i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Uma revolução silenciosa

  • PorWilliam Baghdassarian
  • 14/07/2019 18:00
Uma revolução silenciosa
| Foto: Marcos Tavares/Thapcom

Tramita no Congresso Nacional uma alteração normativa que torna mais amigável o ambiente de negócios no Brasil. Trata-se da Medida Provisória da Liberdade Econômica, que vem simplificar a patológica interação entre empresas privadas e setor público e que, ao longo do tempo, contribuiu para reduzir a competitividade de nossa economia vis-à-vis o resto do mundo.

Dados do BNDES demostram que a produtividade média dos trabalhadores brasileiros em 2016 correspondeu a apenas 24,8% da produtividade dos trabalhadores americanos – porcentagem semelhante aos 28,4% que tínhamos em 1950 e muito inferior aos 44,9% do começo da década de 1980. Ou seja, apesar de todo o avanço tecnológico, como computadores e robôs industriais, a nossa produtividade relativa retrocedeu à década de 1950, em função do complexo ambiente de negócios de nosso país.

Ao longo dos séculos, a sociedade brasileira construiu uma cultura de forte intervenção estatal na economia

Carga tributária elevada, obrigações tributárias acessórias complexas, exigências regulatórias que prejudicam a inovação, burocracia estatal, insegurança jurídica, superproteção aos trabalhadores, ambiguidade na interpretação das normas jurídicas são alguns dos fatores que tornaram o ambiente de empreendimento e inovação hostil ao setor privado no Brasil.

Esses problemas decorrem de uma construção histórica. Ao longo dos séculos, a sociedade brasileira construiu uma cultura de forte intervenção estatal na economia que restringe a atuação privada e, especialmente, a inovação em nosso país. Há quem retroceda ao século 15 para ilustrar a dependência de nossa sociedade por uma figura mítica e estatal como Dom Sebastião, que, apesar de ter morrido jovem no norte da África, foi aguardado durante décadas após seu falecimento para restaurar o seu trono e a prosperidade de Portugal.

O problema da intervenção estatal é que ela é frequentemente malsucedida. Entre 2008 e 2014, o governo federal implementou políticas públicas equivocadas como aumento do valor do salário mínimo dissociado de ganhos de produtividade dos trabalhadores; uma política de “campeões nacionais” que, além de incorrer em elevados custos fiscais, também prejudicou os consumidores brasileiros pela concentração de mercado; ou a criação de empresas estatais que absorveram recursos da União sem que tenham gerado externalidades positivas para a economia. São apenas alguns dentre vários outros exemplos de um intervencionismo estatal exagerado, experimental, irracional e ineficiente, e que trouxe, a partir de 2015, forte retração econômica e queda do produto interno potencial de nossa economia.

Leia também: Uma proposta para a liberdade econômica no Brasil (editorial de 23 de abril de 2019)

Leia também: Escravos do paternalismo e da burocracia (editorial de 2 de fevereiro de 2018)

É nesse contexto que se insere a MP da Liberdade Econômica. Ela busca reverter parte das restrições impostas por 500 anos de história estatizante, além de tornar o ambiente de negócios mais amigável para o setor privado e, em especial, para os novos empreendedores, que terão menos dificuldades para conduzir seus negócios. Além disso, ao possibilitar um ambiente de negócios mais alinhado com o que é praticado no resto do mundo, a medida também estimula os investimentos externos em nosso país, o que é extremamente relevante em um momento em que o setor público busca equacionar o seu próprio déficit fiscal.

Mesmo considerando o déficit educacional de grande parte de nossa força de trabalho, acredita-se que as medidas poderão representar um crescimento do nosso Produto Interno Bruto Potencial de até 2% por ano, a depender do texto final a ser aprovado pelo Congresso Nacional. Uma verdadeira revolução para o emprego, a renda e o bem-estar em nosso país.

William Baghdassarian é professor de Finanças do IBMEC Brasília.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • T

    Thiago

    ± 0 minutos

    Isso se acreditarmos que nossos congressistas,cada grupo deles com seus interesses privados específicos,deixarão essas reformas passarem...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]