i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
artigo

Uma vida sem vícios

  • PorAnalice Gigliotti
  • 08/02/2016 23:01

Mais um ano começou e muitos já pensam o que poderão fazer de diferente. Parar de fumar costuma ser uma das mais frequentes promessas. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), abandonar o tabagismo é a coisa mais importante que se pode fazer pela própria vida. Cigarro e outras drogas devem mesmo estar entre as prioridades daqueles que querem preservar a própria saúde e a da família.

Não é uma batalha fácil. Especialmente em relação às drogas em geral, incluindo o álcool, deixá-las em definitivo tende a ser uma decisão sempre empurrada para o ano seguinte. Ou pior, abandonada no meio do caminho.

Dados do Ministério da Saúde revelam que 10,8% da população brasileira é de fumantes, a maioria homens. Em 2006, o índice chegava a 15,6%. Em 2013 e 2014, foram gastos R$ 41 milhões com a compra de medicamentos utilizados no tratamento contra o tabagismo. O governo tem como meta reduzir a taxa para 9,1% de fumantes no país até 2020.

O caminho está em aplicar o tratamento adequado, personalizado, a cada um

Um total de 21% dos brasileiros se declara ex-fumante. Estes foram vitoriosos, mas, quando um paciente se esforça para parar de fumar, beber ou abandonar drogas mais pesadas e não consegue, pensa logo que é um fracassado. Geralmente, isso acontece quando não se tem certeza de querer realmente parar, ou quando a medicação não é adequada. É nessa hora que nós, os médicos, exercemos um papel estratégico, customizando o tratamento para cada paciente e incentivando-o a continuar.

Os dependentes do fumo, da bebida, do crack, da cocaína e por aí afora são indivíduos extremamente diferentes uns dos outros. Nos últimos anos, por exemplo, a prevalência do tabagismo em pacientes com transtornos de ansiedade aumentou. E o tratamento para eles não é o mesmo indicado para o fumante que não tem nenhum transtorno. O ser humano não é “padronizável”. Com o controle do alcoolismo, a receita é a mesma. No Brasil, 16% da população tem problemas com álcool. Entre esses, 40% sofrem de depressão e exigem um tratamento especial; não cabem na mesma fórmula que inclui os outros 60%.

Novos tratamentos para combater o fumo e o alcoolismo aparecem por todos os lados. Alguns acabam por se popularizar. É questionável, por exemplo, a tese de que o cigarro eletrônico ajuda no combate ao tabagismo. Sem acompanhamento correto, o paciente seguramente voltará a fumar. Sabemos que é melhor – ou menos pior – que o cigarro comum. Mas as pesquisas sobre seus benefícios ainda são preliminares.

Na psiquiatria voltada para o atendimento de pacientes dependentes de álcool e outras drogas, é quase um consenso que o caminho está em aplicar o tratamento adequado, personalizado, a cada um. E, em relação ao fumo, tanto a redução gradual do consumo do cigarro comum quanto a parada abrupta podem ser boas estratégias, eventualmente assistidas.

Dependência não se resolve com uma única receita. Nem com tratamentos e produtos e remédios milagrosos. Exigem do dependente algum desejo de se livrar do vício ou, no mínimo, de se tratar. E, da parte do médico, a capacidade de indicar o caminho certo, único para cada caso, para ajudar o paciente a se superar. E refazer a vida.

Analice Gigliotti, psiquiatra, é ex-presidente da Associação Brasileira de Estudo do Álcool e outras Drogas (Abead), chefe do setor de Dependência Química da Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro e professora da Escola Médica de Pós-Graduação da PUC-Rio.
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.