i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Vinhos: um convite ao diálogo e ao perdão

  • PorJacir J. Venturi
  • 21/07/2019 01:00
Vinhos: um convite ao diálogo e ao perdão
| Foto: Pixabay

Uma bebida tão antiga quanto a civilização, onipresente na descrição de porres homéricos dos banquetes greco-romanos às Sagradas Escrituras, nas quais – segundo o Google – o vinho é mencionado 140 vezes. No Livro dos Cânticos alia-se à lascívia: “Teu umbigo, essa taça redonda onde o vinho nunca falta”. O folclore popular é pródigo em frases de muito bom humor: “se beber vinho fosse pecado, Jesus teria transformado água em Fanta Uva”. Outra: “azeite, vinho e amigo, melhor se antigo”.

Em seu livro Bebo, Logo Existo, o filósofo inglês Roger Scruton rende-se à generosidade do fermentado de uvas, “um convite ao diálogo e ao perdão que há no fundo de cada taça”. Seguramente, a companhia tem forte influência nos seus encantamentos. Receber os amigos – ou a quem se ama – em torno de um bom vinho é um rito de celebração da vida.  Até o circunspecto Benjamin Franklin se enche de júbilo: “o vinho é a prova constante de que Deus nos ama e deseja ver-nos felizes”. O mais idolatrado poeta português também se faz oportuno: “Boa é a vida, melhor é o vinho”.

Receber os amigos – ou a quem se ama – em torno de um bom vinho é um rito de celebração da vida

Discorrer sobre vinhos em ambientes sociais é uma postura amistosa, glamourosa e em certa medida demonstra cultura. Porém, pode-se legar a imagem de esnobe, pedante, pernóstico. Ou usando uma adjetivação mais recorrente: "enochato" no falar e inconveniente no beber. A linha divisória entre o consumo moderado e a dependência é muito tênue e sabemos que são deletérios os malefícios do exagero. Não há consenso em relação à quantidade. É plausível de uma a duas taças diárias, de 250 ml. Moderação é a palavra de ordem. O tinto seco contém antioxidantes e resveratrol, que colaboram para reduzir os níveis de LDL (o mau colesterol), elevar o HDL (o bom colesterol) e, por consequência, comprovadamente reduzir os riscos de doenças cardiovasculares. Com os amigos, faço blague que esta é a descoberta do século. O jornalista Renato Machado costuma reiterar o conselho de seu médico: “Fique perto dos vinhos que rejuvenescem e longe dos laticínios que envenenam”. E como fica a harmonização, pois queijos e vinhos representam um casamento perfeito? Mais uma vez, com moderação, esporádicas recaídas são aceitas.

A vida é muito curta para tomar maus vinhos. Pela metade do preço em relação ao Brasil, na degustação de alguns emblemáticos tintos nas bodegas de Mendoza, encontrei a justificativa da  expressão “néctar dos deuses” e das veneráveis efemérides dos povos greco-romanos a Dionísio e Baco. Veio-me a lembrança da bucólica infância, quando a iniciação se fazia com a “sangria” – assim denominada nas famílias de italianos do interior de SC –, a mistura de vinho de colônia, água e açúcar. Vinho jovem, adstringente, apreciado pelos mais velhos, pois “tão puro que até tingia de vermelho os dentes”. Quando trouxe de Santiago o consagrado Don Melchor para o meu pai, depois de dois copos, perguntou o valor em reais e desconsolado me disse: “ainda prefiro os vinhos do Tio Carlo. E em preço é 20 garrafas contra uma”. Em outra ocasião, acompanhado de filhos e irmãos, todos enófilos, na visitação a uma bodega chilena, a bela morena pergunta donde somos. Eufórica, exclama: “Ah, são Brasil”. Faz sentido, pois 20% da produção da Concha Y Toro é exportada para o Brasil. Esclarece que o fundador Don Melchor legou a vinícola aos filhos, que hoje está na 4.ª geração e, no entanto, detém apenas 0,5% do capital. Vale o tour, com a ressalva do intenso merchandising. No final do ritual da degustação, a morena – nativa e com lindos traços indígenas, na educada versão dos meus acompanhantes – didaticamente verbalizava da aplicação dos cinco sentidos para bem sorver cada talagada: olfato, paladar, visão, tato. Fez-se uma providencial pausa.

Leia também: Só o Chico Buarque é feliz no Brasil: antidepressivos, Alexandre Frota e o Escola sem Partido (artigo de Marcos Paulo Candeloro, publicado em 15 de abril de 2018)

Leia também: Está em falta (artigo de Flavio Quintela, publicado em 10 de maio de 2015)

– E o quinto sentido, a audição? – pergunta o paulistano ao meu lado.

Todos nós – como que embevecidos e mesmerizados com a graça e leveza daquele cerimonial –, em uníssono, bailamos nossas taças no ar em direção à taça erguida pela graciosa chilena, que após alguns segundos de silêncio proclama o gran finale:

Y ahora, celebremos con un tintín a la salud y, a la vez, un exquisito encanto al oído.

Sim, dei-me conta de que o som daqueles sutis toques é um maravilhoso encanto aos ouvidos e sempre é prenúncio de enlevo e deleite. Mesmo quando a vida não apresenta motivos para brindar, vale a recomendação de Napoleão, em referência ao champanhe: “Nas vitórias é merecido, nas derrotas é necessário”.

Jacir J. Venturi, professor, enófilo e pecuarista.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • E

    EDUARDO SABEDOTTI BREDA

    ± 0 minutos

    Belíssimo texto. Parabéns!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • E

    ELIZABETH DUBAS LASKOSKI

    ± 14 horas

    Parabéns Prof. Jacir Ventura! Excelente texto!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LAURO LUIZ LEONE VIANNA

    ± 18 horas

    Excelente, Prof. Jacir !! Parabéns. Com a facilidade de expressão e a escolha de temas atuais, interessantes, que lhes são característicos, nos brinda com esse texto inspirador, informativo, e muito agradável. Abraço, Lauro Vianna

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.