autêntica com a capacidade intuitiva do ser humano. A genialidade é a capacidade de se manter na esfera da intuição e se libertar da força da vontade individual.

Do mesmo autor:A ética do adulterador (30 de março de 2017)

Neste panorama, a experiência estética, compreendida como a contemplação das artes e da própria natureza, desponta como balsamo que alivia a angústia e é capaz de gerar a paz. O belo, que se manifesta no mundo, torna o fardo da existência menos pesado, fazendo com que a vida seja suportável. O artista empresta seus olhos para o espectador, evidenciando a essência daquilo que se pode chamar de “sentido da vida”. A roda do tempo para, as relações desaparecem: apenas o essencial se manifesta. O espectador, ao contemplar o mundo da perspectiva correta, encontra a alegria, a felicidade e a paz tão desejadas.

Edimar Brígido, doutorando em Filosofia, é professor de Filosofia no UniCuritiba.
1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • J

    Júnior Brasiliano

    ± 0 minutos

    Shopenhauer é sem dúvida o maior filósofo de todos os tempos.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]