i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Vida sim, maconha não

  • PorEduardo Girão
  • 31/08/2020 15:53
Flores de Cannabis
Flores de Cannabis| Foto: Fred TANNEAU / AFP

No dia 13 de agosto, no momento em que o Brasil e o mundo ainda estão voltados para a pandemia da Covid-19, uma comissão especial da Câmara de Deputados apresentou parecer (substitutivo) sobre o Projeto de Lei 399/2015, que prevê a possibilidade de plantio, processamento, pesquisa, produção e comercialização de produtos à base de maconha para fins terapêuticos e não terapêuticos. O texto original do projeto, bastante e intencionalmente alterado pelo substitutivo, tinha como interesse legislar para a regulamentação do uso terapêutico de produtos derivados de Cannabis. Naquela época não havia normativas apropriadas que garantissem o acesso de pacientes aos produtos terapêuticos à base de Cannabis.

A Anvisa, porém, já tratou da matéria, por meio da RDC 327, que dispõe sobre os procedimentos para a concessão da autorização sanitária para a fabricação e a importação, bem como estabeleceu requisitos para a comercialização, prescrição, dispensação, monitoramento e fiscalização de produtos de Cannabis para fins medicinais; e da RDC 335, que definiu os critérios e os procedimentos para a importação de produto derivado de Cannabis para o tratamento de saúde, concedendo mais rapidez e eficiência. A agência também já se posicionou contra o plantio.

Por trás desse projeto estão inúmeros interesses econômicos (o lobby do “narconegócio”). São bilhões de dólares envolvidos, inclusive com papéis na bolsa de valores, numa indústria que objetiva retirar da sociedade brasileira a percepção de risco sobre a droga, valendo-se, de forma covarde, de famílias vulneráveis por terem entes com problemas crônicos graves.

Em todos os países onde a maconha foi liberada para uso recreativo, a retórica foi a mesma. O discurso sempre se iniciou com a liberação da “maconha medicinal” e evoluiu para a liberação total da droga. Organizações como a Open Society de George Soros e outras empresas, entre elas algumas do decadente setor do tabaco, têm financiado essa política legacionista jamais visando a saúde das pessoas, e sim o lucro bilionário da indústria.

O mercado internacional da maconha quer transformar o Brasil no maior produtor mundial da droga (temos solo e temperatura adequados). No entanto, esse tipo de cultura imporá também um enorme impacto ambiental, incluindo enorme consumo de água e gasto energético.

Os interesses econômicos somam esforços com os interesses ideológicos, predominantemente de esquerda, que defendem, há tempos, a liberação da maconha no Brasil. Para esse grupo, a eventual liberação do uso terapêutico de derivados da Cannabis é apenas uma brecha para que sejam liberados o plantio, a compra, a venda e o uso dessa substância como droga entorpecente.

A legalização das drogas, em especial a maconha, esconde, por certo, interesses comerciais bilionários que, em nome do lucro, não se compadecem das tragédias familiares provocadas pelo consumo dessas substâncias ilícitas. Sendo assim, não há quaisquer justificativas razoáveis para a descriminalização, que acarretará apenas um agravamento dos problemas que a nossa sociedade já enfrenta.

Se o objetivo é o de baratear remédios, por que não se debruçar sobre os insumos de remédios para outras doenças crônicas graves e que vitimam muito mais pessoas no nosso país e no mundo, como o câncer, por exemplo?

Eduardo Girão é senador (Podemos-CE).

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 6 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    Eduardo Oliveira

    ± 23 horas

    O editorial da Gazeta está completamente perdido! No mesmo dia sai isso: https://www.gazetadopovo.com.br/vida-e-cidadania/maconha-agro-ruralistas-liberar-plantio/

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO RIBAS GOMES

    ± 23 horas

    Um recado pros donos da Gazeta, Guilherme e demais diretores, é uma vergonha o que a Gazeta faz nesse tema da maconha, ou todos ligados a sua religião católica. O extremismo dos diretores deste jornal, o cegam para o bom jornalismo. Vamos fazer uma matéria séria? sem preconceitos? ACORDA GAZETA

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO RIBAS GOMES

    ± 23 horas

    O conhecimento do Eduardo sobre maconha é nulo. Por que querem colocar na cadeia pessoas que apenas querem fumar recreativamente uma planta que hoje sabe-se faz menos mal que o alcool ou o cigarro. Pelo contrario, ainda oferece medicamentos. A desonestidade dos argumentos contrarios mostra apenas que a força da legalização é inevitável. Não podemos mais prender pessoas que fumam maconha, é igual prender alguém que quer tomar um copo de cerveja. A sociedade precisa evoluir nesse tema, se desvinculando de dogmas e ideologias soturnas que desnorteiam o caminho do conhecimento e da liberdade.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Leonardo Santana

    ± 23 horas

    Carlos Eduardo usa a famosa falta de argumento chamada Whataboutism: https://pt.wikipedia.org/wiki/Whataboutism#:~:text=Whataboutism%20(tamb%C3%A9m%20chamado%20de%20whataboutery,hipocrisia%20sem%20refutar%20seu%20argumento.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • A

    Anizio Lemos

    ± 1 dias

    Caro Eduardo Oliveira, seu argumento critico à GP sobre a matéria em questão, comparando a outras drogas legais..é no mínimo..de um proveito desonesto/ignorante. Sugiro ler mais argumentos contra a legalização dessa *****..que com certeza sua "boa intenção" será mais ampliada... Pesquise no Google... porquê devemos ser contra..ok

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    Eduardo Oliveira

    ± 1 dias

    A hipocrisia da Gazeta do Povo é tão descarada e vergonhosa! Uma pena que haja tanta cegueira por parte dos financiadores desse portal. Todo dia há uma matéria promovendo vinhos e cervejas por aqui, drogas estas que provocam mortes diárias no Brasil, através de acidentes, perda de autocontrole, violência doméstica. VOCÊS SÃO HIPÓCRITAS!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.