041119

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Opinião
  3. Artigos
  4. Uma nova batalha em Argel

Artigo

Uma nova batalha em Argel

Abdelaziz Bouteflika não vai concorrer às eleições, mas permanece o sistema que mantém a Argélia em um estado de permanente transição

  • Dalia Ghanem
  • The New York Times
 | -/AFP
-/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Abdelaziz Bouteflika, o presidente da Argélia, anunciou por meio de uma carta, em 11 de março, que não vai concorrer pela quinta vez à reeleição, e cancelou o pleito, programado para 18 de abril. Explicou também que haveria uma conferência nacional para a realização de uma reforma política e constitucional, e que uma nova constituição seria redigida e aprovada por referendo.

A decisão surpreendente é decorrência dos protestos maciços organizados pelos argelinos, desde 22 de fevereiro, contra a tentativa de Bouteflika de se reeleger. O líder, com 82 anos de idade, teve um AVC em 2013 e não se dirige à população há seis anos. O país achou sua intenção de manter o poder absurda e ofensiva.

Na manifestação inicial, em fevereiro, e em 1.º de março, aderi ao movimento em Argel. E me vi cercada por gente de todas as camadas socioeconômicas: homens e mulheres, idosos em cadeiras de rodas, pais levando os filhos nos ombros. Muitos empunhavam cartazes com frases mordazes, sutis ou engraçadas; outros tantos levavam sacos de lixo para recolher as garrafas d’água que os manifestantes carregavam; teve também quem organizou a limpeza das ruas depois que o ato público terminou.

Ao passarmos por um hospital, a multidão parou a gritaria para não perturbar os pacientes; um pouco depois, voltou a se calar ao passar diante de um funeral. Cada vez que a procissão chegava a uma barricada policial, repetia “silmiya, silmiya” (“de paz, de paz”) ou “cha’b w chorta khawa khawa!” (“a polícia e o povo são irmãos!”). Vi policiais rompendo em choro e recebendo o abraço dos manifestantes. Foi maravilhoso testemunhar o despertar do povo argelino.

O protesto atual não tem líderes e começou com alguns cidadãos comuns convocando outros nas redes sociais

A Argélia não via movimentos assim desde os anos 1990; seu alcance e natureza pacífica surpreenderam muita gente no próprio país e no exterior. O protesto atual não tem líderes e começou com alguns cidadãos comuns convocando outros nas redes sociais, principalmente no Facebook. Inúmeros grupos de estudantes, professores, advogados, juristas, médicos, funcionários públicos e operários do setor petroleiro simplesmente se reuniram pelo bem comum.

Até os veteranos da guerra da independência, que historicamente sempre foram leais ao regime, estiveram lá, marchando com o povo, como também diversos líderes e parlamentares importantes que se desligaram da Frente de Libertação Nacional. Os partidos de oposição, divididos, marginalizados, sugados pela situação e gozando de pouca credibilidade, também participaram das marchas, mas foram amplamente ignorados.

O povo, alegre, fez festa em Argel e outras cidades ao saber que Bouteflika não iria disputar a reeleição devido aos protestos – mas, ao mesmo tempo, está cauteloso, e com razão, após o que considera apenas um primeiro passo.

O desatino da candidatura de Bouteflika e a cacofonia que gerou são resultado da própria natureza do Estado. Atrás do idoso alquebrado, há uma estrutura de poder altamente complexa e obscura, composta de redes intrincadas e sobrepostas, interesses variados e divergentes, e alianças fluidas e inconstantes.

A Frente de Libertação Nacional (FLN), principal movimento nacionalista, e sua ala militar, o Exército de Libertação Nacional, lideraram a guerra da independência, ganha contra os franceses – e o segundo se tornou o exército do país, ou o Exército Nacional Popular.

Rodrigo Constantino: O mito da Idade de Ouro islâmica (publicado em 19 de junho de 2018)

Leia também: O Islã é compatível com a modernidade? (artigo de Ali Zoghbi, publicado em 1.º de dezembro de 2017)

A legitimidade resultante da luta armada contra a força colonial deu à instituição uma posição fundamental no controle do poder da Argélia. Ela se identifica com a nação e acha inconcebível se separar do aparato político; para seus líderes, a possibilidade de eleição de políticos civis colocaria o país em perigo.

O fato é que o Exército manda, mesmo que não governe. Está no topo do poder, composto por vários apparatchiks da FLN, parlamentares e magnatas, ligados por laços familiares ou regionais. Infelizmente, desde a independência, em 1962, o nepotismo e a corrupção se mantêm como elementos centrais desse modelo de governança.

O regime passou de sumariamente autoritário para uma mistura híbrida, em 1995, quando reinstaurou os processos constitucionais, mas os governantes mantiveram o controle graças ao uso tático das reformas política, econômica e constitucional.

Em 2012, quando a Primavera Árabe sacudia a região, o governo permitiu o registro de novos partidos políticos, melhorou a representação de gênero no parlamento e criou uma comissão eleitoral nominalmente independente. Também introduziu maiores subsídios, melhores salários e crédito mais fácil para jovens e empreendedores, ainda que esses recursos fossem controlados e distribuídos seletivamente.

As eleições se tornaram rotina desde 1995, mas marcadas por irregularidades, e não são nem completamente justas, nem livres. Uma fração de participação política passou a ser permitida após o fim da guerra civil, em 2002. Diversos grupos de oposição – nacionalistas, democratas, independentes e até islamitas – podiam fazer parte da arena política, mas o Estado cuidou de marginalizá-los e dividi-los mediante a cooptação.

As eleições se tornaram rotina desde 1995, mas marcadas por irregularidades

Às organizações da sociedade civil também foi permitido algum espaço para contestação, mas as autoridades usavam de repressão, cooptação e regulamentação para mantê-las fragmentadas e fracas demais para ameaçar o governo.

A economia foi parcialmente liberalizada desde 1994, e mais ainda sob Bouteflika, mas basicamente servia à elite dominante e seus clientes, que recebiam financiamentos generosos, privilégios e monopólios especiais em troca de lealdade e apoio.

A capacidade do sistema de reagir com rapidez e distribuir recursos políticos e econômicos oportunistas não só ajudou a reforçar sua legitimidade como também a impedir qualquer mobilização e a derrotar toda e qualquer força oposicionista.

Nas últimas semanas, o regime teve problemas para responder aos protestos – e sua falta de reação ao povo fez nascer a contestação, a revolta levando a uma antipatia visceral em relação à liderança e a uma profunda crise de legitimidade.

E o velho truque da compra da paz social com a distribuição de “esmolas” generosas com os lucros do petróleo já não é mais possível, uma vez que o país enfrenta desafios fiscais severos desde a queda nos preços do petróleo, em 2014.

Leia também: Causas e soluções para o terrorismo islâmico (artigo de Marcelo Brandão Cipolla, publicado em 3 de julho de 2018)

Leia também: Estado, islã e mudanças sociais (artigo de Andréa Benetti, publicado em 2 de abril de 2017)

As divisas estrangeiras argelinas encolheram consideravelmente, caindo de US$ 194 bilhões em 2013 para US$ 96 bilhões em 2019; o crescimento econômico, que em 2014 foi de 3,8%, em 2018 registrou apenas 2,3%.

Uma vez que Bouteflika não vai brigar pela reeleição, a margem de manobra do regime aumentou um pouco, mas o povo parece acreditar que a renúncia presidencial é apenas uma forma de ganhar tempo para instaurar um sucessor próximo ao clã.

Bouteflika vai se abster de disputar o quinto mandato, mas está esticando o quarto e administrando a pseudotransição a que se referiu na carta. Sua renúncia é uma meia vitória para os argelinos, mas a verdade é que a elite político-militar e a burocracia continuarão a mandar no Estado. Pode até surgir um candidato que tranquilize os manifestantes, mas ele continuará sendo o produto de um sistema que mantém a Argélia em um estado permanente de transição.

Dalia Ghanem é analista política argelina e residente no Center Carnegie para o Oriente Médio, em Beirute.
The New York Times Licensing Group – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>