i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Volta às aulas? Para qual escola?

  • PorDinamara P. Machado
  • 26/12/2020 09:00
Volta às aulas? Para qual escola?
| Foto: Pixabay

O governo federal, desde o início da pandemia da Covid-19, estabeleceu normas educacionais excepcionais para atender o estado de calamidade pública causado pelo coronavírus, o ceifador de vidas. O vírus denominado Sars-CoV-2, com mutações exponenciais típicas da nossa era globalizada, em sua nova variante assassina, mostra para a sociedade que vidas, economias, sonhos e filosofias podem imediatamente sofrer transformações. O estado pandêmico atingiu de forma díspar a sociedade, e novamente tivemos o fortalecimento da diferença entre ricos e pobres. Países altamente qualificados cientificamente, com pilares democráticos e a preponderância mínima de bom senso, ocupam novamente destaque no cenário do caos.

A escola, como parte desse universo social, foi abalada e sofreu diversas mutações, tal como o vírus avassalador. Escolas em todos os níveis, das mais tradicionais até aquelas que já usavam tecnologia, tiveram de se reinventar para manter-se diante da sua missão. A pandemia tem sido cruel com o ambiente educacional, e tem revelado o lado sombrio que negamos constantemente. A escola, que deve ser o lugar para atender a todos, tem se revelado espaço de segregação.

Por mais que gestores, professores, pais e estudantes tenham tentado aprender apenas com aulas no ensino remoto, precisamos ser sinceros e reconhecer que não temos um pacto digital em que todos tenham acesso à internet; que muitos pais não têm conhecimento para ajudar seus filhos e muitos daqueles que têm conhecimento não conseguem ajudar por causa de suas atividades; temos, ainda, uma questão cultural que relegou ao nosso povo a ideia de que aprendizagem com tecnologia deve ser apenas para adultos que buscam curso a distância. Temos de ser realistas diante do cenário potencializado pelo vírus. A escola é um espaço necessário para o desenvolvimento social, mas ela deve ser um lugar onde preparamos as novas gerações justamente para o enfrentamento da necessidade de readequar e reinventar a todo momento.

Esse espaço em que devemos aprender e mudar nossas atitudes diante da vida está sendo suprimido justamente daqueles que mais necessitam

Estudo da Insights for Education revelou que somente os países em desenvolvimento realizaram o fechamento total das escolas. Podemos até fazer conjecturas; afinal, povo sem educação e cultura é de fácil dominação. Mas temos de ir além e pensar no papel da escola. A escola, em seus currículos, trabalha com projetos de vida e fortalece os valores universais dos direitos humanos e da ética. Se os membros dessa escola não conseguem sair da teoria, significa que não seguirão os protocolos de segurança; que mesmo com a vacina continuarão com velhos hábitos; que todos os sofrimentos com as vidas ceifadas foram apenas mais um conteúdo que, ao término da educação básica ou superior, tivemos no currículo, e que de fato não conseguimos aplicar.

Precisamos compreender e aprender que o espaço educacional é híbrido, com tecnologias digitais e analógicas, que o conteúdo precisa ser vivenciado. Ao observarmos as políticas públicas nacionais iremos reconhecer que há muito tempo os espaços educacionais são utilizados para servir aos propósitos da nação; recentemente, inclusive, tivemos eleições municipais, ou seja: quando necessário, o espaço pode ser utilizado. Esse espaço em que devemos aprender e mudar nossas atitudes diante da vida está sendo suprimido justamente daqueles que mais necessitam.

A escola é, sim, um agente de transformação social, local onde aprendemos desde a tenra idade a conviver com os outros e conosco mesmos. A escola é o primeiro espaço fora do seio familiar em que somos testados socialmente, revelam-se as potencialidades e as fragilidades das famílias, ou melhor, da sociedade que estamos ajudando a formar. A infraestrutura e o corpo social da escola são a segunda família de muitas crianças e adultos. A criança pequena chama o profissional do portão de “tio”, pois confere àquele adulto um sentimento, um reconhecimento como membro de sua família, que sabe que pode correr até ele no meio do intervalo e pedir ajuda. Com certeza temos no aplicativo aquele grupo de amigos dos tempos da faculdade, talvez tenhamos ido a um casamento ou batizado um sobrinho que nasceu durante o curso. Emoções construídas a partir do meio educacional. A escola é uma grande casa e, como nas nossas casas, ensinamos a nossas crianças, adolescentes e adultos os caminhos (in)seguros dessa vida globalizada.

A discussão do retorno presencial aos ambientes escolares é mínima e necessária, mas precisamos compreender que a escola é um local onde teorias precisam ser vivenciadas. Se trabalhamos principalmente na área de ciências biológicas sobre vírus, transmissão e tantos outros elementos que circundam a vida humana, precisamos praticar. Respeitar quando um colega de escola está com gripe, saber que, independentemente da potencialidade do vírus, quem está doente deve ficar recluso. Se é público e notório que doenças podem ser transmitidas com relações sexuais ou uso compartilhado de seringas, qual o motivo do aumento do número de infectados após todos esses anos? Se sabemos que dengue mata e ainda mantenho o vaso de flor com água no prato, assumo que sou irresponsável e causo mortes, assim como o vírus. Se ainda tenho coragem de jogar papel pela janela, coaduno com políticas de desmatamento.

Retornar ou não o ensino presencial é uma discussão necessária, mas precisamos extrapolar: da escola da teoria para a escola da prática. O conhecimento humano acumulado precisa ser preponderante e dominar o instinto. Este instinto que acredita ser imortal, que não tem responsabilidade com seu próximo e consigo mesmo, pois acredita que pode tudo em todos os tempos. Precisamos, como adultos formadores das novas gerações, promover mudanças de micromundo e, mesmo diante das inúmeras dificuldades, devemos lutar para que o espaço escolar não atenda apenas aos anseios daqueles que querem nos dominar. E, como conhecedores das falácias humanas, devemos colocar em prática nossa teoria. A pergunta que nos cabe fazer é: para qual escola voltaremos?

Dinamara P. Machado é diretora da Escola Superior de Educação do Centro Universitário Internacional Uninter.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Saber é poder

    ± 0 minutos

    Aqueles que já leram Rothbard, Ivan Illich, e as biografias sobre ensino-aprendizagem nas vidas de Adam Smith, Mozart, Alexandre o Grande e Stuart Mill, não se preocupam mais com essas falsas aporias, pois entendem claramente a relação "escolarização versus educação". Há uma enorme diferença nos resultados entre crianças abandonadas às escolas públicas/privadas e as crianças que estudam de verdade, em casa, com apoio da família e liberdade de aprender da maneira certa e adequada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso